Por Redação A12 Em Igreja

Santa Paulina tem rosto reconstruído em 3D para celebrar seus 150 anos

Foto de: Arquidiocese Florianópolis

rosto_santapaulina_3d

Escultura foi realizada com base em mais de
150 fotos produzidas a partir
do crânio da religiosa.

Devotos de Santa Paulina e fiéis de todo o Brasil poderão conhecer a partir do dia 13 de dezembro, a escultura mais realista já feita da face de Santa Paulina, que será apresentada na Capela Sagrada Família e Santa Paulina, em São Paulo e, posteriormente no dia 20 de dezembro, no Santuário Santa Paulina, em Nova Trento/SC, onde ficará exposta permanentemente.

Em São Paulo a apresentação ocorrerá em uma celebração eucarística, presidida às 11h, por Dom José Roberto, bispo auxiliar da Região do Ipiranga. Já no Santuário Santa Paulina, a apresentação ao público será realizada, na celebração das 9h45.

O trabalho realizado em tecnologia 3D e considerado o mais realista já feito da religiosa, foi desenvolvido pelo designer 3D, Cícero Moraes, da Academia Brasileira de Hagiologia (ABRHAGI), acompanhado pelo advogado e hagiólogo, José Luís Araújo Lira, e as Irmãs Roseli Amorim (Coordenadora Geral) e Terezinha da Silva (Conselheira Geral).

Além da reconstrução facial de Santa Paulina, Moraes foi responsável pelas reconstituições de Santa Maria Madalena e Santo Antônio de Pádua. Santa Paulina é a primeira Santa do Brasil a ter a face reconstituída com a tecnologia tridimensional do design.

Ir. Roseli Amorim, coordenadora geral da congregação fundada por Santa Paulina, apresentou às Irmãs mais idosas da congregação, o trabalho que foi aprovado e contemplado com muita emoção e alegria. Algumas irmãs, que inclusive tiveram a oportunidade de conhecer Santa Paulina no final de sua vida, ficaram extremamente emocionadas com a perfeição.

Foto de: Arquidiocese de Florianópolis.

Imagem_cranio_santapaulina

Design Cícero Moraes no processo de desenvolvimento do trabalho.

 

A apresentação da reconstrução da face de Santa Paulina dará início às comemorações que devem marcar o aniversário de 150 anos do nascimento de Amábile Lúcia Visintainer, Santa Paulina, no próximo dia 16 de dezembro.

Para Ir. Roseli, as comemorações são motivos de grande alegria. “Celebrar os 150 anos do nascimento de Santa Paulina é dar graças a Deus pelo dom da vida e a missão realizada pela nossa Fundadora, a Primeira Santa do Brasil”. 

Conheça a história de Santa Paulina

Amábile Lúcia Visintainer, filha de Antônio Napoleone Visintainer e Anna Pianezzer, nasceu no dia 16 de dezembro de 1865, em Vigolo Vattaro, Trentino Alto Ádige, Itália. Amábile e sua família chegou ao Brasil em outubro de 1875, junto com a primeira leva de imigrantes para este Estado. 

No dia 12 de Julho de 1890, Amábile funda a Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, em Vígolo, Nova Trento (SC) e cinco anos depois, no dia 07 de dezembro, faz seus votos religiosos e passa a ser conhecida como Irmã Paulina do Coração Agonizante de Jesus, a Madre Paulina. No início do século, em 1903, Madre Paulina transfere-se para São Paulo, onde inicia a obra da “Sagrada Família”, ajudando filhos de ex-escravos e idosos, no bairro Ipiranga. Em 29 de agosto de 1909, a religiosa é deposta de seu cargo de superiora geral, sendo transferida para Bragança Paulista. No mesmo ano, em Bragança Paulista, Madre Paulina trabalha como lavadeira, faxineira e enfermeira, cuidando de doentes e inválidos. Nove anos depois, Madre Paulina retorna para São Paulo. Em maio de 1933, recebe o Decreto de louvor de sua obra, concedido pelo Papa Pio XI.  Diabética, a religiosa tem o seu braço direito amputado, em 18 de março de 1938. Em 09 de julho de 1942, Madre Paulina morre, aos 76 anos. 

Passados 49 anos, a religiosa é beatificada pelo Papa João Paulo II, em 18 de outubro de 1991. A canonização de Madre Paulina veio depois do segundo milagre ter sido aceito pela Santa Sé. Iza Bruna Vieira de Souza, que nasceu em 1992 com um tumor da cabeça, chegou a ser operada, mas aparementemente, não tinha chance de sobreviver. A avó coloca um retrato de Madre Paulina perto da menina e em 24 horas, depois de ser batizada, a menina recupera a saúde. A celebração da canonização de Madre Paulina ocorreu no dia 19 de maio de 2002, na Praça de São Pedro, a partir dessa data, a religiosa passou a ser chamada de Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.