Igreja

Amoris laetitia ajuda a sua família e você nem sabe

Escrito por Eduardo Gois

29 DEZ 2020 - 11H20 (Atualizada em 29 DEZ 2020 - 11H33)

Papa

Para repensar e valorizar a família e dar um novo impulso à aplicação da Exortação Apostólica Amoris laetitia, no domingo (27) o Santo Padre Papa Francisco convocou um período especial chamado Ano “Família Amoris laetitia”.

Ao site da Vatican News, o secretário do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, Padre Alexandre Awioexplica que será um período para promover várias iniciativas além de oferecer subsídios pastorais para se reencantar pela mensagem do Papa” destinada às famílias: "Vai ser o tempo para que as famílias do mundo inteiro, nas suas paróquias, como Igreja doméstica, nas conferências episcopais, nos movimentos familiares, possam tomar de novo nas mãos a Exortação Apostólica que foi fruto de dois Sínodos: voltar a se embeber da riqueza dessa exortação, a beleza do amor familiar, com todos os seus aspectos bíblicos, teológicos, pastorais; e voltar a se reencantar por essa mensagem do Papa às famílias no mundo de hoje”, disse o padre.

Mas sobre esta exortação o A12 lança perguntas: Você de fato sabe o que ela nos apresenta, nos ensina e em que contribui para a Igreja? Você arrisca um palpite?

Primeiro a própria expressão: Amoris Laetitia – que se pronuncia "Amores Letícia" – popularmente pode não ser tão fácil de se compreender à primeira vista, mas ela pode revelar já de cara um ensinamento, pois carrega no significado “a alegria do amor”.

O nome foi escolhido especialmente pelo Santo Padre, o Papa Francisco, logo após o Sínodo dos Bispos sobre a Família, em 2016, tendo ouvido o episcopado do mundo inteiro, e também a partir de todo o magistério anterior, especialmente a exortação Familiaris consortio (1981), de São João Paulo II. No Capítulo 8, a exortação convida a “acompanhar, discernir e integrar a fragilidade” das nossas famílias.

Leia MaisO valor do idoso, segundo três pontos da exortação "A Alegria do amor"O Padre Juliano Ribeiro Almeida, mestre e doutor em Teologia Sistemática, publicou pela Editora Santuário em 2018, o livro Amoris Laetitia em debate”, Para ele, a exortação trouxe, por exemplo, uma significativa contribuição para os casais de nova união e representa o espírito de misericórdia que a Igreja deve testemunhar.

Mas ele exemplifica e afirma também que o Papa Francisco ensina que o padre não pode ter a pretensão de substituir a consciência do casal. “A missão do padre é formar essa consciência, ensinando-lhes integralmente a doutrina católica sobre o matrimônio, ajudando-os a reconhecer a gravidades e a encontrar a melhor forma possível de integrar o casal na vida da Igreja”.

Desse modo a exortação mostra que a Igreja não quer mudar a doutrina, mas ampliar o modo como a compreende. Também há que se considerar que, segundo o Papa Francisco, a exortação também trouxe:




Diálogo ou a práxis pastoral;

Oferece coragem, estímulo e ajuda às famílias na sua doação e nas suas dificuldades;

Cuida com amor da vida das famílias, porque elas não são um problema; são sobretudo uma oportunidade.

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Eduardo Gois, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.