Por João Antônio Johas Leão Em Espiritualidade Atualizada em 03 ABR 2019 - 14H37

Santo Antonio Maria Claret e a Ação Católica

Santo Antônio Maria Claret nasceu na Espanha, em uma família profundamente católica que se dedicava a fabricação têxtil. Ele foi beatificado em 1934 pelo Papa Pio XI. Três anos mais tarde, Pio XI disse que esse santo foi o “precursor da Ação Católica do mundo moderno”. O que significa isso? O que podemos ver na vida desse santo que levou o Papa a tal afirmação? Esse movimento Ação Católica que o Papa via com olhos muito positivos, provocou algumas dificuldades também no seio da Igreja, mas qual era o desejo de Pio XI?

Santo Antonio Maria Claret

Antonio Claret se dedicou bastante ao trabalho da família desde os doze anos. O esforço do garoto era tão grande que acabou deixando de lado, em parte, a vida piedosa que teve até então. Isso significa que ele deixou de rezar como rezava e de participar da Eucaristia com mais frequência. O trabalho foi tomando conta de toda a vida dele. Até que em um momento, depois de algumas frustrações na vida e, sobretudo, depois de se encontrar com uma passagem do Evangelho, decide optar por responder a sua vocação sacerdotal. A passagem que o animou: "Portanto, de que adianta uma pessoa ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?" (Mc 8, 36).

 

Como Santo Antonio Maria Claret, não devemos esquecer de Deus no meio de um mundo tão difícil.

Em um mundo marcado por tantas dificuldades e desigualdades, muitas pessoas podem acabar achando que a salvação não vem mais de Deus, mas do próprio esforço. Isso acontece quando o trabalho consome cem por cento da nossa vida, a ponto de não deixarmos mais espaço para Deus. Não é que o trabalho seja ruim, pelo contrário, ele dignifica o homem, mas se nos tornamos escravos dele, certamente algo não está em seu lugar. Deus quer que lhe demos glória por meio do nosso trabalho, não que sejamos esmagados pelo peso que significa trabalhar.

:: Saiba mais sobre a vida desse santo

A Ação Católica entraria nesse contexto difícil para dar uma resposta ao homem trabalhador, para que, assim como o Santo Antonio Maria Claret, não se esquecesse de Deus no meio de um mundo tão difícil. O Papa Pio XI, que viveu nesses tempos difíceis em que teve de explicitar ao mundo os perigos do comunismo ateu, escreveu uma encíclica chamada Divini Redemptoris, na qual mostra como a Ação Católica era importante como meio de apostolado social. Ele diz: “é função da Ação Católica disseminar amplamente, por meio da propaganda oral e escrita, os princípios fundamentais que hão de servir para a construção de uma ordem social cristã, como se depreendem dos documentos pontifícios”.

Que possamos perceber, então, que a questão de fundo aqui é que todos possamos, mesmo em meio as dificuldades apresentadas pelo mundo que nos rodeia, permanecermos firmes em nossa fé. Com Cristo no centro de nossas vidas, como o fez Santo Antonio Claret. Não é uma missão fácil, mas é preciso ter a certeza de que na medida em que tiramos Deus das nossas vidas por qualquer motivo, vamos caindo em um estilo de vida que não trará a felicidade que desejamos, pelo contrário, vamos nos tornando cada vez mais distantes da verdadeira felicidade que vem do verdadeiro encontro com Deus.

Colunista irmão João assinatura

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por João Antônio Johas Leão, em Espiritualidade

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.