Por Pe. João Carlos de Almeida, SCJ - Pe. Joãozinho Em Artigos

Bendito é o fruto do vosso ventre

maria visita isabel

Nosso pensamento volta 2.000 anos no tempo. Quase podemos ver aquela pequena cidade de Ain-Karin, distante 15 km de Jerusalém e cerca de 100 Km de Nazaré. Nas encostas da montanha ficava a casa de um casal em festa:

Isabel e Zacarias que esperavam seu primeiro filho, João Batista. Isabel era prima de Maria e já tinha uma certa idade. Precisava de ajuda pois se aproximavam os dias em que teria que dar à luz. Maria num gesto bonito de solidariedade sai de Nazaré e faz a longa caminhada para servir Isabel. No ventre de Maria já estava o menino Jesus. Que cena bonita o encontro das duas primas. É o primeiro abraço de Jesus com seu precursor, João Batista. O menino estremece de alegria no ventre de Isabel e ela fica cheia do Espírito Santo e começa a rezar, louvar, dar glórias a Deus. Maria ouve sorridente, mas em silêncio. Entre tantas preces Isabel diz em alta voz: “Bendita é tu entre as mulheres e bendito é o fruto do vosso ventre!” A Igreja preservou a memória destas palavras na ave-maria. Todos os dias rezamos o mesmo louvor. Seria interessante voltar nosso pensamento para o abraço cheio de ternura com que a frase foi proclamada. Maria também nos visita com sua prece, sua intercessão. Precisamos estar cheios do Espírito Santo para rezar esta prece com sinceridade de coração.

Um pouco mais adiante Maria rompe o silêncio e faz sua prece em canção. O evangelista São Lucas tentou recompor este canto juntando uma série de trechos bíblicos que conhecemos como Magnificat (Lc 1, 46-55). Foi uma tarde de louvor. Em sua oração Maria profetiza: “Sim, doravante todas as gerações me chamarão de bendita!” Nós fazemos parte desta geração que chama Maria de bendito. Fazemos isso toda vez em que rezamos a ave-maria. É certo que alguns cristãos preferem se excluir desta geração profetizada por Maria. Desta maneira se excluem desta profecia bíblica. Excluem tudo aquilo que se refere a Maria. A isto chamamos de minimalismo mariano. É um erro que devemos evitar.

 

Mas é importante dizer também que a devoção mariana não é um fim em si mesma.

Mas é importante dizer também que a devoção mariana não é um fim em si mesma. A própria ave-maria não estaciona no louvor à Mãe de Deus.

Aponta um pouco mais adiante para Jesus! Maria é o sacrário onde habita o Senhor. Existem cristãos que estão de tal forma apegados a uma devoção mariana exagerada que chegam a colocar Maria no lugar do próprio Deus. A isto chamamos de maximalismo mariano. É um erro condenado pela Igreja Católica.

Quando recebemos o abraço de Maria sempre ficamos cheios do Espírito Santo e sentimos a presença de Jesus. Isabel é um bom exemplo de como deve ser a correta devoção mariana: simples, sábia, serena, saudável!!

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. João Carlos de Almeida, SCJ - Pe. Joãozinho, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.