Por Elisangela Cavalheiro Em Notícias Atualizada em 11 DEZ 2019 - 16H02

Padre Vítor Coelho e seu discurso que fechou a Rádio Aparecida

Padre Vítor Coelho de Almeida tinha um grande amor para com os pobres, sentimento que nutriu com a espiritualidade e o carisma de sua congregação e seu fundador Santo Afonso.

Seu ministério foi marcado fortemente pela conscientização dos fiéis diante das questões sociais e pela promoção da pessoa humana. Tanta foi a preocupação do Padre Vítor com os "mais abandonados" que sua luta ganhou um registro histórico em plena ditadura brasileira.

Comissão para o Patrimônio Histórico - CSSR
Comissão para o Patrimônio Histórico - CSSR
Padre Vítor era firme e perspicaz em suas pregações.


Padre Vítor
era um religioso destemido e animado por seu ardor missionário, herdado dos primeiros redentoristas alemães. Padre Júlio Brustoloni também redentorista, falecido em 2017, escreveu grande parte da documentação do processo de beatificação do Padre Vítor e cita em seu livro “Vida de Padre Vítor Coelho”, esse modo de evangelizar através - e principalmente - da Rádio Aparecida.

“Seu empenho maior na promoção humana e justiça social, porém, se deu na Rádio Aparecida. Ele comentou todos os documentos sociais da Igreja e procurou conscientizar os radiouvintes sobre o assunto. Embora moderado nem por isso deixou de combater violentamente as injustiças sociais. Ele costumava traduzir em linguagem popular todos os documentos”, escreveu o missionário.

Essa forma de falar para o povo foi outra marca de seu ministério, e junto com seu desejo de tornar a população consciente de seus direitos, o fez um grande portador de uma palavra necessária para o seu tempo. E por isso, Padre Vítor não hesitou, em plena ditadura militar no Brasil, de lembrar os direitos que estavam sendo desrespeitados com o autoritarismo durante o regime militar. 

Esse fato ocorreu no ano de 1969, quando Padre Vítor fazia a leitura objetiva e clara da Declaração Universal dos Direitos Humanos. A simples ação do missionário causou a indignação de certo coronel da revolução, que mandou fechar e lacrar a Rádio Aparecida por 24 horas.

Confira o áudio do programa onde padre Vítor lê um trecho da Declaração:

Em sua pregação, Padre Vítor tocava diretamente os direitos trabalhistas, denunciando “salários de fome”. E não só isso: ele orientava os trabalhadores a se unirem em cooperativas e executar seu trabalho com responsabilidade.

“Caríssimos, os ponteiros apontam para o infinito! Boas festas! Hoje o Papa quer que pensemos na paz. Ele nos lembra de que os direitos do homem, solenemente proclamados pela humanidade, são a base da paz. Assim, se não observarmos os direitos do homem, não haverá paz no mundo. Cheguei até o artigo dezoito e hoje eu quero continuar essa leitura. Se os direitos dos homens forem observados, respeitados, haverá paz”, diz outro trecho do programa apresentado pelo padre Vítor.

Declaração – A proclamação da Declaração Universal dos Direitos Humanos foi feita no dia 10 de dezembro de 1948, pela Assembleia Geral das Nações Unidas, para ser amplamente divulgada e explicada, nas escolas e em outras instituições educacionais, sem distinção nenhuma que fosse baseada na situação política ou econômica dos Países ou Estados.

Saiba mais sobre a vida do Padre Vítor em A12.com/padrevitor


Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Elisangela Cavalheiro, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.