Por Pe. José de Lima Torres, C.Ss.R. Em Música Atualizada em 26 MAR 2019 - 14H31

A Música: Efeitos Psicofisiológicos

A música tem poder sobre os corpos e ninguém poderá medir o seu potencial. O corpo é capaz de ser atingido por estímulos sonoros que influenciam o movimento fisiológico. É isso que desejo apresentar ao trazer uma breve síntese do Capitulo IV da obra “Tratado de Musicoterapia”, de Clotilde Espinola LEINIG, quando apresenta os “Efeitos Psicofisiológicos provocados pela Música”.

A MÚSICA: EFEITOS PSICOFISIOLÓGICOSA música pode provocar muitos efeitos psicofisiológicos na pessoa humana. Além disso, tem o poder de gerar “a comunicação, a identificação, a fantasia, a expressão pessoal e levá-lo ao conhecimento de si mesmo”.[1] Ela é capaz de atingir todo o material fisiológico. Inúmeros trabalhos científicos têm a Música como objeto de investigação.

No cérebro, que comanda todo o corpo humano, é também possível medir as consequências da incidência da Música. O pulso cerebral, a circulação e a contração sanguínea, a dilatação intracraneana, tudo pode ser alterado dependendo do som e do ritmo com que o indivíduo mantenha contato.

O corpo do ser humano é portador de eletricidade, também pode sofrer influência da Música. Através do eletroencefalograma é possível medir as “correntes Elétricas do corpo”, apontando que a ação da música provoca “modificações nas secreções cutâneas”[2], ou excita as secreções das glândulas “sudoríporas”. [3] O estímulo da energia do corpo pode beneficiar ou prejudicar os órgãos, dependendo da maneira e intensidade da energia produzida.

A Música também influencia o ritmo da circulação e da respiração. Depressão, stress e ansiedade são fatores que provocam patologias nestes sistemas. Buscando libertar-se das emoções e sentimentos negativos, o indivíduo acaba por reprimi-los, alterando sua pressão sanguínea. Isso pode provocar distúrbios cardiovasculares, arritmia, taquicardia, etc. Para dissolver essas patologias é essencial “guardar a calma, aprender a relaxar e liberar as emoções”.[4] Há estudos que indicam diversas músicas para o momento de relax. Pesquisas mostram que o Jazz tende a aumentar a frequência respiratória e cardíaca mais que a música erudita.[5]

A pressão alta provocada por questões emocionais também pode ser governada pela Música. Ela pode manter-se elevada por causa das emoções excessivas. Pessoas com pressão alta são mais ágeis e mais sensíveis, incidindo no funcionamento “gastrointestinal, inibição das secreções digestivas e maior rapidez nos batimentos cardíacos”.[6]

 

Pesquisas mostram que a força muscular pode ser aumentada por meio de “excitações sonoras agradáveis”, com músicas “alegres, de andamento rápido e em tom maior”.

Pesquisas mostram que a força muscular pode ser aumentada por meio de “excitações sonoras agradáveis”, com músicas “alegres, de andamento rápido e em tom maior”.[7] No Carnaval, é comum as pessoas passarem horas na agitação das festas. Da mesma forma, as academias de exercícios físicos utilizam ritmos acelerados para influenciar o trabalho do corpo.

O estômago é um dos órgãos mais sensíveis, ele reage aos ambientes de emoções agradáveis ou não, influenciando na digestão. Por isso aconselha-se músicas agradáveis na hora da alimentação. Qualquer alteração de humor pode surgir a angústia e tirar o apetite. “A Música é o melhor neutralizante, não só para deixar o ambiente alegre, mas também para influir diretamente nos movimentos do trabalho digestivo.”[8]

Enfim, muitos males que o mundo moderno nos trazem podem ser evitados com o uso da música. O musicoterapeuta é o único profissional habilitado para ajudar na superação de problemas psicofisiológicos utilizando a música.

 

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:
LEINIG, Clotilde, Espínola. Tratado de Musicoterapia. São Paulo. Sobral, 1977

____________________________________
[1] Idem pg. 39
[2] Idem pg. 43
[3] Idem pg. 44
[4] Idem pg. 45
[5] Idem pg 46
[6] Idem pg. 48
[7]Idem pg 49         
[8] Idem pg 50

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. José de Lima Torres, C.Ss.R., em Música

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.