Por Côn. José Geraldo Vidigal de Carvalho Em Artigos

A Devoção de Santa Rita à Virgem Maria

Santa Rita de Cássia

 

Todos os biógrafos de Santa Rita de Cássia são unânimes em exaltar a devoção desta santa prodigiosa à Paixão de Jesus e à Eucaristia.

De um modo geral falam que ela amava profundamente à Mãe de Jesus e muito a venerava.

Entretanto, enquanto o espinho da Coroa de Cristo em sua fronte é o atestado histórico patente de sua devoção ao Divino Crucificado e o fervor com que participava da Santa Missa é proclamado com detalhes, não se tem um fato concreto sobre a origem de seu grande amor a Nossa Senhora.

No que diz respeito a sua piedade eucarística há documentos que mostram como a impressionou um sermão de um frade agostiniano sobre os sofrimentos do Redentor numa Missa celebrada em Cássia. Foi depois desta prédica que ela, recolhida na sua cela, atraiu como uma flecha aquele espinho que tanto a martirizou.

Agora, porém, o historiador Omero Sabatini, numa preciosíssima monografia, abordando a Ermida da Virgem da Estrela, próxima a Roccaporena, vilarejo onde nasceu Santa Rita, apresenta um fato marcante na existência desta santa.

Esta capela antes denominada Ermida Agostiniana da Santa Cruz em Vallenoce, localizada ao longo da montanha em direção às pequenas casas de Roccaporena, já era na infância de Santa Rita um lugar de peregrinação.

Ao percorrer documentos históricos o aludido historiador se emocionou com o fato de que os moradores da pequenina aldeia de Roccaporena fazerem sua caminhada de fé até aquele lugar de rica e extraordinária experiência de Deus. Sabatini fala então dos caminhos de Rita baseado em documentos objetivamente confiáveis ante a crítica científica externa e interna dos mesmos. Os arquivos contêm informações da gente humilde que entre 1300 a 1400 ia à referida ermida, onde os religiosos agostinianos viviam a chamada de Deus dentro do espaço privilegiado da oração num cenário maravilhoso. Há então razões históricas para localizar e contemplar um pouco da vida cotidiana de Santa Rita. Esta, com efeito, levada pelos seus piedosíssimos pais Antônio Totti e Amada Mancini esteve várias vezes nestes sítios privilegiados, dado que era praticamente toda a população da pequena aldeia que se movimentava participando daquela caminhada de fé.

Pois bem, na Ermida, hoje denominada de Nossa Senhora da Estrela, se acha pintada a Virgem Maria com belíssima auréola, um manto azul, um vertido branco com mangas vermelhas e, o que é mais notável, amamentando o Menino Jesus que lhe acaricia ternamente o seio de Sua Mãe. Um dia uma mulher encantada com os ensinamentos de Jesus exclamaria no meio da multidão: “Ditosos os seios em que fostes amamentado” ( Lc 11,27). Sem dúvida, portanto, Santa Rita diante do referido ícone viu sedimentada sua devoção à Virgem Maria. Esta ermida foi para ela um lugar profético, onde, até hoje, os peregrinos se dirigem para acolher as inspirações de Deus através daquela que alimentou o próprio Filho de Deus. O rosto de Virgem na citada pintura inspira profundo amor a Jesus, nutre a esperança na vida eterna e leva a uma grande devoção a Maria.

Côn. José Geraldo Vidigal de Carvalho
Professor no Seminário de Mariana durante 40 anos.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Côn. José Geraldo Vidigal de Carvalho, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.