Por Academia Marial Em Catequese Atualizada em 02 OUT 2017 - 10H17

19 de março: Solenidade de São José

SOLENIDADE DE SÃO JOSÉ“Proclamem os povos sua sabedoria…” (Eclo 44,13) 

A Bíblia nos faz conhecer diversos homens e mulheres que acolheram a Palavra e a Graça divinas com uma sincera e comprometida fé, esperança e caridade. São uma “nuvem de testemunhas” (Hb 12,1) que nos rodeiam, cujo brilho não é próprio, mas divino; no Céu apresentam a Deus as nossas orações (cf. Ap 5,8); aqui na terra, tornam-se referências para o povo a caminho: “sejais imitadores daqueles que pela fé e paciência se tornam herdeiros das promessas” (Hb 6,12; cf. 1Cor 11,1).

Dentre eles, destaca-se a figura de São José, pai nutrício de Jesus, cuja solenidade (19 de março) coincide com o início do Pontificado do Papa Francisco (19/3/13). É padroeiro de inúmeras igrejas e dioceses, cidades (a capital da Costa Rica…), estados (Ceará, Amapá) e países (Canadá, Peru…) etc.; invocado como padroeiro da boa morte (Catecismo, n. 1014); depois de Jesus e Maria, o maior santo que já viveu entre nós; por isso S. Efrém (+373) tinha razão: “Ninguém pode exaltar dignamente a s. José” (Op. Syriaca 3,600). Seu maior milagre em vida? “…o seu abandono e conformidade à Vontade de Deus” (Mons. Ascânio Brandão, O Breviário da Confiança, Ed. Cléofas, 2013, p. 82).

Possivelmente oriundo de Belém, a cidade de Davi, pouco se sabe sobre a sua vida. Contudo, aquilo que a Bíblia nos transmite é mais do que suficiente para demonstrar sua grandeza. Foi escolhido por Deus Pai para a sublime missão de pai terreno de Jesus Cristo, Filho de Deus encarnado: “Maria dará à luz um filho, a quem tu [José] porás o nome de Jesus (Mt 1,21). Acolheu o projeto divino com confiança e perseverança, mesmo diante do absurdo e perigo (Mt 1,24s). Protegeu o Menino Jesus das garras de Herodes (Mt 2,14s). Foi decisiva a sua presença paterna para o crescimento humano de Jesus em Nazaré (Lc 2,51a), de modo que recomenda em 1888 o convertido Edward Healy Thompson: “Abrace o homem que ensinou a Jesus a Torá[Escrituras] pela primeira vez, o homem que Jesus chamou de pai” (A vida e glórias de São José).

São José era “carpinteiro” (“artesão”, “pedreiro”: tékton, fáber – Mt 13,55). Talvez tenha trabalhado em construções, como as que ocorriam na próspera Séforis, a 6km de Nazaré. Por volta de 155 d.C., S. Justino Mártir escreve que Jesus e seu pai faziam “arados e jugos para bois” (Diál. 88; cf. Gerd Theissen, O Jesus histórico, c. 7,3.3). Antes da vida pública de Cristo (anos 27-30 d.C.) José faleceu. Há textos apócrifos que afirmam que isso se deu entre os anos 18/19 d.C. (cf. História de José o Carpinteiro, séc. IV/V). Parece que já no séc. IV havia uma festa em sua honra no Oriente. Do século XII em diante, sua presença se destacou com força na piedade, teologia e liturgia, graças aos ilustres S. Bernardo, Tomás de Aquino, Bernardino de Sena, Gertrudes, Brígida, Teresa d’Ávila etc. É o Espírito conduzindo os fiéis à plena verdade (Jo 16,13)!

Aos 8/12/1870, S. José foi declarado Patrono da Igreja Católica pelo beato Papa Pio IX. O Papa Leão XIII publicou uma histórica encíclica sobre o valor da devoção a S. José em 1889, concluindo com a oração “A vós, S. José, recorremos”. S. Pio X aprovou sua ladainha em 1909. Em 1955 foi declarado patrono dos trabalhadores por Pio XII. Naquela década floresceu a josefologia, estudo teológico específico sobre o santo (James J. Davis…), que culminaria com o 1º congresso internacional (1970). Em 1961 o Papa João XXIII fez dele “Padroeiro do Concílio Vaticano II”. Um dos mais importantes documentos eclesiais sobre S. José é aExortação apostólica O guarda do Redentor, de 1989. Nele o Santo Papa João Paulo II sublinha que Maria e José estão unidos numa fé heroica por acreditarem na Anunciação divina (n. 4), e que S. José “cooperou… com o grande mistério da Redenção” mediante o “exercício de sua paternidade” (n. 8). ODiretório sobre piedade popular  e liturgia (2002) observou que o costume de se honrar S. José às quartas-feiras remonta ao séc. XVII (n. 222). Recentemente (2013) o Papa Francisco mandou incluir o seu nome nas Orações Eucarísticas.

S. José, sois um homem “justo” (Mt 1,19: iustus) em sua relação com Deus, com as pessoas, com a natureza; “justo na lei, nas palavras, nos atos” (Orígenes). Ensinai-nos a ser pessoas corretas, verdadeiras, confiáveis! Em nossas necessidades, espirituais e materiais, valei-nos, São José! 

Joinvile, 12.01.2015 – Pe. Jonas Eduardo G. C. Silva

jonaseduardo2002@yahoo.com.br

Membro da Academia Marial

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Academia Marial, em Catequese

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.