Por Pe. José Luis Queimado, C.Ss.R. Em Igreja

Conhecendo os Evangelhos: Palavras duras de Jesus

Conhecendo os Evangelhos compreende uma série de artigos interpretativos.
Em cada artigo será apresentada uma passagem bíblica e uma reflexão. 

EVANGELHO – Mt 10, 34 – 42

34 Não julgueis que vim trazer a paz à terra. Vim trazer não a paz, mas a espada. 35 Eu vim trazer a divisão entre o filho e o pai, entre a filha e a mãe, entre a nora e a sogra, 36 e os inimigos do homem serão as pessoas de sua própria casa. 37 Quem ama seu pai ou sua mãe mais que a mim, não é digno de mim. Quem ama seu filho mais que a mim, não é digno de mim.

38 Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim. 39 Aquele que tentar salvar a sua vida, vai perdê-la. Aquele que a perder, por minha causa, vai reencontrá-la. 40 Quem vos recebe, a mim recebe. E quem me recebe, recebe aquele que me enviou. 41 Aquele que recebe um profeta, na qualidade de profeta, receberá uma recompensa de profeta. Aquele que recebe um justo, na qualidade de justo, receberá uma recompensa de justo. 42 Todo aquele que der ainda que seja somente um copo de água fresca a um destes pequeninos, porque é meu discípulo, em verdade eu vos digo: não perderá sua recompensa. 

Jesus chama

REFLEXÃO

Aqui, nesta perícope (pequeno trecho do Evangelho com sentido completo), encontramos o chamado discurso do discipulado; um dos cinco discursos do Evangelho de Mateus. Este Evangelho está estruturado em torno de cinco narrativas e cinco discursos. Os cinco discursos estão divididos da seguinte forma: do capítulo 5,1 ao 7,29, encontramos o famoso sermão da montanha. O capítulo 10 contém os ensinamentos e exortações aos discípulos. No capítulo 13, vemos Jesus falar do Reino de Deus em parábolas. O capítulo 18 nos mostra as falas do Mestre sobre a Igreja (assembleia). E, por fim, encontramos a despedida de Jesus do capítulo 24,1 ao 25,46, – conhecido como discurso escatológico (do fim último das coisas). E é claro que a narrativa da Paixão-Morte-Ressurreição de Jesus é o eixo central em torno do qual o Evangelho ganha vida.

 

"[Jesus] deixa claro que não será fácil segui-lo; que não haverá conforto nem luxos no decorrer dessa caminhada!"

O capítulo 10, o segundo discurso de Jesus no Evangelho de Mateus, que é o discurso da perícope acima, mostra-nos a radicalidade do convite do Mestre ao discipulado. Ele quer deixar claro que não será fácil segui-lo; que não haverá conforto nem luxos no decorrer dessa caminhada!

Parecem-nos duras as palavras de Jesus. Ele salienta que a discórdia surgirá entre os mais próximos, por causa de seu nome e de seu projeto. Até mesmo os familiares perseguirão os seus próprios membros para erradicar (acabar) com a novidade da pregação de Jesus. Mas são exatamente aqueles que se dispuserem a passar por essas tormentas, a ponto de se doarem completamente (perder a vida), que ganharão uma vida mais verdadeira, mais intensa, mais prazerosa de ser vivida.

E todos aqueles que ajudarem no anúncio do Reino serão considerados discípulos de Jesus. Haverá os que pregarão a palavra, mas haverá os que sustentarão os pregadores e a pregação. Jesus deixa claro que os pregadores fazem parte do rebanho, mas são escolhidos para serem condutores da grei.

Quando nos encontramos com missionários, que trazem uma palavra de conforto e de esperança aos nossos lares e às nossas vidas, devemos tratá-los como Jesus pediu. Não importa a religião, não importa a cor da pessoa, não importa o seu status social e não importa a sua escolaridade. O que importa é que essas pessoas desejem mudar as estruturas de morte e de opressão que esmagam os seres humanos. Todo profeta é denunciador. Todo profeta que anuncia, também denuncia. Ajudemos esses profetas a realizar o sonho de Deus em nossa sociedade!

Se você acha que não pode anunciar a Palavra de Deus com palavras, anuncie com gestos e obras. Valerá muito mais aos olhos de Deus. Mas não pense que essas falas de Jesus são uma defesa à ajuda financeira, muito veiculada hoje em nossas igrejas, mas são propostas de ajuda concreta à realização do Reino. Não pense que profetas e missionários devem estar de bolsos cheios e viver uma vida opulenta, pois isso é contrário à proposta de desprendimento feita por Jesus. Existem várias formas de realizar o dom da profecia e da missionariedade; portanto, mãos à obra!

Padre Queimado articulista colunista

9 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. José Luis Queimado, C.Ss.R., em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.