Por Academia Marial Em Catequese Atualizada em 16 OUT 2019 - 11H16

Devoções marianas: O Rosário e sua espiritualidade

Devoções marianas

shutterstock
shutterstock

Devoções marianasFormas de oração vocal repetitiva uniram os cristãos desde as primeiras comunidades. Elas “perseveravam na doutrina dos apóstolos, na vida em comunidade, na fração do pão (eucaristia) e nas orações” (Atos 2,42). “Unidos de coração frequentavam todos os dias o Templo…” (Atos 2, 46).

Das orações no Templo de Jerusalém constava a coleção dos 150 salmos bíblicos cantados ou rezados também pelos primeiros cristãos. E mais tarde incorporados à liturgia oficial da Igreja no Oficio Divino, ou Breviário. Os mosteiros cristãos copiavam os salmos, transcreviam a Bíblia e seus comentários porque a vida monástica era centro de cultura bíblica, teológica e literária. Mas, os que não eram alfabetizados recorriam à oração vocal pura e simples. Decoravam o Pai-Nosso e passagens da Bíblia como a saudação do anjo a Maria. Rezavam 150 vezes o Pai-Nosso e a Ave-Maria e o louvor à Santíssima Trindade. Essa estrutura vocal repetitiva fez do rosário súplica e contemplação. Começando com São Pio V, em 1569, os Papas aprovaram e incentivaram com todo o carinho este modo de devoção mariana como o mais excelente. O Papa Leão XIII designou o mês de outubro para rezá-lo em toda a Igreja. Vem daí a festa de Nossa Senhora do Rosário. Pio XII cunhou a célebre frase: no Rosário está a “síntese de todo o Evangelho, a comunicação do mistério do Senhor, a prece da família”.

Paulo VI na Marialis Cultus (o culto a Maria), famoso documento da Igreja, ensina que o rosário é prece profundamente cristológica porque centrado do mistério da Encarnação. Repetir a Ave-Maria é louvor incessante a Cristo. Contemplando os mistérios da salvação em comunhão com Nossa Senhora somos conduzidos a reflexões práticas e estimulados à vida santa.

São João Paulo II, em 16 de outubro de 2002, acrescentou os cinco mistérios luminosos aos tradicionais gozosos, dolorosos e gloriosos. Via no rosário a oração da família e pela família, em prol da sua união. Rezar o terço pelos filhos e mais ainda com os filhos transmite a eles os maiores valores familiares e morais.Se não resolve todos os problemas, é uma ajuda espiritual que não deve ser subestimada. Esse costume ainda sobrevive em muitos lares, apesar da correria da vida moderna. Permanece a máxima: família que reza unida continua unida!

Nota-se, nos últimos anos, uma revitalização do terço ou rosário. Propagado por congregações religiosas, confrarias leigas, grupos de oração, movimentos como a Mãe Rainha, Associação Nossa Senhora de Fátima, Romarias etc., é hoje forma universal de oração do povo cristão.

No modo atual, a devoção mariana do rosário fomenta a espiritualidade que une de modo tranquilo e não automático: a oração da voz, a meditação da mente, a contemplação da alma nos mistérios da vinda de Jesus e do papel de Maria quanto ao projeto de Deus em nos salvar. 

Padre Antonio Clayton Sant’Anna, CSsR
Diretor da Academia Marial de Aparecida

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Academia Marial, em Catequese

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.