Por Secretariado Vocacional Redentorista Em Notícias Atualizada em 06 JAN 2020 - 15H50

Quem pode ser diácono permanente?

O ser, a vocação e a missão do diácono surgem da ação criativa do Espírito Santo, diante das necessidades da comunidade e da urgência da Igreja em cumprir a sua missão (At 6,3).

O diaconado permanente situa-se no contexto da vida e da ação pastoral da Igreja, e tem a sua origem na consagração e na missão de Cristo, nas quais o diácono é chamado a participar (cf. LG, 28a).

A restauração do diaconado pelo Vaticano II não é um retorno somente à origem da Igreja. É muito mais que isso: ela vem responder a uma nova visão ministerial de Igreja, com uma restauração do quadro completo da hierarquia – bispos, presbíteros e diáconos. 

Shutterstock
Shutterstock
Procure a sua diocese para conversar sobre os critérios para se tornar um diácono permanente.


Nos últimos anos, a vocação diaconal tem crescido
, isto é, muitos bispos têm motivado e acolhido a vocação diaconal em suas dioceses. As diretrizes para o Diaconado Permanente da Igreja do Brasil (Doc 96 CNBB), indicam as etapas do processo formativo, bem como o perfil e os pré-requisitos necessários para se tornar um diácono permanente.

IMPORTANTE: Além das diretrizes, cada diocese estabelece os seus critérios, segundo as necessidades da Igreja particular.

Quem pode ser diácono?

O processo de discernimento vocacional deve levar em consideração quatro critérios objetivospessoais, eclesiais, familiares, comunitários (cf. Documento 96 da CNBB – “Diretrizes para o Diaconato Permanente da Igreja no Brasil – Formação, Vida e Ministério”. n. 135-147).

Quanto aos critérios pessoais, deve-se observar saúde, idade canônica para ordenação (25 para solteiros e 35 para casados), situação civil e profissional, capacidade de liderança, autocrítica e interesse pela formação permanente.

Os critérios eclesiais referem-se à atividade pastoral desenvolvida pelo candidato dentro da Igreja. Deve apresentar maturidade na fé, ter uma visão da Igreja solidária com a realidade atual, capacidade para ouvir, dialogar e acolher, vida sacramental, espírito de oração e de contemplação, espírito de serviço, principalmente aos mais pobres, interesse pelo estudo da Palavra de Deus e da doutrina da Igreja.

Em relação aos critérios familiares, se o candidato for casado, deverá a esposa dar o seu consentimento e aceitação, bem como os filhos. Deve ainda ter estabilidade na vida matrimonial;, ou seja, o mínimo de cinco anos de vida matrimonial.

Os critérios comunitários devem contemplar a consciência de que será diácono da Igreja (e não de um grupo ou comunidade determinada), engajamento pastoral de cinco ano ou mais, visão do ministério como dom e serviço, união com os bispos-presbíteros-diáconos, visão de pastoral de conjunto, abertura missionária, aceitação pela comunidade e pelo presbítero.

Mais do que nunca, a Igreja espera dos diáconos a disposição missionária para servir aos mais pobres, numa Igreja em saída, companheira no caminho.

Tem dúvidas sobre vocação? Envie pra gente: vocacional@a12.com 


Fonte: Com informações Comissão Nacional dos Diáconos

19 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Secretariado Vocacional Redentorista, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.