Por Pe. José Inácio Medeiros, C.Ss.R. Em Notícias

Missões Redentoristas marcaram a história de Faria Lemos e Carangola em Minas

Em meados do século XIX, com a instalação de fazendas e o crescimento da população procedente de várias partes de Minas, Rio e Espírito Santo, surgiram pequenos aglomerados urbanos margeando o rio Carangola. Aos poucos,  novas posses e novos empreendimentos foram se sucedendo e a mão de obra indígena foi substituída pelo braço do negro africano.  Em 1859, com a compra de uma extensão de terras aconteceu a formação do Patrimônio de Santa Luzia do Carangola. Um ano depois, em outubro de 1860, o povoado foi elevado a Distrito de Paz e incorporado ao recém-criado Município de São Paulo de Muriaé.

Foto de: arquivo.

Banner exposto na Matriz de Carangola (MG)

Pela terceira vez a cidade de Carangola recebe as Missões Redentoristas. 

 

Em 1862, foi elevado a Curato, filial a freguesia de Tombos do Carangola, pelo Bispo de Mariana, Dom Antônio Ferreira Viçoso. Em janeiro de 1866, o Distrito de Santa Luzia do Carangola foi elevado a Paróquia, condição conservada até 1878. Somente em 25 de outubro de 1881 a Vila de Santa Luzia do Carangola foi elevada à categoria de cidade e designada para ser a sede do Município.

As terras de Faria Lemos, por sua vez, começaram a ser exploradas em 1831. A partir da Fazenda São Mateus surgiu um povoado que foi beneficiado com a construção da estação da Estrada de Ferro Alto Muriaé. Em 1887 foi construída a primeira capela dedicada a São Mateus. O nome do município é uma homenagem ao presidente da Província de Minas, Antonio Faria Lemos que beneficiou o município com a construção da estação ferroviária. 

Presença redentorista

Apesar de ser uma cidade distante de qualquer comunidade redentorista, a congregação, entretanto, já marcou uma presença na história destas duas cidades através da pregação das Santas Missões. Em Carangola, o primeiro registro de uma missão pregada pelos redentoristas data de 1954. Naquele ano lá esteve uma equipe de missionários redentoristas da Província do Rio de Janeiro composta pelos padres José Simão Nogueira, Romeu Teixeira Campos, José Omar Guimarães.

Cruzeiro das Missões em 1955

No final da missão foi levantado um Santo Cruzeiro no alto do morro que sobeja a cidade. Mais tarde este cruzeiro, feito em madeira, foi completamente despedaçado por um raio que caiu sobre ele. Por isso, em 1960 foi erguido um novo cruzeiro feito em aço, doado pelo Sr. Acrízio Ladeira, com desenho do Sr. Mauro Valadão.

Passados muitos anos, em 1993, aconteceu uma Semana Missionária que tinha como objetivo preparar a ordenação sacerdotal do Pe. Paulo Carrara, missionário redentorista filho desta terra.

E agora, em 2014, o seu atual pároco, Pe. Jamir Pedro Sobrinho faz acontecer novamente as Santas Missões, conhecedor que é deste trabalho missionário e de sua importância com subsídio para a organização da grande comunidade paroquial.

Foto de: arquivo. 

Pe. Julio Maria pregou as primeiras missões em Faria Lemos (MG)

Padre Júlio Maria pregou
as primeiras missões
em Faria Lemos (MG)

Em Faria Lemos as primeiras missões redentoristas aconteceram de 15 a 23 de outubro de 1932, pregada pelo Pe. Júlio Maria que fundou a Liga Católica dos homens e a Pia União das filhas de Maria. O pároco da época era o padre Antonio Vieira Coelho.

Em 1993, quando o pároco era o Padre Odilon, hoje bispo emérito da diocese de Itabira e Coronel Fabriciano, aconteceu também a Semana Missionária Vocacional que preparou a ordenação sacerdotal do missionário redentorista Pe. Paulo Carrara, filho da terra. Na ocasião esteve em Faria Lemos o Pe. Antunes, CSsR.

E agora, pela terceira vez, de 06 a 24 de agosto as missões voltaram a acontecer. Uma nova comunidade foi criada no Bairro São Mateus e lá as missões tiveram a pregação feita pelo Pe. José Antônio dal Bó Giovanetti e Pe. Inácio Medeiros. Depois, entre os dias 14 e 24, o Pe. Renato Savassa, junto com o Pe. Sebastião dos Reis dos Santos pregaram as missões na Comunidade Matriz. Em ambas comunidades, foi grande o proveito de sua população.

Foto de: arquivo.

Santo Cruzeiro - Aeroporto

A colocação do Santo Cruzeiro marca o trabalho missionário redentorista realizado em uma comunidade. 

 

Padre Inácio Medeiros, C.Ss.R
Equipe de Comunicação
Santas Missões

 

Veja algumas imagens da Missão em Carangola: 

 

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. José Inácio Medeiros, C.Ss.R. , em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.