Por Cankin Ma Lam Em Crescendo na Fé

Por que existe catequese na Igreja?

Os que tivemos catequese quando éramos crianças provavelmente lembramos do nosso catequista. Talvez tenha sido bom contando histórias ou muito divertido. Alto ou baixo, gordo ou magro. Lembro que minha catequista era uma senhora muito gentil, até agora conservo uma imagem de Nossa Senhora que ganhei dela no dia da minha Primeira Comunhão.

Em todo o caso, fica a pergunta: a Catequese é importante na vida da Igreja? Quem pode ser catequista?

shutterstock
shutterstock

Vale a pena começar remarcando sua origem apostólica. Os Apóstolos são os primeiros a catequisar, fazendo ressoar os ensinamentos que receberam de Jesus. Aliás, "a Igreja, por sua vez, continua esta missão de magistério dos Apóstolos e dos primeiros colaboradores. Fazendo-se ela própria, dia a dia, discípula do Senhor, por justo motivo é chamada ‘Mãe e Mestra’"*. Na verdade, a catequese está "intimamente ligada à toda a vida da Igreja"*.

Uma consequência disto é "que a catequese, para a Igreja, foi sempre um dever sagrado e um direito imprescritível. (...) pode-se falar de um direito: do ponto de vista teológico, todos os batizados, pelo próprio fato do seu Batismo, têm direito a receber da Igreja um ensino e uma formação que lhes permita levar verdadeira vida cristã"*. Por isso, a Igreja "é convidada a consagrar à catequese os seus melhores recursos de pessoal e de energias, sem se poupar a esforços, trabalhos e meios materiais, para a organizar melhor e formar para ela pessoas qualificadas"*.

Os jovens, que são a esperança da Igreja, têm um lugar privilegiado neste importante direito e dever. À frente da necessidade de atualizar essa mensagem para o mundo de hoje, eles podem prestar um serviço único. Eles podem encontrar uma síntese que “saiba dar mostras de sapiência, de coragem e de fidelidade evangélicas na procura e na prática de novas vias e perspectivas para o ensino catequético"*.

Uma última dica: O Papa Francisco nos lembra que "na boca do catequista, volta a ressoar sempre o primeiro anúncio: ‘Jesus Cristo ama-te, deu a Sua vida para te salvar, e agora vive contigo todos os dias para te iluminar, fortalecer, libertar’**. Indica de forma muito concreta as "características do anúncio que hoje são necessárias em toda a parte: que exprima o amor salvífico de Deus como prévio à obrigação moral e religiosa, que não imponha a verdade mas faça apelo à liberdade, que seja pautado pela alegria, o estímulo, a vitalidade e uma integralidade harmoniosa que não reduza a pregação a poucas doutrinas, por vezes mais filosóficas que evangélicas. Isto exige do evangelizador certas atitudes que ajudam a acolher melhor o anúncio: proximidade, abertura ao diálogo, paciência, acolhimento cordial que não condena"**.

*Catechesi Tradendae, S.S. João Paulo II, nº 10-17
**Evangelii Gaudium, S.S. Francisco, nº 164-165

Escrito por
Cankim Ma Lam (Arquivo Pessoal)
Cankin Ma Lam

Nascido no Equador, filho de pai chinês é apóstolo de plena disponibilidade no Sodalício de Vida Cristã. Atualmente faz caminho ao sacerdócio e estuda teologia na Universidade Católica de Petrópolis

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Jovens de Maria, em Crescendo na Fé

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.