Por Valquíria Vieira Em Santo Padre Atualizada em 05 JUL 2019 - 10H57

João Paulo II: o atentado, o perdão e a misericórdia

“Disse ao meu secretário, D. Stanislaw, ainda no carro, que tinha perdoado o autor do atentado. Sabia e sentia como era gravíssima a minha situação, sabia que tinha sido ferido na barriga, doía muito... Praticamente já estava do outro lado... mas senti que me iria salvar...” Papa João Paulo II

A História

O Papa João Paulo II sofreu um atentado na tarde de 13 de maio de 1981, na Praça São Pedro, no Vaticano, onde dez mil pessoas estavam presentes.

Enquanto cumprimentava os fiéis presentes na Praça,
o pontífice foi atingido por três tiros.

O Papa foi levado para o hospital, onde submeteu-se a uma operação de emergência e ficou internado por 22 dias.

atentado


Os disparos do atentado foram feitos pelo turco
Mehmet Ali Agca. O autor do atentado já havia anunciado a intenção de intenção de matar João Paulo II durante a visita do pontífice à Turquia, em novembro de 1979.

Ali Agca foi detido imediatamente pela polícia italiana e condenado à prisão perpétua.

O perdão

Shutterstock
Shutterstock


João Paulo II perdoou Ali Agca
logo após o atentado na Praça de São Pedro, dentro da ambulância que o transportava a alta velocidade até ao Hospital Gemelli, pouco antes de perder os sentidos e quando julgava que ia morrer.

O papa, em seu livro “Memória e Identidade”, dedicou um capítulo, o epílogo, sobre o atentado e contou que na ambulância falou ao cardeal Dom Stanislaw que tinha perdoado o autor do atentado.

"Agca disparou para matar, um tiro que devia ser mortal. Ele era um assassino profissional, não foi uma iniciativa sua. Alguém o encarregou de me matar. Não tenho a menor dúvida.

Disse ao meu secretário, D. Stanislaw, ainda no carro, que tinha perdoado o autor do atentado. Sabia e sentia como era gravíssima a minha situação, sabia que tinha sido ferido na barriga, doía muito... Praticamente já estava do outro lado... mas senti que me iria salvar...", escreve o Papa.

Após 19 anos do atentado, em 2000, João Paulo II se encontrou com Ali Agca na prisão.

"Na visita à prisão, no Natal de 1983, encontrei-me a sós com Ali Agja. Queria saber porque tinha falhado o tiro. E esta inquietude levou ao problema religioso. O que era esse segredo de Fátima? Foi a única coisa que lhe interessou saber e perguntar", escreve João Paulo II.

No mesmo ano em que o Papa João Paulo II se encontrou com o autor do atentado, a Igreja revelou o terceiro segredo de Fátima. Segundo a análise do Vaticano, o segredo estaria relacionado ao atentado contra o Papa.

Curiosamente, os disparos contra o Santo Padre foram feitos em 13 de maio. Nossa Senhora teria feito uma de suas aparições às crianças portuguesas neste dia. Pouco tempo depois de sua recuperação, João Paulo II foi até Fátima agradecer por ela ter salvado sua vida.

Conforme divulgou o secretário de Estado do Vaticano, Angelo Sodano, o terceiro mistério anunciado pela Virgem aos pastores era a imagem de um bispo vestido de branco, que caminhava entre os corpos de mártires caídos ao chão, aparentemente mortos, sob uma chuva de disparos.

A Praça de São Pedro é rodeada de imagens de santos e mártires. A revelação do mistério encerrou décadas de suposições, muitas delas relacionando o segredo a profecias apocalípticas, como o fim do mundo.

A misericórdia

Shutterstock
Shutterstock

O Papa João Paulo II seria canonizado no dia da Festa da Divina Misericórdia, domingo (27). A celebração tem grande significado na vida do pontífice. 

A Festa, que acontece todo Segundo Domingo da Páscoa, foi criada pelo Papa João Paulo II, de acordo com um pedido de Jesus à santa Faustina Kowalska em uma revelação, conforme ensina a devoção à Divina Misericórdia.


Missa de Beatificação de João Paulo II



Bento XVI beija relíquia durante cerimônia de beatificação de João Paulo II

O Papa João Paulo II instituiu a festa no ano 2000, por ocasião do Jubileu da encarnação de Jesus, onde afirmou que o homem pós-moderno seria evangelizado pela misericórdia.

Em 2011, João Paulo II foi beatificado pelo papa emérito Bento XVI, justamente no Domingo da Misericórdia

Além disso, no ano de 2005, a morte do Papa coincidiu também com esta festividade.

4 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Valquíria Vieira, em Santo Padre

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.