Por Eduardo Gois Em Notícias Atualizada em 14 OUT 2020 - 15H49

Mãe de todos: Devotos anônimos e famosos contam suas histórias com a Padroeira

Com certeza, o dia 12 de outubro de 2020 ficará marcado para a história de Aparecida. Desta vez, não pela imensidão de pessoas, mas por ser um ano atípico, e um momento em que nem todos os devotos da Mãe Aparecida puderam estar em sua casa, o Santuário Nacional.

Foi o ano em que os rostos foram tampados pelas máscaras e apenas o olhar ficou à mostra, que as romarias a pé se tornaram virtuais, que as redes sociais serviram de lentes para aqueles que não podiam peregrinar, que os abraços e apertos de mãos deram lugar a 'soquinhos' leves nas mãos dos amigos.

Mas nenhuma dificuldade é barreira para quem está motivado pela fé. O A12 ouviu diversas pessoas de modo presencial e virtual, famosos e anônimos que se dispuseram a dar testemunho e partilhar suas alegrias com todos. Na listagem abaixo, inspire-se e compartilhe o amor, a fé, a esperança e a devoção à Rainha e Padroeira do Brasil.

Eduardo Bragheroli

Eduardo Gois/ A12
Eduardo Gois/ A12


5 anos, ele percorre de bicicleta, em dois dias, 210 Km, de Santo André (SP) até Aparecida (SP). Caminhoneiro, sofreu um acidente em 2015 e, desde então, vem agradecer pelo livramento em todo feriado de 12 de outubro.

Amanda Françozo

Juam Ribeiro
Juam Ribeiro


A apresentadora
não esquece dois fatos em sua vida que têm ligação com Aparecida. Dias após o falecimento de sua avó, que desejava muito vê-la na telinha da TV Aparecida, foi chamada para trabalhar no Canal de Nossa SenhoraOutro fato inesquecível foi o batizado de sua filhinha Vitória, na Capela do Batismo do Santuário Nacional.

Maycon William Fernandes Cardoso

Eduardo Gois/ A12
Eduardo Gois/ A12

De Cruzeiro (SP), o jovem pizzaiolo vem há 8 anos, agradecer pela saúde, pela família e por graças alcançadas. Ele parte sempre de Cachoeira Paulista (SP), cidade vizinha, e caminha por toda a noite e madrugada do dia 11 até chegar no Santuário Nacional no dia 12 e aproveitar os momentos de espiritualidade nos diversos locais de encontro com Nossa Senhora.

José Maria Custódio

Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal


Aos 3 anos de idade, uma porteira caiu sobre José Maria, ferindo-o na cabeça. Havia sangue, e os dentes foram quebrados. “Meus avós desesperados moravam na roça, em Lagoinha (SP). O enfermeiro da cidade dizia que ele iria morrer. Sua esposa disse à minha avó para levá-lo para Guaratinguetá (SP), mas minha avó, firme, disse que iria para Aparecida e que meu pai seria curado por Nossa Senhora. Assim, eles vieram, deixaram tudo na roça, instalaram-se na cidade. Minha avó, de fé muito simples, passava a água de uma fonte que existia na cabeça do meu pai e ele foi sendo curado. Da queda, ele ficou gago, mas viveu! Casou-se e tem quatro filhos”, conta uma de suas filhas, Andresa Custódio.

Edson Luiz da Silva

Eduardo Gois/ A12
Eduardo Gois/ A12
Edson faz questão de mostrar tatuagens que simbolizam toda a fé que tem em Nossa Senhora Aparecida


O
motorista trouxe de Mogi das Cruzes (SP), 70 pessoas em romaria a pé. Conta com muito orgulho sobre o grupo que coordena, “Caminhando com Maria”, em sua 23º Romaria, formada por amigos dos estados de São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Tocantins e Amazonas. Todos percorrem 138 km, partindo de Mogi das Cruzes no dia 8 e chegando em 11 de outubro. Ele só lamenta por já ter trazido 320 pessoas, mas hoje, devido à pandemia, vieram bem menos integrantes.

Fábio Trindade

Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal


Em 2016, o músico passou por um período de dificuldade financeira, uma mudança de cidade, desemprego e a filha adoeceu com uma alergia severa, que deixou seu corpinho cheio de feridas. Foi nesse momento que ele pediu a intercessão da Mãezinha: já participava da Paróquia de Nossa Senhora Aparecida, no Rio de Janeiro (RJ), e foi lá que começou a compor a música 'Senhora Aparecida'. “Pouco tempo depois, a minha vida foi restaurada, comecei em um novo emprego, minha filha foi curada, entreguei minha família em suas mãos e Ela cuidou de nós, conta ao A12.

Francisco da Silva e Luiz Carlos Almeida

Eduardo Gois/ A12
Eduardo Gois/ A12


Amigos há 30 anos, fizeram uma caminhada a pé de São José dos Campos (SP) até Aparecida. É a quinta jornada juntos, mas essa foi a mais difícil. Com a saúde fragilizada por problemas renais, Francisco teve imensa dificuldade para concluir a romaria. “A fé é mais forte do que a dor que sentimos no corpo”, afirma Francisco.

Cauã Alanderson

Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal


O jovem seminarista pretende ser um missionário redentorista e partilhou com a equipe do A12 que há 25 anos, num terreno baldio na zona rural de Santo Antônio do Pinhal (SP), seus avós Nathália e Francisco tiveram a ideia de fundar uma capela em honra a Nossa Senhora Aparecida, pois a comunidade não tinha nenhuma capela.

Foi quando então pediram para o prefeito a doação do terreno. A prefeitura se prontificou, limpou o terreno e cedeu. Começam a construir a capela, que logo ficou pronta, em 12 de outubro de 1995, com procissão e missa, e depois um lanche, bolos e doces servidos aos mais carentes. Atualmente, a rua em que da capela foi erguida deu o nome ao bairro que se chama Nossa Senhora Aparecida, o que é motivo de alegria para toda a família.

Vicente de Paula, Argel Francisco e Raquel Glória

Eduardo Gois/ A12
Eduardo Gois/ A12


Pai, mãe e filho, em família, decidiram de última hora passar a Festa da Padroeira em Aparecida e emocionam-se por terem vencido o medo da pandemia. Eles acreditam que aqui estão representando outros que não puderam vir.

Padre Reginaldo Manzotti 

Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal


Outro devoto que nos enviou um depoimento é conhecido por muitos brasileiros. Padre Reginaldo Manzotti  contou ao A12: "Sou fruto e testemunha viva do poder intercessor de Nossa Senhora Aparecida. Sou o milagre vivo de uma oração de minha mãe, que, ao me ver nascer sufocado pelo cordão umbilical, após ter sido batizado às pressas, fui consagrado à Nossa Senhora Aparecida. Em minha alma, trago eterna gratidão: nos lábios, os louvores; e no meu segundo nome, a marca daquela que intercedeu a Jesus e salvou minha vida: meu nome de batismo é Reginaldo Aparecido Manzotti", conta o padre. 

.:: Festa da Padroeira celebra Nossa Senhora e homenageia vítimas da pandemia

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Eduardo Gois, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.