Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R Em Notícias

Homilia do 7º Domingo Comum

Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R

 

 

“Amar não por ser amado”

 

O Pai é perfeito

A grande novidade do mandamento do amor que Jesus declara como o “seu mandamento” está em sua grandiosidade. Amar não por ser amado, mas amar porque tem o direito de amar. Este direito é proveniente do dom do Espírito de amor que anima o amor que Jesus possui por nós.

 

 

 

Pela lei do Antigo Testamento, a resposta ao que nos fizessem deveria ser paga com a mesma moeda: “Olho por olho, dente por dente”(Mt 5,38). A proposta de Jesus é como um amortecedor de ódio. Ao revidar aumentamos a violência. Ao dar uma resposta de bondade se rompe o espiral de violência. Não se trata de ser bobo, mas de ser mais inteligente. Sabemos que enfrentar o bandido é sempre um risco maior, sem falar que aumenta a violência.

 

 

Jesus diz claramente: “Não enfrenteis o malvado” (39). E exemplifica: dar a outra face esquerda a quem lhe bate na direita; dar o manto a quem toma a túnica; ir dois km com quem o força a andar um; emprestar a quem pede emprestado; amar os inimigos e os que perseguem. Vemos quanto ódio existe nas relações com as pessoas, as raças, as religiões e as nacionalidades. Jesus ensina essa verdade porque assim que é o Pai: “faz nascer o sol sobre bons e maus, e chover sobre justos e injustos e não faz distinção de pessoas” (Mt 5,46).

 

 

O amor que podemos ter não é retribuição ao amor que nos dão. Isso é ainda paganismo. Assim se ama como Ele nos amou. A perfeição do Pai que devemos seguir é a perfeição do amor: amar pelo direito de amar. Amor não é troca de favores, mas entrega de vida. Jesus deu o exemplo: “Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o extremo do amor” (Jo 13,1), dando sua vida na maior doação. S. Afonso ensinava que a Eucaristia era memória do amor com que Jesus se entregou na Paixão. O que vemos na Paixão é a dor, mas o que reina é o amor.

 

 

Amor gratuito

 

 

A maior prática do amor está no amor aos inimigos, pois só Jesus, ao morrer, poderia dizer: “Pai, perdoai-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lc 23,33). Estas palavras correspondem à demonstração do amor do Pai: “Deus demonstra seu amor para conosco pelo fato de Cristo ter morrido por nós quando éramos ainda pecadores” (Rm 5,8).

 

 

O amor de Deus é totalmente gratuito. No salmo 102 podemos ver as qualidades do amor do Pai: Perdoa, salva, cerca de carinho e compaixão, é indulgente paciente bondoso e compassivo. Como um pai se compadece de seus filhos, o Senhor tem compaixão dos que o temem. Ninguém merece, pois o Pai se dá o direito de amar a todos. Que pai ou mãe não ama o filho mais frágil? O amor se concretiza em palavras e ações. Rezamos na oração da missa: “Concedei, que procurando conhecer sempre o que é reto, realizemos vossa vontade em nossas palavras e ações”. Sem esse amor não podemos realizar o mandamento de Jesus.

 

 

 

Sois o templo de Deus

 

 

 

A santidade está no amor. O amor habita em nós pelo Espírito Santo que nos foi dado. Ele habita em nós. “Nosso corpo é templo do Espírito Santo” (1Cor 1,19). Não só somos uma habitação, mas participamos de sua santidade. “O santuário de Deus é santo, e vós sois esse santuário” (1Cor 3,16-23). O Espírito é Divina caridade que habita em nós. A igreja é um tempo de pedra repleto de pedras vivas que constroem o templo de Deus. O amor habita em nós. Nossa vida espiritual insiste em regras espirituais que não se preocupam o amor. Por isso a Eucaristia é a grande escola que nos ensina a amar e doar-se.

 

 

 

Leituras:Levítico 19,1-2.17-18;Salmo 102;1Coríntios 3,38-48; Mateus 5,38-48

 

Ficha nº - Homilia do 7º Domingo Comum (23.02.14)

 

           

O mandamento do amor é o fundamento da nova lei. Não se trata de cumprir uma lei exteriormente, mas em seu conteúdo espiritual. Jesus ensina deste modo porque o Pai é assim: faz nascer o sol para todos, sem distinção. A perfeição é o amor. Amar pelo direito de amar. Jesus amou até o extremo do amor que foi a entrega. A Eucaristia é memória do amor manifestado na cruz.

 

 

A maior prática do amor é o amor aos inimigos, como fez Jesus. Deus nos amou não porque merecíamos. O Pai dá-se o direito de amar. O salmo apresenta as qualidades do amor do Pai: Perdoa, salva, cerca de carinho e compaixão, é indulgente paciente bondoso e compassivo.

 

 

 

A santidade está no amor, pois o Espírito Santo habita em nós. Somos seu templo. O amor habita em nós, mas vida espiritual que temos se firma em regras espirituais que descartam o amor. Por isso a Eucaristia é sempre a escola.

 

 

 

Amar por km

 

 

O amor só se entende a partir das palavras de Jesus. O que ensina vai além das expectativas humanas. Ninguém perde por amar. O motivo é justo: Somos o santuário de Deus. O que fizermos é gerado por Ele.

 

 

Não há lugar para o ódio, vingança e rancor, pois não fazem parte do vocabulário de Jesus. Tenho que amar as pessoas como a mim mesmo. Mais ainda, como Deus me ama. É sair do próprio interesse e pensar no interesse do outro. Fazemos isso quando já estamos repletos de Jesus, que agia assim. Amar porque amo, não porque vou ganhar amor.

 

 

Jesus resume esse pensamento nas palavras: amar os inimigos e rezar pelos que nos perseguem. É assim que faz Deus: faz chover sobre justos e injustos.

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.