Por Jovens de Maria Em Comportamento

O pecado da fofoca

fofoca_1

Falar levianamente dos outros pode causar grandes danos que nem sequer imaginamos

Uma das “categorias” de pecado que costumamos minimizar com mais frequência são os pecados da língua ou da palavra. No entanto, talvez a maneira mais comum de pecar seja precisamente o mau uso da palavra. Com grande facilmente, quase sem pensar, nos envolvemos em fofocas, conversas fiadas, mentiras, exageros, ataques venenosos e observações sem caridade. Com a língua, podemos espalhar o ódio, incitar os outros ao medo e à malícia, espalhar a desinformação, atiçar a tentação, desencorajar, ensinar o erro e arruinar reputações. Não há dúvida de que podemos causar grandes estragos por meio do dom da palavra, com o qual poderíamos fazer tanto bem!

Bem disse São Tiago: “Todo aquele que não peca no falar é varão perfeito” (Tg 3, 2). É verdade que nem todo pecado de palavra é grave ou mortal, mas também é verdade que podemos infligir grandes males com a nossa fala: por isso, os pecados da língua podem chegar, sim, a ser graves e mortais. Jesus nos adverte: os homens terão de dar conta, no dia do juízo, de toda palavra inútil que tiverem proferido (cf. Mt 12,36).

Com tudo isto em mente, vamos nos concentrar hoje num aspecto dos pecados da palavra que comumente chamamos de "fofoca".

A fofoca consiste em falar de alguém de modo injusto, seja mediante a mentira, seja mediante a divulgação de assuntos pessoais ou privados que não dizem respeito a ninguém, exceto à própria vítima da fofoca.

Santo Tomás de Aquino inclui a fofoca em seu tratado sobre a justiça (II, IIae 72-76) na Summa Theologica, já que, através da fofoca, nós prejudicamos a reputação dos outros. O Catecismo da Igreja Católica também inclui as fofocas como matéria do oitavo mandamento, o de “não levantar falso testemunho”.

Com base nas diversas formas de injustiça no falar identificadas por Santo Tomás de Aquino, podemos mencionar várias modalidades de pecados da língua:

fofocar1. A ofensa ou injúria – Consiste em desonrar uma pessoa, normalmente na presença dela própria e, com frequência, também diante de terceiros. A ofensa ou injúria é cometida de forma aberta, audível e geralmente motivada por impulsos de raiva e por desrespeito pessoal. Ela pode incluir xingamentos, insultos, palavrões e até “pragas rogadas”. No dia-a-dia, nem sempre nos damos conta de que a injúria é uma forma de ataque à reputação da pessoa ofendida, pois, ao contrário da fofoca, que no geral é feita pelas costas, a injúria ou ofensa é “jogada na cara” da pessoa, que, portanto, teria a chance de se defender. Mesmo assim, a injúria precisa ser mencionada quando citamos os pecados da língua porque ela caminha lado a lado com a desonra, prejudicando a boa fama da vítima. A sua essência é muito próxima da essência da fofoca. Injuriar é um pecado que tem a intenção de causar constrangimento ou desonra pessoal. Há maneiras mais adultas e mais cristãs de se resolverem os desentendimentos.

Ofensa - Consiste em falar mal do próximo de maneira injusta e pelas costas. É lesar o bom nome de alguém perante terceiros, mas sem que a vítima saiba. Esse tipo covarde de fofoca impede que a pessoa de quem se fala consiga se defender ou esclarecer aquilo que está sendo dito a seu respeito. Podemos mencionar duas modalidades de difamação:

Calúnia – Consiste em dizer mentiras sobre alguém pelas costas. 

b. A detração ou maledicência – Consiste em dizer verdades sobre alguém pelas costas, mas verdades que são prejudiciais a esse alguém e que os outros não têm necessidade alguma de conhecer. Trata-se de informações que, por mais que sejam verdadeiras, têm o potencial de arranhar desnecessariamente a reputação ou prejudicar o bom nome da vítima diante dos outros. Por exemplo, pode ser verdade que Fulano enfrenta certos problemas com a dependência química, mas esta é uma informação que não precisa ser compartilhada com qualquer um.

3. A murmuração-sabotagem – Podemos identificar ainda um tipo específico de fofoca que muito se assemelha à difamação, mas que tem matizes particularmente graves. Enquanto o difamador fala pelas costas visando prejudicar a reputação de uma pessoa ausente, o murmurador-sabotador é um mexeriqueiro que, além de falar pelas costas, ainda procura criar problemas concretos para a sua vítima, levando as pessoas a agirem contra ela.

4. A ridicularização – Consiste em fazer as pessoas rirem de alguém, de alguma característica física ou comportamental da pessoa, do seu jeito de ser etc. Isto pode parecer uma coisa leve, mas, muitas vezes, é um tipo de bochicho que se transforma em gestos de burla ou em palavras humilhantes e ofensivas, que diminuem a pessoa ou a desonram dentro da comunidade. Em não poucos casos, a ridicularização se transforma naquilo que hoje em dia se tornou conhecido por “bullying”.

5. A maldição ou “praga” – É o desejo publicamente expresso de que uma pessoa seja vitimada por algum mal ou sofra algum dano. A “praga” pode ou não ser rogada diante da própria vítima; o fato é que se trata de um tipo de pecado da língua que também provoca a desonra da vítima diante de terceiros. O objetivo de se maldizer alguém, com frequência, é incitar os outros a terem raiva desse alguém. 
-

A seriedade desses pecados da palavra ou da língua depende de uma série de fatores, entre os quais o alcance do dano cometido contra a reputação da vítima, as circunstâncias de lugar, tempo e linguagem utilizada e quantas e quais foram as pessoas que ouviram os comentários venenosos.

Como regra geral, devemos manter sempre um grande cuidado com os pecados da língua ou da palavra. Com muita facilidade, afinal, corremos o risco de arruinar a reputação e a dignidade dos outros por causa das nossas fofocas. A conversa fiada sobre os outros pode causar grandes danos, além de levar ao pecado todas as pessoas que tomam parte nesse tipo de conversa. O Salmo 141, 3 eleva a Deus esta prece: “Guarda a minha boca, ó Senhor; vigia a porta dos meus lábios”.

Nós também podemos fazer preces como esta, por exemplo: “Ajuda-me, Senhor! Mantém o teu braço sobre o meu ombro e a tua mão sobre a minha boca! Põe a tua palavra no meu coração, de modo que, quando eu falar, sejas Tu, na verdade, aquele que fala por meio de mim. Amém”.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Jovens de Maria, em Comportamento

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.