Por Padre José Luis Queimado, C.Ss.R. Em Palavra Redentorista Atualizada em 22 NOV 2019 - 10H54

O presépio de Santo Afonso

Reprodução.
Reprodução.
Para Santo Afonso, o Natal traz a mensagem do grande amor de Deus pela humanidade.



“Eis que lá das estrelas, Rei Celeste, tu vens nascer na gruta, ao frio agreste. Ó menino, meu Divino, eu te vejo aqui tremer, assim deitado... Eis faltam ao Senhor, Deus das alturas, os panos e o calor das criaturas...”

É dessa forma que Santo Afonso de Ligório descreve, do fundo de sua alma, o que entende sobre o mistério da Encarnação! Da mesma forma que o Apóstolo Paulo fica atônito, desconcertado, ao contemplar tamanho “absurdo” de amor, Afonso também se perturba ao contemplar infindável amor para com a humanidade. “Embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se. Mas esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante aos homens...” (Fl 2, 6-7).

Naturalmente, todos nós nos deparamos com uma atitude embaraçosa, principalmente nos dias de hoje. Desapegar-nos de pequenos bens materiais, já nos faz sofrer um bom bocado. Então, como celebrar uma Festa tão importante do nosso calendário cristão, que é o Natal, se não compreendermos o seu significado mais profundo? Queremos buscar na teologia e na vivência de Santo Afonso pistas para melhorarmos o nosso entendimento sobre o mistério da Encarnação, do desapegar-se de si. 

É exatamente no Presépio que Santo Afonso se detém!

Ali está toda a catequese sobre esse esvaziar-se, aniquilar-se de Deus. Aquele que tem tudo, que “está lá nas estrelas”, não se apega a sua condição divina, mas vem nascer na pobreza e na privação até mesmo do mais necessário! É isso que nos faz admirar “este Deus louco de amor pelos homens”, conforme Santo Afonso escreve em sua Novena de Natal, no primeiro discurso. Afinal, a Encarnação está ligada unicamente ao amor incompreensível de Deus pela humanidade; não há cláusulas, pois trata-se de um amor unicamente incondicional.

Leia MaisSanto Afonso e o Natal Santo Afonso e Nossa SenhoraAssim, movidos por essa admiração imensurável de Santo Afonso diante do Presépio, queremos ressuscitar o verdadeiro significado do Natal. Não olhemos para esta Festa, importantíssima para o nosso crescimento espiritual, apenas como um feriado nacional em que nossa família se reúne para um almoço festivo. É claro que a reunião e o encontro fazem parte essencial dessa celebração, mas, como diz a sabedoria popular, não podemos comemorar o aniversário, deixando o aniversariante do lado de fora!

Que todos os Natais, que vivermos daqui em diante, possam transformar a nossa vida de cristãos! Aprender com Jesus Cristo a doar um pouquinho de nosso próprio tempo aos que precisam de nossa companhia e amizade; a levar palavras de conforto aos que tanto necessitam de alento e paz em seu coração; a amar e a acolher o próximo sem fazer acepção de pessoas. Então, teremos compreendido, ou refeito, o significado real da celebração do nascimento de Jesus em nosso meio.

Enfim, revisitar a vida, a obra e o amor de Santo Afonso pelo mistério da Encarnação, é alimentar o nosso conhecimento, a nossa fé e a nossa vivência cristã com ricos e saudáveis frutos espirituais. Com os pilares da Espiritualidade Afonsiana: a Cruz; a Mãe de Deus; a Eucaristia e a Encarnação (Presépio), temos o resumo de toda a nossa fé sólida em mãos! Façamos, agora, que Jesus Cristo renasça na manjedoura de nosso coração para assumirmos essas verdades como centro de nossa vida!    


Escrito por
Pe. José Luis Queimado, C.Ss.R. (Arquivo Santuário Nacional)
Padre José Luis Queimado, C.Ss.R.

Missionário Redentorista com experiência nas missões populares, no atendimento pastoral no Santuário Nacional de Aparecida, passou pela direção do A12. Atualmente reside e vive em missão na Filadélfia nos Estados Unidos

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. José Luis Queimado, C.Ss.R., em Palavra Redentorista

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.