Por Redação A12 Em Igreja Atualizada em 07 JUL 2018 - 11H17

Encontro no Vaticano debate metas climáticas mais ambiciosas

Patrick Nicholson.
Patrick Nicholson.

Três anos depois da publicação da Encíclica Laudato si, o Vaticano promove a conferência internacional “Salvar a nossa Casa Comum e o futuro da vida na Terra”.  O evento reuniu entre os dias 05 e 06 de julho, políticos, lideranças indígenas, jovens ativistas e economistas para discutir a necessidade de metas climáticas mais ambiciosas. 

"Por três anos, a Laudato Si 'tem sido uma fonte incrível de força e inspiração em nosso trabalho. O que queremos ver agora é um compromisso político real com a justiça climática e uma resposta ativa ao chamado do Papa Francisco com relação ao respeito da nossa casa comum", afirma Josianne Gauthier, secretária Geral da CIDSE, Rede Internacional de organizações católicas para o desenvolvimento. 

Leia MaisAnjos na Terra | De jovem da periferia a educadora: conheça a trajetória de MarildaUm guia para pais de primeira viagem Minha família é o meu alicerce Na conferência, foram discutidos eventos importantes dos próximos meses, incluindo a conferência da ONU sobre as mudanças climáticas COP24 e a Cúpula Ação Climática Global, entre outros. 

“Em todo o mundo, as pessoas buscam a liderança na Igreja. O Vaticano e, na verdade, católicos de todo o mundo estão dizendo claramente: a justiça climática é uma questão de fé. Se trabalharmos juntos, poderemos proteger nossos irmãos e irmãs mais vulneráveis das mudanças climáticas", assinala Tomás Insua, diretor executivo do Movimento Católico Global pelo Clima, um dos organizadores do encontro.

Entre os resultados da conferência, espera-se uma declaração do Papa Francisco e declarações de apoio a metas globais mais ambiciosas quanto à emissão de gases de efeito estufa, energia limpa e justiça climática a partir de perspectivas diversas.

“Como diz o Papa Francisco em sua carta encíclica, a crise climática não é apenas uma questão ambiental, mas também humana e ética. A degradação ambiental é acompanhada pela pobreza, pela perda dos meios de subsistência e da perspectiva de um futuro melhor. Nós temos uma responsabilidade para com as próximas gerações. É uma questão urgente alterar nosso excesso de consumo e nos comprometer com o cuidado de nossa casa comum”, destaca Michel Roy, Secretário Geral da Caritas Internacional. 

:: Educar para o cuidado com a Casa Comum


Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.