Por Redação A12 Em Igreja Atualizada em 22 JAN 2018 - 10H41

Protagonismo dos leigos: Dom Severino Clasen fala sobre o Ano do Laicato

A Igreja no Brasil vai celebrar, no período de 26 de novembro de 2017, Solenidade de Cristo Rei, à 25 de novembro de 2018, o “Ano do Laicato”. O tema escolhido para animar a mística do Ano do Laicato foi: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo”, Mt 5,13-14. Segundo o Bispo de Caçador (SC), Dom Severino Clasen, presidente da Comissão Episcopal Especial para o Ano do Laicato, já era um desejo da comissão dar novo impulso, incentivo e estímulo a temática.

“Sabemos que há uma grande satisfação do laicato no serviço com a Igreja, sobretudo na sua intervenção e no seu testemunho dentro da sociedade. Muitas vezes eles são esquecidos ou pouco valorizados”, diz o Bispo.


Para tal, o Ano do Laicato vai desenvolver diversas atividades para criar consciência do papel do leigo na Igreja. Por exemplo, serão publicados livros que refletirão sobre os leigos. Essas publicações devem criar consciência do papel deles na Igreja, acontecerão seminários regionais e nacionais para despertar e motivar a participação, haverá a visita da Imagem da Sagrada Família, encontros e reflexões em todo o país. “É um momento oportuno para uma reflexão e desperta a consciência de que o cristão não é cristão só dentro da Igreja”, aponta. Outro momento forte ocorrerá de 23 a 27 de janeiro, o intereclesial, que refletirá sobre pastoral urbana, falando da reflexão e o cuidado com a vida.

O Ano do Laicato terá como objetivo geral: “Como Igreja, Povo de Deus, celebrar a presença e a organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil; aprofundar a sua identidade, vocação, espiritualidade e missão; e testemunhar Jesus Cristo e seu Reino na sociedade”.

Pretende ainda: Dinamizar o estudo e a prática do documento 105: ‘Cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade’ e demais documentos do Magistério, em especial do Papa Francisco, sobre o Laicato; e estimular a presença e a atuação dos cristãos leigos e leigas, ‘verdadeiros sujeitos eclesiais’ (DAp, n. 497a), como “sal, luz e fermento” na Igreja e na Sociedade.

O papel do Leigo na Igreja e na Sociedade


Dentro da comunidade eclesial os leigos são chamados a cumprir tarefas, como também os ordenados e consagrados. Cada um com sua missão, com direito de agir, testemunhar e animar a sociedade e a Igreja. Os diversos ministérios apontam o horizonte onde o leigo deve agir, seja na formação, nos serviços básicos da comunidade de fé, animando a liturgia, a catequese e os serviços eclesiais, círculos bíblicos, grupos de reflexão e outros, bem como o testemunho no serviço aos mais necessitados e carentes.

Para Dom Severino Clasen, o papel dos leigos na Igreja é ser testemunho do Cristo ressuscitado onde moram, vivem e trabalham. Através do batismo, os leigos tornam-se membros efetivos no corpo da Igreja, onde Cristo é a cabeça. “É dever de cada batizado conhecer Jesus Cristo, viver seus sentimentos de amor e ajudar os mais necessitados a serem felizes e a todos se santificarem para a glória de Deus”, diz o bispo.

Ele afirma que os leigos carregam mais que um mero papel, pois se trata de algo maior: uma missão.

De acordo com Dom Severino, essa grande missão dos leigos é colaborar na criação do mundo, aumentando a espécie humana feita à imagem e semelhança de Deus. É criar relações justas para que cada criatura possa viver com dignidade e justiça. Além disso, conhecer Jesus Cristo e segui-lo na fidelidade, na caridade, servindo aos semelhantes e colaborando com o desenvolvimento da sociedade. “Todo cristão batizado se torna filho da Igreja. A Igreja como mãe tem a missão de acolher os leigos e leigas para conhecer melhor as estruturas da sociedade. O cristão leigo, membro da Igreja, vive em profundidade os ensinamentos da doutrina da Igreja e cria condições para que o mundo seja o espaço agradável para se viver”, explica.

Dentro desse contexto, entende-se que a missão do leigo é desenvolver relações saudáveis na sociedade, na política, na economia, na cultura, na educação e na saúde para proteger a dignidade humana.

Também pode-se dizer que ser leigo é ter uma vocação, ou seja, a vocação específica do leigo é ser cristão. É ser santo. É chamado a seguir Jesus Cristo na família, na Igreja e na sociedade através de uma profissão. “A profissão do leigo revela o seu modo de agir no mundo na busca da santidade.”

Na avaliação de Severino também há uma missão fora da Igreja, pois a grande missão do leigo está na sociedade, onde vive e busca seu sustento. “Concentrou-se demais nas funções dentro da Igreja e esqueceu-se da sociedade, lugar onde ele vive e trabalha. Por isso, tanta injustiça, tanta corrupção e tanta miséria. É porque os leigos não estão assumindo sua missão na sociedade, na política e na transformação do ambiente onde vivem. Seguir Jesus Cristo é dar condições a todo ser humano para que viva a dignidade de filhos de Deus. Eis a grande missão dos leigos criar condições para a proteção do próprio ser humano também fora da Igreja”, indica.

Uma missão revalorizada após o Concílio Vaticano II


Há quem diga que os leigos, após o Concílio Vaticano II, já não ficam mais em segundo plano, em comparação com religiosos, sacerdotes, bispos etc. Mas na avaliação de Dom Severino, o distanciamento entre o clero e o leigo ainda não está superado. “É preciso entender que o essencial é ser cristão, seja leigo, religioso, sacerdote ou bispo. Existem funções diferentes, distintas, mas a dignidade é a mesma para todos”, ressalta.

Leia MaisVocação Cristã: leigos a serviço da comunidadeApesar disso, após o último Concílio, os leigos tiveram sua missão consideravelmente revalorizada, mas ainda não compreendida o suficientemente. “Existe ainda em muitos lugares uma mentalidade clericalista na cabeça da hierarquia e dos leigos, isso deve ser superado”, opina o bispo.

Dom Clasen conta que após a Assembleia Geral da CNBB de 2014, a intenção é contar com todos para aprofundar a missão dos leigos e leigas na Igreja e na sociedade. “Vamos quebrar paradigmas e somar forças para encurtar distâncias entre leigos e hierarquia. Juntos compreenderemos que todo o batizado se torna filho da Igreja. A Igreja é mãe, tem a missão de acolher a todos como filhos é o que diz o Papa Francisco. Busquemos assumir a nossa missão como filhos e juntos construamos uma Igreja santa, agradável, acolhedora e um mundo justo, fraterno e digno de se morar e viver para a glória de Deus.”

Dom Severino sugere que os grandes documentos da Igreja são importantíssimos, que se complementam, são momentos e ofertas de reflexão. “Eu acredito que devemos ter um olhar maior para todos os documentos, para que os leigos tenham acesso, porque estes documentos da Igreja são para todos os batizados. Que os cristãos leigos tenham a alegria de ajudar a propagar o Ano do Laicato, que todas sejam abençoados na sua vida familiar e profissional, que tenhamos um mundo favorável para todos”, finaliza.

.

28 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Pe. Marcos Antonio de Oliveira Santos comentou:

Bom dia,
Gostei muito do texto sobre o laicato. Realmente precisamos a cada dia mais estarmos mais próximos do povão de Deus, nos tornando um deles sem perder a nossa essência Sacerdotal diferenciada pela Consagração Ministerial e á alegria do anuncio da Missão a nós Padres confiada por Deus.
Que Deus Pai e Mãe nos ajude a cumprir bem o nosso papel Sacerdotal.

MANOEL MARTINHO DOS SANTOS comentou:

sou coordenador de liturgia em uma capela e gostaria de ter informações sobre o laicato para ter subsídios para ajudar nos comentário da liturgia sobre este assunto.

João Bosco comentou:

Excelente o texto. Os cristãos leigos tem que saber da importância da sua participação na missão da Igreja no mundo.

adalberto de nazare carneiro nunes comentou:

esse momento que a igreja celebra , e o reconhecimento que cristo para cada um nos que fazemos parte deste corpo mistico da igreja onde a cabeca e cristo, quero parabenizar a igreja na pessoa de dom severino ao olhar os leigos que dispoem ao servico de cristo

Conceição de Maria dos Santos comentou:

Gostei,principalmente no que diz em quebrar paradigmas e diminuir o distanciamento entre leigos e hierarquia. Todos somos filhos e filhas de Deus com a mesma dignidade de batizados.

Irmã Maria FSMP comentou:

Parabéns! estamos vivendo realmente uma nova Primavera na Igreja e esse tempo novo vivenciado e partilhado por todos os batizados que se colocam a serviço do Evangelho compartilhando a " Alegria " de sermos Cristãos em saída. Vivamos bem esse ano do Laicato como DOM de Deus.
Ir.Maria Alves / Canela/RS

Napuliao comentou:

E de suma importância que nós leigos, tenhamos uma maior participação dentro da igreja. Não pode o clero querer fazer tudo.pra isso tem que haver diálogos e respeito

Antonio Batista comentou:

Essa iniciativa da igreja sobre ano do leigos e leigas nós fazer sentir uma família abençoada pela mãe igreja

Luciana Rodrigues da silveira Queiroz comentou:

Olá, Dom Severino clasen. Sou a Luciana dona de casa , casada e tenho filhos.Concordo plenamente com suas palavras pois ainda há um grande distanciamento entre povo e igreja, e isto nao é bom ja que somos todos batizados e filhos de Deus. Mas espero que aos poucos as pessoas vao se conscientizando que somos todos iguais e Deus quer o melhor para todos nos independente de quem somos. Obrigada pelas lindas palavras e que todos busquemos a ensinar sobre a vida de cristo nosso pai e salvador.amem

Maria Aparecida comentou:

Gostei muito das colocações. leigos e leigas somos todos nós batizados - cristãos, chamados a transformar o mundo para mais dignidade, mais paz, mais amor, entre as pessoas.

João Batista da Sila comentou:

Excelente explicação do Laicato, introduzindo os leigos e leigas nos encinamento da Igreja, para contribuírem na missão de evangelizar.

João Carlos de Souza Lepaus comentou:

Grato pelas orientações. Vou poder apresentar em minha paróquia.

Renilde de Fátima dos Santos Mendes comentou:

Na cidade que moro em Minas Gerais, ainda não está sendo muito comentado. Gostaria muito adquirir pelo menos 1 livrinho de reflexão sobre os leigos.Acho importantíssimo o reconhecimento da Igreja. quero participar dos estudos, dos seminários, será que aqui em Minas vai acontecer estes seminários. Muito bacana a matéria.

Márcia Oliveira comentou:

Excelente texto....Jesus e o bom pastor q nos conduz a sermos todos iguais mudando só os afazeres e unidos seremos mais

Roberta Rabelo comentou:

Muito obrigada por tão esclarecedora informação sobre o ano que estamos vivendo na igreja para melhorar o mundo, ajudando como leigos a fazer aqui também o Reino de Amor de Deus acontecer aqui.

Enio Patricio comentou:

Os leigos fazem acontecer. Faz as pastorais caminhar. Motiva envolve, não consigo ver a Igreja sem eles, pois a messe é grande mas os operários são poucos.

PE HEITOR SAPATTINI comentou:

Sinto-me feliz em abrir as portas da minha paróquia aos protagonistas batizados que estão engajados na luta pela evangelização do mundo cultural tão diversificado em que vivemos. Leigo não é tão correto quanto protagonista. Parabéns! Diante de um padeiro eu seria o leigo. Protagonista é o ideal!

Marta Maria da Silva Alves comentou:

Texto muito rico.Vale a pena refletirmos e juntos nos unirmos para levar a palavra de Deus sem medida e a quem precisar,seja para quem for!

Airton fazzoli comentou:

Isto é muito importante k chega ao conhecimento de todos esses documentos da igreja

João Evaristo comentou:

Os leigos precisam verdadeiramente assumir sua missão, assim como os consagrados e ordenados com zelo e coragem missionária. Somos o corpo místico de Cristo, não alcançaremos nossos objetivos se não estivermos juntos e sobretudo unidos.
Salve Maria!

RITA DE CÁSSIA BAGGIO comentou:

Achei a reportagem ótima, principalmente no que diz respeito a hierarquia, como disse Dom Severino, existe sim funções e responsabilidades diferenciadas, porém sem a colaboração entre leigos e religiosos, não conseguem desenvolver a missão evangelizadora que é a de levar Cristo a todas as criaturas.
Que neste período dedicado ao Ano do Laicato sejamos iluminados pelo Espírito Santo e com a intercessão da Mãe Aparecida possamos realmente levar Jesus Cristo aos corações de todo ser humano.

Veronica de Sousa Santos comentou:

Acho esse tema do ano sobre os leigos e leigas muito importante

Alessandra de Fátima Peixoto Nunes comentou:

É muito importante a participação de leigos na igreja para formar uma sociedade com mais justiça.

Dilson comentou:

Excelente matéria sobre o Laicato.

Elizabeth Pinto Almeida Costa comentou:

Também acredito, quando uma pessoa e batizada, incluída fica em nossa igreja , existe uma necessidade de ser incluída .

Eduardo Emidio comentou:

Essa é uma bela iniciativa ,a igreja abre espaço para todo aquele que se sentir tocado a ajudar com o seu sim e o seu trabalho. E ajudar nas pastorais.

Elizabeth Rodrigues comentou:

Que os leigos não precisam se clericalizar para assumir sua missão, que há uma missão fora da Igreja, já que a missão do leigo é desenvolver relações saudáveis na sociedade, na política, na economia, na cultura, na educação e na saúde para proteger a dignidade humana. Esse ano do laicato realmente vem com muita luz a cada batizado que quer ser testemunho do Cristo ressuscitado onde moram, vivem e trabalham.

Pedro comentou:

Deus seja louvado. Precisa que todos os leigos que se dedicam sejam mais valo risada. Este é um grande passo.

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.