Por Pe. Valdivino Guimarães, CSsR Em Artigos Atualizada em 14 AGO 2018 - 11H17

SÃO MAXIMILIANO MARIA KOLBE - O santo da Milícia

São Maximiliano Maria Kolbe

São Maximiliano Maria Kolbe


A Milícia da Imaculada, tão querida por S. Maximiliano Kolbe, anuncia e nos convida para o ano kolbiano, anos em que somos convidados a pensar sobre esse grande santo mariano que jamais teve medo de se doar, e em sua vida o amor sempre foi a resposta.

“Num mundo de ódio, este homem, conquistou a maior e mais difícil de todas as vitórias: a vitória do amor que perdoa.” São João Paulo II

Nascido a 8 de janeiro de 1894, às portas de iniciar o século XX, século de desafios, de guerras mundiais e desafios tantos...

Sentiu o chamado de Deus para a vida religiosa. Entrou para o seminário, e estudou teologia em Roma, onde com mais alguns companheiros fundou o movimento Milícia da Imaculada para trabalhar pela evangelização no mundo, através de todos os meios possíveis, à luz da Imaculada. O carisma de sua labuta evangelizadora foi marcado pelo amor infinito a Maria e pela imprensa escrita e falada. Seu objetivo primeiro foi conquistar o mundo inteiro para Cristo por meio de Maria Imaculada.

Durante toda sua vida, Kolbe tinha fama de santo. Sua vida foi ceifada na flor da idade, quando ao 14 de agosto de 1941, com apenas 47 anos, celebrou sua passagem para a eternidade ao se oferecer para morrer no lugar de um pai de família, com esse gesto, quis mostrar ao mundo um exemplo a ser mais imitado que admirado. Um dos aspectos de sua vida, talvez o maior deles, foi o seu amor inimitável por Maria, para com a Virgem Imaculada, esse amor era como o de uma criança, cheio de entrega total e sobretudo verdadeiro. Via Maria como o último limite entre Deus e a criatura e o espelho fiel da perfeição e santidade. Glorificava com veemência a Virgem, e admitia que não era capaz de explicar às pessoas tudo sobre a Mãe de Deus.

Kolbe em toda sua vida quis e lutou contra a indiferença religiosa e com a palavra “Militia” (Milícia), quis tão somente fazer com que os cristãos saíssem de sua indolência. Dizia ele:

“Nós não podemos ficar como espectadores inativos, quando a Igreja de Deus está exposta aos ataques maciços de seus adversários. Não basta só lamentarmos e derramarmos lágrimas.” São Maximiliano Kolbe

e é um convite que se estende por todo o sempre, para que cada cristão católico saia da inércia que o aprisiona provocando uma certa falta de sentido de pertença tão grande que muitas vezes, se diz seguidor de Cristo, mas que, traz somente a etiqueta do ser cristão, ao passo que a atitude fica a desejar.

Sobre este santo, até nos perdemos entre tantas de suas qualidades e exemplos a serem seguidos; um santo, um sinal dos tempos, um símbolo que escancara e mostra a todos o que a humanidade tem de melhor, uma luz para a humanidade em prol de valores, uma herança aos de bom coração e boa vontade, lição envolvente aos crentes e não crentes, grande apóstolo, um profundo místico, autêntico teólogo, sobretudo um grito não sufocado que aspirava as maravilhas evangélicas e as glórias de Maria.

Era muito mais que o número 16670, tinha uma essência, tinha uma identidade, e esta era tão somente de um santo que exalava amor ao próximo.

Que este santo, que trazia Maria em seu nome e em seu coração, nos ensine a lição da entrega aos irmãos e ao Reino de Deus!

São Maximiliano Maria Kolbe, rogai por nós!

 Pe. Valdivino Guimarães, CSsR
Diretor da Academia Marial 

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Valdivino Guimarães, CSsR, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.