Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, CSsR Em Notícias

Homilia do 6º Domingo da Páscoa

Padre Luiz Carlos de Oliveira, CSsR

 

“O Espírito da Verdade”

Sob a ação do Espírito Continuamos no contexto da Santa Ceia, momento privilegiado no qual Jesus nos conduz ao coração de seu ensinamento que é a expressão de sua vida. Podemos dizer que Jesus entrega ao Espírito a missão de comunicar a Vida: “Eu rogarei ao Pai e Ele vos dará outro Defensor para que permaneça sempre convosco… Ele permanece junto a vós e está dentro de vós” (Jo 14,16-17).

 

homilia

Não ficamos órfãos, pois Ele vem a nós no Espírito que nos ensinará tudo e recordará o que Jesus disse (Jo 14,26). Ele é a força de vida que acompanha nas dificuldades os que creem e os faz crescer como Igreja; Ele é o Amor. Guardar os mandamentos de Jesus é permanecer em seu amor e ser amado pelo Pai. Dá-se então, a manifestação de Jesus: “Eu o amarei e Me manifestarei a ele” (21).

Ele nos estimula a descobrir novos caminhos para a implantação do Reino de Deus. Quem não acolhe o movimento do Espírito perde a capacidade de crescimento. Vejamos quanta planta nova nasceu na Igreja depois que se abriram novos caminhos, como Filipe que anuncia na Samaria. É o caminho da Igreja. Sempre esteve presente no coração de seu povo. Assim que os samaritanos se convertem, vêm a eles Pedro e João para dar-lhes o Espírito Santo.

Quem quer viver e anunciar o Evangelho encontra os caminhos. Vemos um grande crescimento do protagonismo dos leigos que, movidos pelo Espírito Santo, realizam maravilhas. O que nos deve mover não é uma ideia, mas ação do Espírito. Tudo que fazemos para o bem, Ele está presente como Dom.

A fé permanece a mesma, mas sempre conduzida pela caridade que, na esperança, procura as novidades de Deus, como podemos ver nas atitudes de Papa Francisco e em todos os nossos cristãos dedicados.

Dar razões da Esperança

Depois da morte de Estevão, desencadeou-se forte perseguição aos cristãos. Houve uma grande dispersão.

Viver a fé com coerência sempre incomodará a sociedade avessa à fé. Por que tanta perseguição por grupos fundamentalistas e os ateus? Por que sabem que temos a verdade. Não basta tê-la, é necessário coerência com o mandamento. “Quem acolhe os meus mandamentos e os observa, esse Me ama”.

Jesus garantiu aos discípulos que haveria perseguição e os convida a darem testemunho, mesmo no sofrimento da perseguição, como Ele sofreu e testemunhou. Sofrer por praticar o bem é estar unido a Ele. Sofreu a morte na existência humana, mas recebeu nova vida pelo Espírito (1Pd 3,18). Os sofrimentos de Cristo se manifestam no corpo da Igreja. Os fiéis receberão também a vida nova pelo mesmo Espírito que ressuscitou Jesus.

A vida coerente

As orações da missa de hoje insistem na vida coerente: “A vida corresponda aos mistérios celebrados” (Oração) e também: “Fazei frutificar em nós o sacramento pascal e infundi em nós a força desse alimento salutar” (pós-comunhão).

Os sacramentos celebrados produzem nós os frutos. Como nos unem a Jesus, nos unem também a sua missão de serviço pela salvação. Páscoa bem vivida é Páscoa anunciada. O amor de Jesus é transformante. Não é possível dizer que crê em Jesus se não guarda seu mandamento de amor.

Quem pratica o mandamento do amor, onde estiver, tem o Espírito de Deus. Viver o mandamento do amor no sofrimento e na perseguição é fazer como Jesus fez em sua paixão como cordeiro mudo diante da morte: “Dar razão da esperança, mas com mansidão e respeito e com boa consciência”. A Igreja da Cruz é a Igreja da Glória.

Leituras: Atos 8,5-8.14-17; Salmo 65; 1Pedro 3,15-18;João 14,15-21

Ficha nº 1338 – Homilia do 6º Domingo da Páscoa (25.05.14)

1. No contexto da Ceia Jesus entrega o Espírito que ensinara e recordará o que Jesus disse e acompanhará nas dificuldades. Guardar os mandamentos de Jesus é permanecer no seu amor e ser amado pelo Pai que se manifestará. Quem crê descobre novos caminhos para implantar o Reino como Felipe. E vemos no protagonismo dos leigos.

2. Desencadeou-se a perseguição e houve dispersão. Viver a fé incomoda. É preciso coerência. Jesus previu a perseguição como foi a Ele. Sofrer para chegar à Ressurreição. Os Sofrimentos de Cristo se manifestam no corpo da Igreja. Os fiéis receberão vida nova pelo mesmo Espírito que ressuscitou Jesus.

3. As orações da missa insistem na vida coerente. Os sacramentos produzem em nós os frutos. Eles nos unem à missão de serviço pela salvação. Páscoa bem vivida é Páscoa anunciada. Não é possível crer se não guarda seus mandamentos. Quem o pratica o bem tem o Espírito de Deus. Viver o amor no sofrimento é unir-se a Jesus.

Com as costas quentes

A vida da Igreja se edifica com a força de todos. Os diáconos foram criados para ajudar na assistência dos necessitados. Por sua união a Cristo, são também evangelizadores. O diácono Felipe foi a uma cidade da Samaria e aí lhes anunciou o Cristo.

Ao saberem de sua ação apostólica, Pedro e João foram lá para dar-lhes o Espírito Santo pela imposição das mãos. Nada segura a ação de Deus. A garantia de nossa vida cristã é dada pelo Espírito Santo que Jesus pede ao Pai para nós. Quando acolhemos os mandamentos estamos amando a Deus e somos amados pelo Pai e O conhecemos.

O Espírito Santo sempre nos garante. Estamos com as costas quentes. Em sua carta São Pedro insiste que, seguindo Jesus, podemos anunciar e dar a razão de nossa esperança (1Pd 3,15). Mesmo nas dificuldades continuemos, pois Jesus também passou por dificuldades.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, CSsR, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.