Por Pe. Mauro Negro, OSJ Em Artigos

Pentecostes: vida no Espírito

pentecostes_3

“Se me amais, observareis os meus mandamentos,

e rogarei ao Pai e Ele vos dará outro Paráclito…” (João 14,15–16)

 Depois de seis Domingos celebrando a Páscoa, com as muitas manifestações de Jesus Ressuscitado e com seus ensinamentos, o sétimo Domingo do Tempo Pascal celebra a Ascensão do Senhor. Precisamos ir além da ideia que temos de Jesus “subindo”, como nos conta Atos dos Apóstolos. O sentido da Ascensão é o de Jesus, que até aquele momento caminhava com seus discípulos, a partir da ascensão estará presente no mundo de outras formas.

Jesus está presente, agora, de modo sacramental. É por meio de sinais, de palavras, de objetos e sobretudo de pessoas que Ele se manifesta. Os sete sacramentos são manifestações de sua presença. Mas outros sinais também são “sacramentos”, “sinais sagrados”. A Bíblia é sinal sagrado da presença de Jesus; todo altar, em cada Igreja ou Capela, é sinal sagrado; as pessoas reunidas para celebrar sua fé também são, cada uma delas e o todo, um sinal sagrado. É assim que Jesus continua presente, não de modo visível, mas de modo intenso nos vários sinais que o demonstram.

Para entender isso não é suficiente pensar e concluir. É necessária a ajuda do alto, além da natureza humana. É o Espirito Santo, que Jesus anuncia e que se faz presente em todo fiel, sempre. Em João 14,15–16 ouve-se Jesus anunciar o “Paráclito”, palavra que significa, entre tantas possibilidades, “defensor”, uma espécie de acompanhante que inspira segurança em quem é acompanhado.

A imagem do Espírito Santo é muito associada ao vento, ao sopro. De fato, a palavra usada para “espirito” e “vento”, em hebraico, é “ruah”; em grego é “pneumá”. Ambas as palavras significam “ar”, “vento”, “sopro”. Então, quando Jesus, aparecendo aos discípulos em João 20,19–23, sopra sobre eles e lhes diz “Recebi o Espírito Santo…”, Ele está se referindo ao “sopro” de Deus, ao “vento” ou “ar” que vem de Deus. É ele que dá sentido ao que acontece, que anima, que impulsiona, que faz superar as dificuldades.

pentecostes

Maria, Mãe amada de Jesus e Nossa Senhora,
trouxe consigo o Espírito Santo.

Por isso é que no oitavo Domingo da Páscoa nós celebramos o Espírito Santo, o Paráclito, o sopro de Deus. É o Domingo de Pentecostes. É o início do tempo da Igreja. Os discípulos de Jesus agora deverão ser missionários: discípulos-missionários, como disse a Conferência de Aparecida. O testemunho de Jesus, pela ação do Espírito Santo, desdobra-se em ação concreta, eficaz, presente e atuante na História.

Maria, Mãe amada de Jesus e Nossa Senhora, trouxe consigo o Espírito Santo. Nela o Espírito soprou de um modo único. Fecundando Maria o Espírito Santo determinou que a Salvação está contida na aceitação do Mistério que se revela em Jesus Cristo. José, Pai de Jesus, precisou fazer a mesma aceitação. Ambos permitiram que a Salvação acontecesse. Também nós, fiéis do século XXI, devemos abrir nossa inteligência e afeto para a ação do Paráclito.

Que Maria nos inspire nesta abertura afetuosa e inteligente.

Pe. Mauro Negro, OSJ
Professor da PUC São Paulo
Associado da Academia Marial

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Mauro Negro, OSJ, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.