Por Pe. Leo Pessini Em Igreja

As doenças raras e negligenciadas (II)

As chamadas doenças negligenciadas são aquelas que causam problemas graves de saúde principalmente em populações mais pobres, sobretudo na África e América Latina, “causam grande sofrimento, que é escondido e silencioso”, segundo a Diretora Geral da OMS, Dra. Margareth Can.

Remédio Pesquisa farmaceutica

Esta expressão foi cunhada em 1986, pelo médico norte-americano, Kenneth Warren, especialista em doenças tropicais. A grande maioria destas tem como causa infeções, e são mais frequentes em áreas geográficas de clima tropical, onde não existe água potável, falta de higiene, condições de habitação precária e ausência de serviços de saneamento básico.

A OMS estima que no mundo temos mais de 1,4 bilhão de pessoas são afetadas por estas doenças, sendo que 500 milhões, mais de 35% desta população, são crianças.

As doenças negligenciadas são também assim denominadas por serem esquecidas pelos grandes multinacionais de medicamentos ou por outros colaboradores para o acesso a medicamentos, tais como funcionários de governos, programas de

saúde pública e pelos meios de comunicação. Normalmente as empresas farmacêuticas privadas, não investem nesta área porque visando prioritariamente o lucro, não conseguem recuperar o elevado custo do desenvolvimento e produção de medicamentos necessários para tratamentos destas doenças. No fundo as doenças negligenciadas, não são consideradas prioritárias para a prevenção, erradicação ou tratamento, porque não afetam as populações dos países ditos desenvolvidos ou industrializados, como EUA, Europa, Austrália, Japão entre outros. E

las se constituem nas doenças da porção invisível do mundo, que atingem as populações mais pobres e que, consequentemente não tem recursos de pagar pelo tratamento, por isto continuam esquecidas. Estas doenças representam 12% da carga global de doenças, mas apenas 1,3% de novos medicamentos foram criados para vencê-las (“chamados medicamentos órfãos”), no período entre 1974-2004. Em 2005 o gasto global com pesquisa em saúde foi de US$ 160 bilhões os quais apenas US$ 3,2 bilhões foram para o tratamento das assim também chamadas “doenças da pobreza”.  

Atualmente a OMS elenca dezessete doenças como tropicais negligenciadas. 1. Ulcera de Buruli, 2. Doença de Chagas; 3. Cistercicose, 4. Dengue e dengue hemorrágico; 5. Dracunculiase (doença do verme da guiné); 6. Equinococose; 7. Fascioliase; 8. Tripanossomiase africana (doença do sono); 9. Leshmaniose; 10. Lepra; 11. Filariase linfática; 12. Oncocerciase; 13. Raiva; 14. Esquistossomose; 15. Parasitoses (helmintíases) transmitidas pelo solo; 16. Tracoma, e 17. Bouba (cont.).

assinatura padre leo pessini

Escrito por
Pe. Léo Pessini Currículo - Aquivo Pessoal
Pe. Leo Pessini

Professor, Pós doutorado em Bioética no Instituto de Bioética James Drane, da Universidade de Edinboro, Pensilvânia, USA, 2013-2014. Conferencista internacional com inúmeras obras publicadas no Brasil e no exterior. É religioso camiliano e atual Superior Geral dos Camilianos.

2 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Polyana Gonzaga, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.