Notícias

Santuário Nacional divulga carta contra abuso e exploração sexual infantil

Documento realizado em conjunto ao Tribunal Regional do Trabalho convoca devotos e autoridades a denunciarem crimes contra crianças e adolescentes

Escrito por Alberto Andrade

18 MAI 2022 - 16H05 (Atualizada em 19 MAI 2022 - 10H03)

Poj Theveenugul/Shutterstock

Anualmente, o 18 de maio é lembrado como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Essa data foi instituída no ano 2000 pelo projeto de lei 9970/00. A escolha se deve ao assassinato de Araceli, uma menina de oito anos que foi drogada, estuprada e morta por jovens de classe média alta, no dia 18 de maio de 1973, em Vitória (ES). Esse crime, apesar de sua natureza hedionda, até hoje permanece impune. A semana contará com ações de mobilização contra a violência sexual em todo o país.

Leia MaisBento XVI nega irregularidades e pede perdão por abusos sexuaisCartilha trata de forma lúdica abuso contra crianças e adolescentes

Na Santa Missa das 18h na Basílica Histórica, foi lida a Carta de Aparecida, documento realizado pelo Comitê de Erradicação do Trabalho Infantil do o Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região em articulação com o Santuário Nacional.

O texto reforça a necessidade de lutar contra o abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes no Brasil. Na publicação foi informado que de acordo com o último Anuário Brasileiro de Segurança Pública, de 2021 e referente ao ano de 2020, no Brasil, a cada hora, cinco crianças e adolescentes são vítimas de violência sexual, sendo que 54,4% das vítimas têm até 11 anos de idade.

A carta convoca toda sociedade para o compromisso de proteger as crianças e adolescentes, com foco na prevenção e erradicação deste tipo de crime, que envolvam a divulgação do Disque Direitos Humanos – o Disque 100 – serviço gratuito que funciona 24h nos sete dias da semana para receber denúncias de violência contra os pequenos, e do Conselho Tutelar.

Cássia Pereira de Souza Castro, que coordena a Pastoral da Criança da Arquidiocese de Aparecida (SP) falou sobre os instrumentos e canais que a população tem para combater os crimes.

"O Disque 100 é uma ferramenta importantíssima, porque garante o sigilo e a privacidade, assegurando todo o conjunto do atendimento que uma criança ou adolescente que sofre esse tipo de situação: o atendimento de saúde, psicossocial, jurídico, de acolhimento, do 'adoecimento' dessa família. O trabalho precisa ser contínuo, e pode ser exercido tanto pela ações do governo, como pela sociedade civil, através de organizações, como a própria Pastoral da Criança. Há também uma Rede de Proteção, como o CRAS (Centro de Referência de Assistência Social), CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social), as Unidades de Saúde e outras unidades de assistência, além dos programas que são desenvolvidos por diferentes organizações. A população precisa se conscientizar e ajudar neste combate pois juntos ajudando nosso próximo conseguiremos atingir o objetivo.", concluiu.

Padre Thiago Henrique Guimarães , vigário da Paróquia Nossa Senhora Aparecida e São Benedito e assessor da Pastoral da Criança acrescentou sobre as atividades feitas para a conscientização de todos a respeito dessa luta. 

"Os trabalhos nas escolas dirigidas pelas comunidades católicas e a própria Pastoral da Criança, tem também esse trabalho de cuidar, desenvolver e fortalecer essas pessoas, valorizando a dignidade de filhos e filhas de Deus. Que possamos sempre cuidar das crianças, estar atenta aos sinais, sermos próximos, dialogar e preservar suas etapas de vida e amadurecimento", disse. 

O documento foi lido por Adhemar Prisco da Cunha Neto, juiz do trabalho e coordenador do Juizado Especial da Infância e Adolescência no Vale do Paraíba, que em entrevista ao A12, salientou sobre a importância da parceria entre Justiça e Igreja no combate aos crimes contra crianças e adolescentes em nossa região.

“A Justiça do Trabalho, por intermédio do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem, soma esforços ao Santuário para, juntos, fomentarem a consciência coletiva de que uma nação forte, justa e civilizada, se constrói com a proteção integral à criança e ao adolescente. Essa união fortalece a prevenção a toda forma de abuso e exploração infantil. Neste 18 de maio, não podemos deixar de conclamar a todos que combatam o abuso e a exploração sexual contra crianças e adolescentes.", disse o magistrado.

:: Confira o texto na íntegra:

Carta de Aparecida contra o abuso e a exploração sexual infantil

Anualmente, o 18 de maio é designado como Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. A data foi instituída em memória da menina Aracelli, que foi sequestrada, violentada sexualmente e brutalmente assassinada em 1973, na cidade de Vitória-ES.

A legislação vigente distingue entre o abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes, sendo a última elencada como uma das piores formas de trabalho infantil.

O abuso sexual é toda ação que se utiliza da criança ou do adolescente, seja por meio de conjunção carnal ou de outro ato libidinoso, realizado de modo presencial ou por meio eletrônico, para estimulação sexual do agente ou de terceiro. A exploração sexual comercial consiste no uso da criança ou do adolescente, por meio virtual ou presencial, em atividade sexual em troca de remuneração ou qualquer outra forma de compensação.

Segundo o último Anuário Brasileiro de Segurança Pública, publicado em 2021 e referente ao ano de 2020, no Brasil, a cada hora, cinco crianças e adolescentes são vítimas de violência sexual, sendo que 54,4% das vítimas têm até 11 anos de idade.

A Constituição Federal reconhece que a criança e o adolescente devem ser destinatários de proteção integral e das oportunidades para viver uma vida plena, sem violência. O Estado e a sociedade, assim como a família e a comunidade escolar, devem assumir o desafio de orientar as crianças e os adolescentes, ajudando-os a compreender e discernir as distintas formas de violência sexual, de autodefesa, e dialogar sobre o assunto com pessoas de confiança, que lhes ajudem a denunciar e a fazer cessar o abuso e a exploração sexual, inclusive o tráfico de pessoas.

O Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem do Tribunal Superior do Trabalho e do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, o Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, por seu Comitê de Erradicação do Trabalho Infantil, em articulação com a Basílica de Nossa Senhora Conceição Aparecida, vêm a público para:

Convocar os romeiros e romeiras, além de toda a sociedade, para lutarem em busca de estratégias para prevenir, inibir e erradicar a violência sexual;

Expressar a preocupação com a recorrente violência sexual contra crianças e adolescentes, e relembrar que a exploração do trabalho infantil constitui grave violação dos direitos humanos;

Destacar a importância do engajamento da sociedade na mobilização e efetivação, na esfera dos municípios, do Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes;

Encarecer às pessoas e às instituições que não hesitem em denunciar os casos de violência sexual contra crianças e adolescentes, por meio do Disque 100 ou informar sobre a violação aos conselhos tutelares, aos conselhos de referência de assistência social, ao ministério público, ao juizado da infância e juventude e ou às delegacias de polícia.

Exigir o empenho do poder público e da sociedade para o cumprimento da Convenção 182, da OIT, e a construção de uma cultura de respeito e prevenção dos direitos da criança e do adolescente.

Aparecida-SP, 18 de maio de 2022


Assista ao Especial do A12 sobre a violência contra a mulher, segundo a Lei Maria da Penha

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Alberto Andrade, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.