Por Eduardo Gois Em Santo Padre Atualizada em 20 JUN 2018 - 11H55

68 milhões de pessoas em deslocamento forçado e 5 dicas do Papa

Crises políticas e econômicas, guerras, violência e perseguições levaram o deslocamento forçado em todo o mundo a um novo recorde.

Países como a República Democrática do Congo, Sudão do Sul, Mianmar, Síria, Venezuela, entre outros têm uma debandada da população em busca de uma vida melhor.

Em seu relatório anual Tendências Globais (ou Global Trends), a Agência da ONU para Refugiados, ACNUR informa, por exemplo, que 68,5 milhões de pessoas estavam deslocadas por guerras e conflitos até o final de 2017. Entre elas, 16,2 milhões se deslocaram em 2017 tanto pela primeira vez como repetidamente – o que corresponde a 44,5 mil pessoas sendo forçosamente deslocadas a cada dia (ou uma pessoa deslocada a cada dois segundos).

Em várias oportunidades o Papa Francisco deu bons exemplos para superar tais dificuldades. Listamos cinco momentos e algumas dicas do Santo Padre para a lamentável situação.

Shutterstock
Shutterstock

1. O Papa Francisco apelou no dia 19 de junho de 2018, a uma “renovada fraternidade” com os migrantes e os refugiados, associando-se à campanha internacional da Cáritas ‘Partilhar a viagem’. “Desejo encorajar-vos, a vós da Cáritas, assim como a comunidade dos fiéis com os seus pastores, e todas as pessoas de boa vontade a procurar cada vez mais novos espaços de partilha, para que dos nossos encontros possam germinar uma renovada fraternidade com os migrantes e os refugiados”, referiu, numa mensagem aos participantes na iniciativa ‘A refeição do encontro’.

Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

2. No Twitter, o Papa Francisco pediu no dia 20 de junho de 2018 que "o medo" não impeça de acolher "os pobres, os rejeitados, os refugiados".

Shutterstock
Shutterstock

3. Em 14 de janeiro de 2018, no Dia Mundial dos Migrantes e Refugiados, o Pontífice declarou: “Todo estranho que bate à nossa porta é uma oportunidade para conhecer Jesus Cristo, que se identifica com o estrangeiro que foi aceito ou rejeitado em todas as épocas (Mt 25, 35.43)’. E para o estranho, o migrante, o refugiado e o requerente de asilo todas as portas da nova terra também são uma oportunidade para conhecer Jesus”.

4. No dia 1º de janeiro de 2018, durante a primeira missa do ano, Francisco aconselhou a abandonar o consumismo inútil e construirmos um mundo pacífico e acolhedor, principalmente ao migrante e refugiado

shutterstock
shutterstock

5. Em novembro de 2017, por ocasião da Divulgação da Mensagem para o Dia Mundial da Paz que aconteceria este ano, O Papa Francisco se referiu às guerras, às desigualdades e às injustiças como principais motivos que levam milhões de pessoas a abandonar seus lares e embarcar em uma viagem incerta em busca de uma vida digna. “Os conflitos armados e as outras formas de violência organizada continuam a provocar deslocações de populações no interior das fronteiras nacionais e para além delas”, seguindo a tendência iniciada com as guerras mundiais, genocídios e limpezas étnicas do século XX, lamentou o Santo Padre.

Fonte: *Com Vatican News, Aleteia, ACi Digital e Acnur

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Eduardo Gois, em Santo Padre

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.