Por Pe. José Luis Queimado, C.Ss.R. Em Igreja Atualizada em 26 SET 2018 - 11H20

Conhecendo os Evangelhos: Pérolas aos porcos!

Conhecendo os Evangelhos compreende uma série de artigos interpretativos.
Em cada artigo será apresentada uma passagem bíblica e uma reflexão.

EVANGELHO Mt 7, 6.12-14

6 Não deis aos cães as coisas santas, nem lanceis aos porcos as vossas pérolas, para que não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem. 12 Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei a eles também vós, porque esta é a lei e os profetas. 13 Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; 14 Porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem. 

 Sermão da Montanha

REFLEXÃO 

Nesta pequena parte do Sermão da Montanha, podemos ver que Jesus profere palavras duras para a multidão, mas principalmente para os seus discípulos. Ele sabe que muitos rejeitarão a proposta da construção do Reino de Deus, da forma que Ele apresentava.

 

Quando Jesus disse para "...não lançar pérolas aos porcos, ele queria incentivar os seus discípulos a não desperdiçarem tempo com aqueles que jamais aceitariam o projeto confiado pelo Pai..."

A dureza das palavras de Jesus deve ser lembrada em seu contexto. Os porcos e os cães eram os animais menos apreciados pelos judeus. Em Levítico 11, 7 e em Deuteronômio 14, 8 encontramos proibições severas ao consumo de carne do porco. A tradição sacerdotal foi aquela que mais relegou aos judeus a distinção entre pureza e impureza, por isso mesmo, nos tempos de Jesus, as tradições falavam muito para todos os judeus piedosos.

No primeiro livro de Samuel, capítulo 17, versículo 43, vemos que o gigante filisteu Golias pergunta se ele era um cão para Davi, pois este ia enfrentá-lo com um cajado. Vê-se, claramente, o desprezo pelo cão nesta passagem bíblica. E quando Jesus diz para não dar aos cães as coisas santas e não lançar pérolas aos porcos, ele queria incentivar os seus discípulos a não desperdiçarem tempo com aqueles que jamais aceitariam o projeto confiado pelo Pai e ainda seriam capazes de fazer tudo para destruir o Projeto do Reino.

Por outro lado, o mesmo Jesus jamais deixava de insistir com os seus ouvintes. Ele tinha muita esperança nas pessoas, e por isso fazia questão de resgatar primeiro aqueles que eram considerados cães e porcos pelos dominadores da época. A regra é muito clara para vivermos uma vida santa e justa: fazer às pessoas aquilo que gostaríamos que elas nos fizessem. Ou seja, se eu quero matar, roubar ou falar mal das pessoas, a regra é que eu avalie se seria bom que eu fosse morto, roubado ou caluniado por alguém. Se eu vejo que não é bom passar por essas maldades, também não será bom para os outros. Colocar-se na pele do outro não é somente um jargão, mas uma realidade urgente para os nossos dias.

O caminho da evangelização é muito difícil. O seguimento de Jesus é muito desafiador. A porta é estreita para aqueles que querem segui-lo. O caminho largo das mordomias, do dinheiro, do poder, do prazer é o mais fácil, mas não o mais compromissado com a vida do ser humano.

Talvez, nos dias de hoje, os porcos e os cães mais empedernidos estejam habitando o nosso coração. Se nós não mudarmos de mentalidade, acolhendo o irmão que sofre, o irmão que chora e o irmão que é injustiçado, jamais nos aproximaremos do sonho libertador de Jesus!

Padre Queimado articulista colunista

12 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. José Luis Queimado, C.Ss.R., em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.