Por Redentoristas Em Notícias Atualizada em 01 MAR 2019 - 10H19

A presença dos Redentoristas no Rio de Janeiro

Arquivo.
Arquivo.
Primeira igreja de Santo Afonso no Brasil.

Celebramos hoje o aniversário do Rio de Janeiro, cantada em verso e prosa como a Cidade Maravilhosa, apesar dos muitos e graves problemas sociais que hoje enfrenta.

A região onde está hoje a cidade do Rio de Janeiro, no passado foi dividida entre duas capitanias: São Vicente, ao sul, e São Tomé, ao norte. Isto ocorreu em 1534. Em 1555 os franceses ocuparam a área e só em 1567 foram expulsos definitivamente. Estácio de Sá, sobrinho do governador Mem de Sá, em 1565, fundou a cidade de São Sebastião do Rio de janeiro, que mais tarde se tornaria sede do Governo do Sul quando, em 1572, o rei de Portugal dividiu o Brasil em duas administrações.

A pecuária, o cultivo da cana-de-açúcar e a agricultura de subsistência garantiram o rápido progresso, que aumentou com a transformação do porto do Rio de Janeiro em escoadouro da riqueza mineral extraída de Minas Gerais. Em 1763, o Rio de Janeiro tornou-se a capital do Vice-Reino e, em 1808, com a transferência da família real para o Brasil, foi transformado na capital do reino português. Em 1834, a cidade do Rio foi transformada um município neutro e a capital foi elevada à condição de província, com sede em Niterói. De 1889 a 1960, foi a capital da República até que a sede do Governo Federal fosse transferida para Brasília, em 1960

Atualmente, a capital do Rio de Janeiro é a segunda maior cidade do país, destacando-se não só pelas suas belezas naturais e pelo Carnaval, mas como um importante centro industrial, financeiro, de artes e cultura.

Também na cidade do Rio de Janeiro, a Congregação Redentorista se faz presente com sua atuação pastoral na Paróquia de Santo Afonso, localizada na Rua Barão de Mesquita, na Tijuca, e ainda com um ingente, enorme trabalho no campo da Ação Social.

A chegada dos redentoristas holandeses ao Rio de Janeiro aconteceu em 1903.

Arquivo.
Arquivo.

A Paróquia Santo Afonso foi a terceira fundação da Província do Rio de Janeiro. Os responsáveis por ela foram os padres Gualter Perriens e Francisco Lohmeyer e o Ir. Lucas Kersten. Em março de 1903, os holandeses residiam numa casa alugada até a construção da igreja, que começou em abril de 1904. Sua inauguração aconteceu em junho de 1907.

Em 25 de março de 1904, seria lançada a primeira pedra da primeira Igreja de Santo Afonso no Brasil. Haveria uma grande festa. Na véspera do dia marcado, o tempo estava bom, mas à meia-noite começou uma forte tempestade. De manhã, o terreno estava em lama, os enfeites desfeitos e a lona que havia sido armada não resistiu. Arrumaram o melhor possível o que sobrou. O arcebispo chegou e o terreno estava cheio de gente. As autoridades civis também estavam presentes. Mal o arcebispo começou a solenidade voltou a chover. Assinaram às pressas o documento, fechando-o dentro da pedra e todos correram por causa da chuva. O arcebispo celebrou a missa na capela do Conselheiro Pedreira. No dia seguinte, os jornais noticiavam a cerimônia.

A obra durou três anos. Em junho de 1907, a igreja foi inaugurada pelo Cardeal Arcoverde, que benzeu os dois sinos e celebrou a missa. Apesar das dificuldades na construção da igreja, os redentoristas não ficaram parados. Iniciaram a missão dois dias depois da chegada no Rio de Janeiro, isto é, no dia 1º de abril de 1903. Trabalharam na capela das irmãs dos Santos Anjos e promoviam também missões na periferia da cidade.

A primeira pastoral  - Foi na Igreja Santo Afonso que se fundou a primeira "Liga Católica Jesus, Maria e José", em março de 1908, com 125 homens. Em 1919, a Liga já contava 1.239 homens só na Igreja de Santo Afonso.

Hoje, a paróquia é referência na região. Tem importante papel na formação da personalidade do tijucano, uma vez que atua efetivamente na comunidade. O movimento jovem da Igreja é muito conhecido e muito ativo. As festas que nela se realizam são tradição no bairro da Tijuca.

Fonte história da Paróquia 'Santo Afonso - RJ - 3ª Fundação', de autoria Pe. João B. Boaventura Leite C.Ss.R.

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redentoristas, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.