Por Redação A12 Em Santo Padre Atualizada em 28 MAI 2019 - 10H11

Interessar-se pelos migrantes é interessar-se por todos nós, afirma Papa

Na mensagem para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, o Santo Padre, Papa Francisco ressalta que conflitos violentos são verdadeiras e próprias guerras e não cessam de dilacerar a humanidade. Sucedem-se injustiças e discriminações. Quem sofre as consequências são, sobretudo, os mais pobres e desfavorecidos.

Leia MaisFraternidade é mais poderosa que o ódio, afirma PapaPapa Francisco: "Descartar comida é descartar pessoas"“Não se trata apenas de migrantes” é o tema da mensagem para 2019, divulgada na segunda-feira (27).

No texto, o pontífice também ressalta outros pontos marcantes:

Individualismo acentuado 

Shutterstock
Shutterstock

Segundo Francisco, as sociedades economicamente mais avançadas tendem a um acentuado individualismo que, associado à mentalidade utilitarista e multiplicado pela rede midiática, gera a globalização da indiferença.

Razão de não se tratar apenas de migrantes

Shutterstock
Shutterstock


Quando nos interessamos por eles, interessamo-nos também por nós, por todos;
cuidando deles, todos crescemos; escutando-os, damos voz também àquela parte de nós mesmos, que talvez mantenhamos escondida por não ser bem vista hoje.

Trata-se também dos nossos medos

Shutterstock
Shutterstock


Diante da chegada de migrantes e refugiados, que batem à nossa porta em busca de proteção, segurança e um futuro melhor, é verdade que o receio é legítimo, inclusive porque falta a preparação para este encontro. O problema surge quando os receios condicionam de tal forma o nosso modo de pensar e agir, que nos tornam intolerantes".

Trata-se da caridade

Shutterstock
Shutterstock


Para o Papa, é através das obras de caridade que demonstramos a nossa . E a caridade mais excelsa é a que se realiza em benefício de quem não é capaz de retribuir, nem talvez de agradecer”, afirma o Pontífice.

Trata-se de humanidade

Shutterstock
Shutterstock


Segundo o Santo Padre, como nos ensina o próprio Jesus, "ter compaixão significa reconhecer o sofrimento do outro e passar, imediatamente, à ação para aliviar, cuidar e salvar”.

Por fim, o Papa resumiu em quatro verbos a resposta ao desafio apresentado pelas migrações atuais: acolher, proteger, promover e integrar. “Esses verbos não valem apenas para os migrantes e os refugiados; exprimem a missão da Igreja a favor de todos os habitantes das periferias existenciais, que devem ser acolhidos, protegidos, promovidos e integrados”, ressalta Francisco.

Fonte: Vatican News

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Santo Padre

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.