A Virgem está coroada e coberta por vestes reais e trás em seu colo o Menino Jesus.
Por Academia Marial Em Palavra do Associado Atualizada em 20 JUL 2020 - 14H27

Nossa Senhora da Caridade do Cobre

Eu sou a Virgem da Caridade


Vinícius Aparecido
Vinícius Aparecido
Padroeira de Cuba

Cuba, oficialmente denominada como República de Cuba, é um país localizado no mar do Caribe, na região da América Central. O arquipélago que forma o país abrange uma ilha principal, a Ilha da Juventude e outras ilhotas. Havana, a capital do país, é a maior cidade de Cuba, enquanto Santiago de Cuba é a segunda maior¹. O centro da Fé e da Devoção Mariana dos Cubanos se localiza no município de Santiago de Cuba na cidade de El Cobre.

Para qualquer Cubano dizer: “Nossa Senhora da Caridade” é o mesmo que dizer: “Nação e Terra Mãe”. Eles a chamam de “Mambisa” porque Ela foi invocada pelos Soldados Mambises durante as guerras de independência e também de “Cachita” um diminutivo carinhoso de Caridade.

A história desta devoção começou no nordeste da Ilha mais propriamente na Baía de Nipe². O encontro da Imagem da Virgem da Caridade é relatado em duas versões. No primeiro relato a Imagem da Virgem teria sido encontrada por um comandante do exército espanhol de nome Alonso Ojeda nas águas do Mar das Caraíbas. No segundo relato o encontro da imagem da Virgem teria sido nas águas da Baía de Nipe, atual província de Holguín, pelos irmãos indígenas Juan Rodrigo e Juan Diego Hoyos, estes acompanhados do escravo Juan Moreno. Entre os muitos colonizadores vindos à América encontra-se Alonso Ojeda. Certa ocasião, navegando perto da ilha de Cuba, naufragou. Alguns passageiros morreram. Porém, a maior parte da tripulação se salvou. Entre os poucos objetos que puderam levar achava-se uma pequena imagem de Nossa Senhora fixada numa pequena tábua, na qual estava escrito: “Eu sou a Virgem da Caridade”. Durante muitos dias os náufragos caminharam ilha adentro. Encontraram uma aldeia de nativos. Esses, mesmo sendo selvagens, acolheram a todos com fidalguia³. Desejando Ojeda manifestar sua gratidão ao cacique, presenteou-o com a imagem e Nossa Senhora que sempre levava consigo, explicando-lhe do melhor modo que pôde as principais verdades do catolicismo e o que concerne ao culto da Mãe de Deus. Ajudou-o também a construir uma humilde ermida para a imagem, a primeira construída em Cuba. O afeto que os índios dedicavam a Nossa Senhora era tal, que toda vez que os conquistadores se acercavam do povoado levavam a imagem para o mato e lá a escondiam entre os espessos ramos das árvores4. O relato do encontro da imagem pelos irmãos indígenas Hoyos e o escravo Juan Moreno pode explicar-se a partir destes momentos em que a imagem era escondia pelos índios nos ramos das árvores. Com o transbordamento dos rios ocasionados por enchentes, a imagem escondida pode ter sido arrastada até a Baía de Nipe onde foi encontrada pelos três rapazes.

Em certa manhã do ano de 1607, ou, segundo outros, de 1608, em Cuba, dois irmãos indígenas, João e Rodrigo de Hoyos, e o crioulo João Moreno, que tinha seus 10 anos, foram enviados pelo administrador das estâncias de Barajagua às costas de Nipe, para de lá trazerem certa quantidade de sal, o que era recolhido nas salinas naturais que se encontram em toda a costa norte da ilha, e especialmente na baía de Nipe. Chegados à costa encontraram o mar agitadíssimo por causa de um forte vento que soprava, acompanhado de copiosa chuva. Vendo que lhes era impossível executar a tarefa de que tinham sido encarregados, refugiaram-se os rapazes em uma choça, na qual permaneceram durante três dias, depois dos quais, serenado o tempo, puderam embarcar em débil canoa e dirigir-se às salinas da costa. Pelas 5 horas da manhã, ao desfazer-se as brumas da aurora, divisaram um vulto que, flutuando, vinha na direção deles. Pensaram em princípio que fosse uma ave aquática que voava ao seu encontro, mas pouco depois tiveram uma inesperada e agradável surpresa: reparando bem no vultozinho que se aproximava, viram que era uma imagem de Nossa Senhora, que vinha sobre uma tábua, na qual se lia a seguinte inscrição: “Eu sou a Virgem da Caridade”5. Nas duas versões a imagem trata-se de uma Virgem Negra.

A Virgem está coroada e coberta por vestes reais e trás em seu colo o Menino Jesus. Ao recolherem a imagem os rapazes notaram, admirados, que mesmo flutuando sobre as águas as vestes da imagem da Virgem estava enxuta sem ter ao menos molhado a orla do manto. A cabeça coroada da estátua original de 40 cm é feita de barro cozido, coberto com uma camada polida de fino poder branco. Seus pés repousam sobre uma lua brilhante, enquanto os anjos abrem suas asas douradas em uma nuvem prateada. O menino Jesus levanta a mão direita como uma bênção e, na mão esquerda, segura um globo de ouro. Uma imagem popular de Nossa Senhora da Caridade inclui uma faixa acima de sua cabeça com a frase em latim “Mater Caritatis Fluctibus Maris Ambulavit ” (Mãe da Caridade que andava na estrada dos mares tempestuosos). Os jovens levaram a estátua de volta à sua aldeia de Barajagua, onde foi construída uma capela e a imagem venerada por todos que ouviram a história. Assim como Nossa Senhora de Guadalupe, para os índios maias, Nossa Senhora da Caridade tornou-se instantaneamente um local de peregrinação, um lembrete para os menos privilegiados de que sua Mãe celestial se importava e ficava ao lado deles. El Cobre seria o primeiro lugar em Cuba onde a liberdade seria conquistada para os escravos6. Na época, a igreja em El Cobre era dedicada a Santiago, Santiago, o poderoso patrono da conquista espanhola. Então a estátua da Virgem foi colocada em uma cabana de palha em vez de na igreja. Mas, em três noites sucessivas, a estátua desapareceu da cabana e foi encontrada no topo da colina acima de El Cobre.

A Virgem da Caridade residiu em vários pequenos santuários até 1630. Quando a mina de cobre foi fechada e os escravos foram libertados, ela então tomou o lugar de St. James, acima do altar da igreja, um símbolo do triunfo do povo sobre os conquistadores espanhóis. Desde então, a Virgem continuou a ajudar seu povo e foi creditada com inúmeros milagres. Em 1731, quando foi feita uma tentativa de reintroduzir a escravidão, ela se tornou um símbolo de emancipação de uma das maiores insurreições de escravos de Cuba. No final, os escravos foram declarados livres. Isso espalhou ainda mais a devoção a Nossa Senhora da Caridade. Em 1916, o papa visitou o santuário da Virgem da Caridade e a declarou a santa padroeira de Cuba. A Basílica El Cobre foi construída para abrigá-la em 1927. Em 1998, o papa João Paulo II coroou sua estátua durante sua visita histórica a Cuba comunista. Nos anos 50, Ernest Hemingway deu a Virgem o Prêmio Nobel de Literatura que ganhou depois de escrever O Velho e o Mar em Havana7. Durante as guerras de independência de Cuba, as tropas se encomendaram a esta devoção e depois da liberdade, os veteranos em 1915 pediram ao Papa que declarasse a Virgem da Caridade do Cobre como Padroeira de Cuba. Em 1916, Bento XV lhes concedeu este pedido e fixou sua festividade para o dia 8 de setembro. O atual Santuário no qual está a imagem Mariana foi inaugurado no dia 8 de setembro de 1927 e em 1977 o Papa Paulo VI elevou este santuário com o título de Basílica. Em 24 de janeiro de 1998, a Virgem da Caridade foi coroada como Rainha e Padroeira de Cuba por São João Paulo II8.

Vinícius Aparecido de Lima Oliveira
Associado da Academia Marial de Aparecida

Bibliografia:

1. TODOESTUDO - Tudo sobre Cuba: da história, economia e a atualidade - https://www.todoestudo.com.br/geografia/cuba

2. DEBIASI. Evaristo – Devoção à Maria em Cuba - https://www.youtube.com/watch?v=Qit_Ufkpolk

3. BERALDI, Roque Vicente – 101 títulos de Nossa Senhora na devoção popular / Roque Vicente Beraldi – São Paulo: Editora Ave Maria, 2012 - Nossa Senhora da Caridade (pagina 131).

4. ADUCCI, Edésia – Maria e seus títulos gloriosos / Nossa Senhora da Caridade (pagina 264) – 3° edição – Edições Loyola.

5. ADUCCI, Edésia – Maria e seus títulos gloriosos / Nossa Senhora da Caridade (pagina 262) – 3° edição – Edições Loyola.

6. SCAPERLANDA. María Ruiz – Nossa Senhora da Caridade - CatholicCulture.org - https://www.catholicculture.org/culture/library/view.cfm?recnum=10996

7. Destinos Sagrados - El Cobre, Cuba – História do El Cobre - http://www.sacred-destinations.com/cuba/el-cobre

8. ACI DIGITAL – Virgem da Caridade do Cobre - https://www.acidigital.com/noticias/8-de-setembro-cuba-celebra-hoje-a-virgem-da-caridade-do-cobre-40171

Fonte: Vinícius Aparecido

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Academia Marial, em Palavra do Associado

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.