Código Personalizado
Revista de Aparecida

Da cisão à integração!

“Ele cura os de coração atribulado e enfaixa suas feridas” (Sl 147,3).

Escrito por Pe. Ferdinando Mancílio, C.Ss.R.

01 OUT 2022 - 09H33 (Atualizada em 10 JAN 2023 - 15H30)

Restauração interior... Quanto custa? Abra o Evangelho de Marcos 5,1-20, e nele encontrará o relato daquele homem. Há um homem sofrendo. Há uma força maior do que ele que o puxa de um lado para o outro, que o domina e o faz escravo. Esse homem está o tempo todo ocupado com a morte e não com a vida. Sofre muito.
Não vê outra saída senão a morte. Agride a si mesmo com pedras, ferindo-se. As pessoas da redondeza querem ver-se livres dele, amarram-no, e ele sofre ainda mais.
O mundo que não compreende a dor dos outros é um mundo que oprime e mata. Quem só pensa em si, não entende o mistério da dor alheia.

Há pessoas com essas tendências em nosso mundo, autoflagelando-se, não com pedras, mas com isolamento, com falta de vontade de superar suas dificuldades, de restaurar-se. A incompreensão dos outros as ajuda a permanecer nesse clima. É triste. 

Jesus não fugiu dele, ao contrário, aproximou-se. Ofereceu-lhe a oportunidade de vida. Com certeza aquele homem se sentiu atraído por Jesus e se achegou dando seu grito mudo. Parece que sabe que junto de Jesus é capaz de reconstruir, de restaurar sua vida, mas ao mesmo tempo deseja ficar onde está.

Ninguém precisa permanecer como um eterno necessitado, tendo até algum proveito de sua própria dor: Chamando a atenção dos outros! É a acomodação favorável.

Para nos libertarmos e nos sentirmos pessoas inteiras, temos de admitir nossas chagas ou feridas. O primeiro passo para a liberdade é reconhecer onde estamos, como estamos e tomar a decisão necessária.

Conhecemos fatos que nos mostram que para os pais a carreira dos filhos era mais importante do que a própria vida deles. Conhecemos também os que tudo fazem, até o impossível, para verem recuperados os que estão à margem da vida, sufocados pelos interesses alheios, como os de um traficante ou um corrupto. São feridas abertas de nossa sociedade, incuráveis pela falta de ética e de dignidade.

É inútil neste mundo quem abre feridas nos outros, como um traficante. Sabemos dos dramas das vítimas e de suas famílias, na luta para devolver a vida a quem a perdeu, ou até a jogou fora por negligência.

Talvez, o drama daquele homem do Evangelho é o de muitos irmãos nossos. Mas aqui nasce a confiança que brota da Palavra de Deus e torna-se viva pela caridade, pela bondade de tantos cristãos que se põem ao lado desses sofredores: “Ele cura os de coração atribulado e enfaixa suas feridas” (Sl 147,3). Restauração interior é, pois, curar a pessoa inteira, como fez Jesus, como podem fazer os cristãos autênticos. E isso é amar e defender o dom sagrado da vida!

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Ferdinando Mancílio, C.Ss.R., em Revista de Aparecida

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.