Espiritualidade

Quem eram os Reis Magos e de onde vieram?

joao-baptista (Arquivo Pessoal)

Escrito por Dom João Baptista Barbosa Neto, OSB

24 DEZ 2020 - 15H00 (Atualizada em 05 JAN 2021 - 15H02)

Shutterstock reis magos (Shutterstock)

A única passagem bíblica sobre eles é Mateus (Mt 2,1-12). Mas o evangelista não revela seus nomes nem especifica a localidade de onde vieram. Informa apenas que eram do Oriente. Chamavam-se, segundo algumas lendas e acatadas pela tradição, Gaspar, rei de Társis e da ilha Egriseula, Baltazar, rei de Godolias e de Sabá, e Belchior ou Melchior, rei da Núbia. Segundo o santo Doutor da Igreja, o beneditino Beda, o venerável, os magos vieram da Babilônia, Pérsia e Arábia. No entanto, é difícil precisar a localidade de cada um deles.

Mesmo com informações tão escassas, eles são de máxima importância para a cultura cristã, tanto que tem até uma data para comemorar a visita que fizeram ao Menino Jesus, o dia 6 de janeiro. No Brasil são festejados no interior de Minas Gerais, São Paulo, Goiás e outras localidades com as populares Folias de Reis, nas quais alguns músicos e outros festeiros vestidos com roupas especiais para a ocasião visitam as casas levando alegria e rezando com preces para o ano que se inicia.

Liturgicamente os Reis Magos aparecem na Festa da Epifania do Senhor, celebração surgida no início do século 4º, no Egito e gradativamente difundida para outras regiões do mundo conhecido. Tal celebração busca focar na manifestação salvadora de Jesus para além do povo judeu. Estes sábios não abraâmicos e de diversas origens étnicas, são o sinal do amor que Deus tem por toda a humanidade.

Os três vieram de regiões diferentes. Não se conheciam. Eram magos, astrólogos e amantes dos astros, reconhecendo a divindade que a tudo rege sendo as estrelas instrumentos comunicativos entre Deus e o homem. Sentiram-se impelidos a seguir uma brilhante estrela. Lembrando esta mesma estrela, em 2020 tivemos o privilégio de vê-la, assim como os Reis Magos. Trata-se da rara conjunção entre Júpiter e Saturno, os dois maiores planetas do sistema solar.

Leia MaisConservemo-nos firmemente apegados à esperança que nos leva à LuzSeguindo ao astro os três reis se encontraram na encruzilhada ao pé do Monte Calvário, em Jerusalém. Não compreendiam a língua falada um pelo outro, mas entendiam que o projeto de cada um era o mesmo e se uniram.

No presépio eles estão presentes diante do Menino Jesus a oferecer-lhe presentes: ouro – recordando sua realeza –, incenso – símbolo do sacerdócio – e mirra – morte e ressurreição futuras. Foram, aliás, estes presentes que ajudaram na subsistência da Sagrada Família refugiada em terra estrangeira, no Egito. Estes presentes dos santos Reis proporcionaram a proteção do Menino Jesus, de Nossa Senhora e de São José.

Ajudou na propagação das histórias lendárias e devoção aos três Reis Magos, o frade carmelita João de Hildesheim ao escrever o “Livro da gesta da tripla deslocação dos três muito Bem-Aventurados Reis, os quais foram as primícias dos povos e o modelo de salvação de todos os cristãos.”, narrativa produzida no século 14, a partir da compilação de documentos e histórias contadas e recontadas ao longo do tempo. É daí que sabemos os nomes e as origens destes três magos.

Após a visita ao Menino Jesus quando lhe ofereceram os três célebres presentes, os reis passaram a viver juntos na Índia. Diz-se também que São Tomé quando para lá se dirigiu, encontrou emblemas artísticos da estrela e do Menino Jesus, assim como o sinal da cruz, mandados estes símbolos serem impressos pelos três Reis que agora lá viviam. Na ocasião, o santo que um dia duvidou, se encontrou também com os três reis e consagrou-os bispos. Os três reis morreram com poucos dias de diferença um do outro, sendo sepultados com todas as honras em túmulos conjuntos, tornando-se o lugar centro de culto donde muitos fiéis receberam diversas graças.

Depois de um tempo, no século 4º, Santa Helena, mãe do Imperador Constantino, ávida pelas relíquias cristãs, viajou aos lugares santos em busca de vestígios dos primórdios de nossa fé. Encontrou a Santa Cruz e outras relíquias sagradas, mandando erguer igrejas, basílicas e mosteiros nos mesmos lugares. Foi ela também quem encontrou e obteve as relíquias dos três Reis na Índia, nas províncias dominadas pelo Império Romano, trazendo-as para a grandiosa Basílica de Santa Sofia, em Constantinopla. De lá, séculos depois, as relíquias foram transladadas para Milão. Atualmente estão elas num riquíssimo relicário, guardadas na bela catedral gótica de Colônia, na Alemanha, desde 1164.

Nestes tempos tão desafiadores, os fiéis de Romaria, município de Minas Gerais, onde se preserva a célebre devoção a Nossa Senhora da Abadia, assim como também aos Santos Reis Magos, prepararam uma pequena oração pelo fim da pandemia. Rezemos também nós, junto com eles esta tão singela oração:

Santos Reis bloqueiem a chegada deste vírus até nós, assim como os senhores bloquearam a chegada de Herodes até o Menino Jesus.

Escrito por
joao-baptista (Arquivo Pessoal)
Dom João Baptista Barbosa Neto, OSB

Dom João Baptista Barbosa Neto, OSB Monge do Mosteiro de São Bento (SP) e escreve sobre Espiritualidade e Vida Monástica.

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Espiritualidade

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.