Por João Antônio Johas Leão Em Liturgia Atualizada em 05 JUN 2020 - 10H16

Santíssima Trindade: O mistério central da fé

Zvonimir Atletic/ Shutterstock
Zvonimir Atletic/ Shutterstock

Celebrar a Santíssima Trindade é celebrar a Deus mesmo, o centro da nossa fé. O Catecismo da Igreja Católica chama o mistério da Santíssima Trindade de “o mistério central da nossa fé”. Mas o que é um mistério? E como podemos viver melhor esse dia santo?

O mistério não é uma realidade impossível de ser compreendida, como podemos pensar muitas vezes. Pelo contrário, é uma realidade que pode ir sendo compreendida cada vez mais, mas que não podemos nunca esgotar. É uma experiência parecida com a de um navio que avança da costa em direção ao alto mar. O horizonte vai se abrindo cada vez mais, na medida em que se avança. Se esse mar fosse infinito, como Deus o é, estamos falando de um mistério.

Nesta celebração do mistério da Santíssima Trindade somos convidados a contemplar um pouco mais essa realidade, a penetrar um pouquinho mais nesse mistério e para fazê-lo devemos “subir ao monte” como Moisés o fez quando recebeu os 10 mandamentos. Isso significa que precisamos buscar estar em contato com Deus, em diálogo com Ele.

Com essa atitude, Deus se revelará um pouco mais a cada um de nós, assim como revelou o seu nome a Moisés. Subir ao monte pode parecer uma fuga do mundo, um esquecer os problemas e me refugiar em Deus, mas é justamente o contrário disso. Conhecendo um pouco mais a Deus, que se revela como Amor, podemos encontrar os fundamentos de nossas vidas. Subindo ao monte e encontrando-nos com o Senhor, poderemos depois descer com as tábuas dos mandamentos inscritas mais profundamente em nossos corações, revigorados para viver uma vida cristã mais autêntica.

Falar que Deus é amor é dizer que ele não é um ser fechado em si mesmo, ele é relação. Relação de amor entre as três pessoas da Santíssima Trindade, o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

Deus nos revela que Ele é amor, como disse São João em sua carta. Esse amor necessita se entregar, se doar. Deus criou o mundo por amor e para o Seu amor. Falar que Deus é amor é dizer que Ele não é um ser fechado em si mesmo, Ele é relação. Relação de amor entre as três pessoas da Santíssima Trindade, o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

Subindo ao monte, descobrimos que nós fomos feitos à Sua imagem e semelhança, também nos realizamos no amor. E quanto amor verdadeiro o mundo precisa hoje em dia. Os cristãos, junto com a Igreja, são chamados a ser esse testemunho de “koinonia” (Comunhão) nesse mundo tomado pelo individualismo e pelo egoísmo. São chamados a refletir na Terra o mistério central de Deus Trindade, que se mostra como amor.

Que nessa festa possamos, então, encontrar-nos com Deus. Conhecê-lo melhor, descobrir o amor que Ele tem por cada um de nós, espelho do amor que Ele mesmo vive no interior da Santíssima Trindade. E que, fruto desse encontro, saiamos a anunciar esse amor para o mundo que precisa tanto dessa comunhão.

.:: O que celebramos em junho na Igreja Católica?

Escrito por
João Antonio Johas Leão (Arquivo pessoal)
João Antônio Johas Leão

Licenciado em filosofia, mestre em direito e pedagogo em formação. Pós-graduado em antropologia cristã e entusiasta de pensar em que significa ser cristão hoje.

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Liturgia

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.