Por Redação A12 Em Redação A12 Atualizada em 19 AGO 2019 - 16H38

Os desafios da Igreja diante da realidade indígena

A realidade indígena no Brasil é o assunto de hoje do Redação A12 ao vivo. Conversando com a gente esteve Camila Morais, repórter da TV Aparecida, que falou sobre a reportagem em aldeias brasileiras. Às vezes podemos ver essa realidade como algo distante, mas não é. São povos irmãos, que estão sofrendo e sendo dizimados pela ganância humana.

Reprodução TV Aparecida
Reprodução TV Aparecida
A repórter Camila Morais durante as gravações da série Desafios da Igreja - Realidade indígena

A jornalista Elisangela Cavalheiro convidou a repórter para contar como foi essa experiência de visitar uma aldeia indígena.

Camila disse que, embora essa não tenha sido sua primeira visita a uma comunidade indígena, foi um desafio muito grande, principalmente em relação à locomoção. Ela relata que viajou mais de cinco horas de barco para chegar a uma das aldeias.

Com isso, ela conta que foi uma grande experiência de desapego e despojamento, para que, a partir da enculturação, a compreensão daquela realidade se tornasse mais verdadeira, de forma que essa verdade fosse transmitida ao público.

Ela ainda diz que o que motivou a escolha da equipe em apresentar a realidade dos povos indígenas foi, principalmente, o problema da demarcação das terras. A jornalista considera que esta é uma necessidade urgente, porque das terras depende a sobrevivência desses povos, que não estão inseridos no mecanismo das sociedades capitalistas. Para eles, também é muito forte a questão da ancestralidade das terras, ou seja, se um determinado povo surgiu em uma região específica, é ali que esse povo deverá ficar. Desta forma, a ideia de realocar esses povos em outras áreas não é viável pois, embora sejam indígenas, cada povo tem sua própria cultura, sua própria língua e costumes.

Além disso, a TV Aparecida, através da série Desafios da Igreja, procura abordar diversos temas em que a Igreja tem atuado para minimizar problemas sociais e assegurar os direitos de diferentes grupos de pessoas. O intuito é mostrar o que a Igreja tem feito para ajudar essas pessoas em situação de vulnerabilidade social, principalmente impulsionados pelo Sínodo da Amazônia, que será realizado em outubro próximo.

:: ASSISTA: Desafios da Igreja - Realidade indígena

Renan Ventura
Renan Ventura


:: CNBB emite nota sobre situação dos povos indígenas Wajâpi, no Amapá

:: Bispo enfatiza o sofrimento dos povos indígenas no Brasil

Algumas das realidades que essas aldeias em especial estão enfrentando, com certeza refletem a realidade do Brasil. A grilagem (terras de povos indígenas sendo loteadas para venda ilegal), a violência, o deslocamento forçado, a perda tradições e costumes pelo distanciamento de suas terras, o desmatamento, uso de agrotóxicos... tudo isso tem afetado a vida dessas comunidades de forma devastadora.

Camila lembra que o cuidado com a Casa Comum, tão destacado pelo Papa Francisco na encíclica Laudato Sì, também engloba esses povos que, mais do que ninguém, sabem cuidar da terra de forma perfeitamente sustentável. Devido à necessidade de migrarem para áreas urbanas, encontram problemas falta de moradia, emprego, preconceito, etc.

Por fim, a jornalista conta como percebeu a presença da Igreja junto aos indígenas. Ela relatou alguns momentos de tensão para essas pessoas, por estarem num espaço de conflito entre grileiros e indígenas. Muitos missionários, sejam religiosos ou leigos, são constantemente ameaçados pelos exploradores. 

TV Aparecida
TV Aparecida


Por meio da 
presença do Cimi (Conselho Indigenista Missionario), que existe há quase 50 anos e é liderado por Dom Roque Paloschi, Arcebispo de Porto Velho (Rondônia), bem como Dom Erwin Krautler, que foi, inclusive, ameaçado de morte, a repórter falou sobre a importância da evangelização concreta. Ela destaca que a mensagem primeira, antes de levar a religião católica a esses povos em sua dimensão catequética, é o cuidar, respeitando a espiritualidade própria de cada povo. A evangelização passa pelo olhar para as necessidades dessas pessoas, principalmente em áreas onde a Igreja ainda não consegue chegar.

Camila conclui que a grande importância do trabalho realizado é que, se a Igreja não olhar para essas pessoas, ninguém irá olhar, devido ao conflito de interesses. Nesse sentido, agradeceu também o trabalho de responsabilidade social da TV Aparecida, por mostrar essa realidade no intuito de despertar a consciência da necessidade de se respeitar integralmente os povos indígenas, como legítimos habitantes destas terras.

Confira a entrevista na íntegra no vídeo abaixo:


Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Redação A12

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.