Crescendo na Fé

Valorize os talentos que Deus te deu!

João Antonio Johas Leão (Arquivo pessoal)

Escrito por João Antônio Johas Leão

10 FEV 2017 - 08H13 (Atualizada em 03 MAI 2021 - 10H32)

Shutterstock/ Yuganov Konstantin sonho  (Shutterstock/ Yuganov Konstantin)

No Evangelho de Mateus, capítulo 25, encontramos a conhecida Parábola dos Talentos. O senhor chama seus servos e lhes entrega seus bens para que, em sua ausência, não fiquem sem cuidado.

É interessante que ele não dá quantidades iguais a cada servo, mas a cada um de acordo com a sua capacidade” (Mt 25,15). Hoje em dia, isso pode parecer estranho; alguns poderiam até falar em discriminação. Será que Deus me ama menos porque me criou com menos capacidades? Talvez, o ponto central da questão aqui não está exatamente em Deus.

Leia Mais Seguir Maria para cada vez ser mais de Jesus!

Desde um ponto de vista meramente humano, podemos ver que os próprios homens valorizam mais alguns talentos que outros. Monetariamente falando, podemos dizer que aqui no Brasil, por exemplo, um jogador de futebol é mais valorizado que um jogador de vôlei, ou que algumas carreiras profissionais são mais valorizadas que outras.

A nossa sociedade (e não Deus) criou alguns padrões de valorização que quase obrigam as pessoas, especialmente os jovens, a tomarem decisões sem levar em consideração quem realmente são, mas sucumbindo à tentação de encaixar-se no modelo, buscando essa valorização.

Shutterstock
Shutterstock


Se voltamos agora à passagem de Mateus, chama a atenção que os servos não se voltem uns para os outros e se digam: “Por que você recebeu mais do que eu? Eu sou mais capaz que você e recebi menos talentos”; “O senhor não confia em mim”; Não acho justa essa divisão”E se a Escritura não entra nesse mérito, é porque essa não é a mensagem central.

Qual é, então, a mensagem central? Que Deus, a quem conhecemos por um Pai amoroso, sábio e misericordioso, conhece quem somos e reparte seus dons da melhor maneira. E que espera de nós, que recebemos esses dons, que os trabalhemos com esmero para dar frutosTodas as demais perguntas surgem de uma visão não-cristã da realidade que, infelizmente, é predominante em nossa sociedade e que, não poucas vezes, se infiltra no meio católico, na mentalidade das pessoas que estão buscando viver uma vida de fé.

Um exemplo que pode deixar mais claro do que estamos falando é o de Nossa Senhora. Sabemos que Ela recebeu dons extraordinários, para começar, o da Imaculada Conceição, depois, o de ser a Mãe do Senhor, e por aí poderíamos continuar com vários outros. Mas não é muito comum que nos perguntemos por que Ela recebeu tantos e nós tão poucos dons. Não costumamos ter inveja dos seus talentos, pelo contrário, louvamos a Deus por eles. Por que o mesmo não acontece com o irmão que está do meu lado?

Leia Mais7 lições de caridade com São Camilo de Lellis
Será que a inveja (tristeza ao me dar conta que o outro tem mais dons) ou até mesmo a frustração (tristeza ao perceber que eu não estou à altura dos talentos que o mundo valoriza) sentida não é fruto de uma visão mundana de quem somos?

Talvez, uma visão que diminui o valor da pessoa de acordo com aquilo que ela possui? Será que experimentaríamos o mesmo se percebêssemos que o valor do meu irmão, assim como o meu, está em que Deus deu a Sua vida por nós?

Independentemente do que sejamos capazes ou não de fazer, da quantidade de dons e talentos que recebamos, é certo que os recebemos das mãos de Deus e, por isso, são muito bons e Ele espera que tenhamos uma boa atitude em relação a esses dons.

Shutterstock
Shutterstock


Essa parábola dos talentos, nesse sentido, é um chamado à conversão. A olhar com valentia os muitos ou os poucos talentos que Deus nos deu e coloca-los a serviço do Seu Reino, sem deixar que o mundo nos diga que valemos mais ou menos por eles.

Todas as vezes que se infiltra uma mentalidade mundana no cristão, surgem conflitos que não deveriam existir e, por isso, é preciso estar atento. E se as capacidades dos homens são diferentes, único é o destino a qual somos chamados: Viver eternamente junto a Ele no Céu.

:: E aí, como anda sua relação com os seus dons?
Compartilhe a reflexão e aproveite para se autoavaliar sempre.
Escrito por
João Antonio Johas Leão (Arquivo pessoal)
João Antônio Johas Leão

Licenciado em filosofia, mestre em direito e pedagogo em formação. Pós-graduado em antropologia cristã e entusiasta de pensar em que significa ser cristão hoje.

2 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por João Antônio Johas Leão, em Crescendo na Fé

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.