Notícias

Quatro formas de fazer a vontade de Deus

Você já parou pra pensar se tem feito a vontade de Deus em sua vida? Santo Afonso é um mestre da espiritualidade cristã e ele traz quatro modos para nos ajudar a viver a nossa entrega a Deus.

Escrito por Redentoristas

30 JUL 2021 - 08H34 (Atualizada em 30 JUL 2021 - 09H50)

Shutterstock shutterstock_resignacao_aceitacao (Shutterstock )

Você já parou pra pensar se tem feito a vontade de Deus em sua vida?

Santo Afonso diz que cumprir a vontade de Deus é desejar o que Deus deseja. Mas isso pode não ser tão simples assim não é mesmo?! Então, o santo abre uma luz para que possamos entender qual é a vontade de Deus e saber vivenciá-la para a nossa felicidade.

Uma indicação inicial que trazemos é entrar em sintonia com Deus por meio da oração e nela pedir o auxílio de quem pode nos ajudar, nesse caso, o nosso Anjo da Guarda, os Santos e da nossa querida Mãe Maria; que é a mais perfeita entre todos os Santos e quem mais perfeitamente “abraçou a vontade divina em todas as ocasiões”, assinala Santo Afonso. 

Ele também dizia que a oração “é um meio necessário e seguro para alcançar a salvação e todas as graças das quais temos necessidade”.

:: Oração de Santo Afonso para pedir o dom da oração mental

Esse é um primeiro caminho que vai abrir o nosso coração e a nossa mente para buscar realizar a vontade de Deus em nossa vida. No entanto, queremos trazer aqui, dos escritos espirituais de Santo Afonso, mais quatro atitudes que podemos ter em nosso cotidiano para realizar a vontade de Deus.

Está pronto? Antes uma frase do santo para poder te inspirar:

“Se abraçamos todas as vicissitudes da vida, como vindas da mão de Deus, e mesmo a morte, com submissão à sua vontade, por certo que morreremos santos, e seremos salvos”.

Vamos ver quatro sugestões para unir a nossa vontade à vontade divina.

1 – Nas situações cotidianas

Devemos unir nossa vontade à vontade de Deus nas coisas naturais, como quando faz frio, calor, quando chove, ou em tempo de escassez ou epidemia, e em outros casos iguais.

Devemos deixar de dizer: 'que intolerável frio, que horroroso calor, que desagradável estação!', ou fazermos uso de algumas expressões que mostrem a nossa repugnância para com a vontade de Deus.

Devemos querer tudo como é, porque Deus de tudo dispõe.

2 – Nas dificuldades

Devemos unir a nossa vontade à divina vontade, quando padecermos fome, sede, pobreza, desolação e desonra.

Também devemos controlar a nossa vontade quando o mal nos fizer cair em alguma maldade ou quiser nos deixar inquietos. E também quando alguém nos dirigir insultos ou nos ofender, o que faremos? Fazer e dizer o que Deus faria e diria, e assim nos livraríamos de toda a falta de inquietação.

3 – Nas nossas fragilidades corporais e espirituais

Se tivermos alguma deficiência em nosso corpo ou em nossa mente não devemos lamentar. De outra forma, podemos dar graças ao Senhor por tudo que sua bondade nos tem concedido. Devemos ficar contentes com o que Deus nos tem concedido. Não é necessária beleza, uma saúde perfeita, nem uma personalidade perspicaz, só é necessário salva-nos, disse Jesus Cristo.

4 - Nas nossas enfermidades 

Devemos particularmente ser resignados nas nossas enfermidades corporais e abraçá-las voluntariamente em nossas vidas. Devemos tomar os remédios que podem restaurar nossa saúde porque tal é a vontade de Deus. 

Grande virtude é não lamentar as nossas aflições, durante o tempo da dor, porém, quando essas pesarem sobre nós, não nos é impedido de falar sobre elas a nossos amigos, nem mesmo rogar a Deus que nos livre delas.

Jesus Cristo falou sobre sua dor aos seus companheiros em Mateus 26, 38 seguintes:

"A minha alma está triste até a morte". Ele também rogou ao Pai que o livrasse dela: "Pai, se é possível afasta de mim este cálice", mas logo depois nos ensinou a resignar-nos imediatamente perante a vontade divina: "Mas não como eu quero, mas como vós quereis"

Se você chegou até aqui queremos indicar ainda a leitura sobre como Santo Afonso enfrentou a própria enfermidade e sua morte. Este santo viveu pouco mais de 90 anos. Faleceu cego, surdo e depois de sofrer 19 anos com uma artrite degenerativa. O final de sua vida diz tanto quanto seu ministério e as obras que deixou por herança para a Igreja.

fast_forward Leia aqui: O que Santo Afonso nos ensinou com sua doença e morte

Saiba mais sobre a vida do santo fundador do Missionários Redentoristas em A12.com/santoafonso 


Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redentoristas, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.