Por Redação A12 Em Redação A12 Atualizada em 08 NOV 2019 - 12H10

"Celebrar Todos os Santos é atualizar a radicalidade do nosso Batismo", diz Padre Camilo

No Redação A12 ao vivo de sexta-feira (01), Padre Camilo Júnior, diretor do A12, esteve mais uma vez ao lado de Eduardo Gois para falar sobre duas celebrações muito importantes para a nossa Igreja nesta semana, o Dia de Todos os Santos (01) e Finados (02).

Gustavo Cabral
Gustavo Cabral


Por que que dedicamos um dia àqueles que já se foram?

Padre Camilo explica que a comemoração de Finados é um tempo muito especial de fazermos memória de pessoas que viveram entre nós, tiveram suas histórias e, acima de tudo, deixaram testemunhos bonitos de fé. Vivemos o dia de Finados porque nenhuma vida pode ser esquecida; toda vida vale a vida de Jesus. Nós sabemos que o dia da morte jamais vai destruir o que uma vida significou, principalmente daquelas pessoas que estiveram próximas a nós, familiares e amigos. Por isso, a Igreja reservou um dia para que todos nós façamos memória dos fiéis falecidos.

Celebrar Todos os Santos é atualizar a radicalidade do nosso Batismo

O Dia de Todos os Santos é celebrado em 1º de novembro, mas, no Brasil, para facilitar a participação das pessoas nas celebrações das comunidades, quando o dia 1º de Novembro não cai no domingo, a cerimônia da solenidade é transferida para o domingo seguinte. Então, na igreja do Brasil vai ser a liturgia do próximo domingo.

Temos primeiramente o Dia de Todos os Santos, onde a igreja reza àqueles que se tornaram exemplos a serem seguidos, aqueles que viveram a radicalidade do batismo, acima de tudo, pela dimensão da caridade e por serem imagens vivas do coração de Deus junto às pessoas e, no dia seguinte, a Igreja já colocou Finados, a memória dos fiéis falecidos, porque, em tese, todos aqueles que estão no céu, na morada que Jesus preparou para todos nós na casa do Pai, estão os santos e santas.

Pode não ter títulos, nem imagens nem altares na Terra dedicados a eles, mas "todos que estão no céu lavaram e alvejaram suas vestes no sangue do Cordeiro", como diz o livro do Apocalipse. E agora estão diante do trono de Deus e têm a plenitude da Luz de Deus, que ilumina em santidade a plenitude da vida. Nada destrói o significado da vida, mesmo porque, pela fé em Cristo, nós vencemos o poder da Morte e, agora, a última palavra sobre a nossa história será sempre uma palavra de vida. Deus é Deus dos vivos e a palavra de Jesus é palavra de vida eterna.

Como posso rezar por uma pessoa que já faleceu

Especialmente hoje, a Igreja tem uma liturgia própria para este dia: rezamos a memória daqueles que nos precederam no céu. Mas é comum nas comunidades, principalmente nas celebrações dominicais, ter também espaço para colocar as intenções, os nomes dos fiéis falecidos, familiares e amigos. Mas todo cristão pode, em sua oração pessoal em casa, em família, rezar pelos falecidos. É comunhão, e nós a temos pela fé.

Nós estamos na Igreja militante, a caminho ainda nesta terra, mas, com o olhar voltado para o céu, já nos comunicamos em comunhão, em Cristo, com a igreja Triunfante, ou seja, com aqueles que já têm a plenitude da vida e que já vivem em Deus. Então é um costume rezar pelos mortos, é uma obra de misericórdia. Se pode sempre rezar pelas pessoas falecidas, tanto pelo seu descanso eterno, que é aquilo que nós pedimos, mas também para fazer com que a memória dela permaneça também viva dentro de nosso coração.

:: Indulgências: profunda e viva experiência da Misericórdia

Como obter indulgências no Dia de Finados

Podemos rezar sempre pelos falecidos que percorreram a caminhada da vida e estão no céu. Podemos rezar também pedindo indulgências para nossos familiares e amigos e, se tivermos a possibilidade, receber o Sacramento da Reconciliação (Confissão), comungar e rezar pelas intenções de oração do Papa, que é o vigário de Cristo.

Rezar pelos falecidos é sempre bom, mas no Dia de Finados, com certeza, conseguimos uma graça muito mais especial àqueles que nos precedem no céu.

Como lidar com a morte das pessoas que amamos e queríamos por perto

Uma das únicas certezas que temos na vida é essa: nós vamos sempre passar pela experiência das perdas. Nós vamos também perder a nossa própria vida. As perdas fazem parte da nossa caminhada. Todos nós, cristãos, somos iluminados pela fé, então o certo é nem dizermos o termo "perder", porque não se perde nada quando é Deus que ganha. A vida não é nossa propriedade, as pessoas não são nossas propriedades. Nós temos a graça de conviver com pessoas no âmbito familiar, mas elas são dons que Deus nos colocou, trouxeram aprendizados e tocaram nosso coração.

Nós somos todos de Deus. Por mais que, humanamente, doa a realidade de perdermos pessoas - pais, amigos, irmãos, filhos - por mais que seja humanamente dolorida essa experiência, a fé nos faz enxergar para além desta dor, para além da realidade do caixão e do próprio túmulo onde se encontram os nossos entes queridos e perceber que não termina ali.

Com o nosso olhar voltado para o céu, pela grandeza da fé, entendemos que a morte é apenas uma passagem; a morte não separa aqueles que foram unidos pelo mistério do amor do CristoA dor não pode ser absoluta; ela é um momento. A dor não pode ser maior do que o amor.

:: Devemos acender velas aos mortos?

:: O que é o purgatório?

Por fim, o missionário redentorista nos recordou o Salmo 22:

"O senhor é o pastor que me conduz.
Por isso, em minha vida, nada faltará.
Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso da sombra da morte,
nenhum mal temerei, porque o Senhor está comigo.
Sei que, um dia, feliz, eu viverei na casa do Senhor".

"Que vivamos, no dia de Finados, um dia especial de fazer memória agradecida por tantas vidas que já passaram pela nossa vida", finalizou.

:: Assista à entrevista na íntegra no vídeo abaixo.


Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Redação A12

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.