Por Pe. Antonio Clayton Sant’Anna, C.Ss.R. Em Grão de Trigo Atualizada em 26 MAR 2019 - 12H55

Bem-aventuranças: utopias ou certezas de felicidade?

Páscoa

O domingo cristão é a celebração semanal da páscoa de Cristo. Renovamos a aliança com Cristo e com a Igreja. No domingo somos convidados insubstituíveis da mesa de Jesus, que reúne a sua comunidade dele. A comunidade é o mistério de sua presença entre nós. É a Igreja viva, constituída pelos batizados fiéis, coerentes com o projeto de vida cristão. Esta mesa da Eucaristia nos reúne, nos educa na Lei do Senhor, refaz nossa unidade e sacia a fome de justiça. Ao longo da semana as leis da sociedade nos envolvem e condicionam a convivência social e profissional. Mesmo se legítimas, as leis são um peso, uma carga diminuindo até a alegria de viver.

 

luz

Já a Lei do Senhor só nos traz alegria, ânimo,
consolo e renova as esperanças, porque ela é
verdadeira fonte de felicidade.

Os meios de comunicação afagam nossas inclinações e atiçam a expectativa de felicidade, sugerindo-nos consumos e prazeres ligados a coisas, pessoas ou eventos. Temos a impressão que os ricos, os poderosos, os famosos é que fazem acontecer na cultura o progresso, as melhores chances de viver, o bem estar social com o dinheiro, o poder, a influência nas leis e na política. Seu dinheiro, poder e influência parecem coloca-los acima de tudo e de todos. Pensam bastar-se a si mesmos nas conveniências, interesses e projetos. É uma “propaganda enganosa”! Eles trabalham só para si e não para a comunidade. Facilmente seduzidos com a lógica do orgulho, da arrogância e da injustiça descartam de sua roda os humildes assalariados. Já a Lei do Senhor só nos traz alegria, ânimo, consolo e renova as esperanças, porque ela é verdadeira fonte de felicidade. Ela, a lei de Deus, conhecida na palavra de Jesus, nos faz felizes, bem-aventurados e nos oferece relacionamentos alternativos aos da sociedade consumista e da cultura enganosa dos prazeres. 

No Evangelho Jesus não faz propaganda , ao contrário, encontramos aí outra lógica bem desconcertante. Jesus nos propõe felicidades alternativas nas chamadas “bem-aventuranças”. Elas são comportamentos ou atitudes fundamentais que parecem apregoar uma “felicidade às avessas”, mas caracterizam o verdadeiro cristão e estabelecem na terra o reinado de Deus. Elas são meios pelos quais a Lei do Senhor vem de encontro ao desejo profundo que nos move a buscar a felicidade. Leia: Mateus 5, 1-12, o Sermão da Montanha.

 

Bem-aventurança, na Bíblia, é palavra que corresponde à declaração de bênção dada em vista de uma virtude vivida ou como sinal da “boa sorte”. 

Bem-aventurança, na Bíblia, é palavra que corresponde à declaração de bênção dada em vista de uma virtude vivida ou como sinal da “boa sorte”. No Novo Testamento as bem-aventuranças resultam da fé que nos leva a participar do Reino de Deus. Elas não desprezam nenhum serviço, profissão ou estado de vida legítimo para organizar e usufruir os bens terrenos e da cidadania. Mas, indicam caminhos de felicidade exatamente nas situações sofridas, vividas em geral pelos simples, os humilhados, os desprovidos de influência e recursos. Eles sim serão os verdadeiros construtores do mundo novo, justo, fraterno, humano. Eles sabem “caminhar na estrada de Jesus” e evitam os falsos valores. Preservam-se da ambição, prepotência, orgulho e presunções de poder. Vamos entender bem: as carências humanas e as limitações pessoais não são coisas boas. Não é boa a pobreza como tal. Não é bom em si o sofrimento, a dor, a perseguição. E ao dizer que os pobres de espírito são felizes, Jesus nos previne contra as ilusões do consumo, do prazer e do sucesso. Mas, ele aponta um valor, uma força diferente capaz de mudar a pessoa humana por dentro e a fazer-se livre junto com os outros. Ciência, tecnologia e recursos materiais são benvindos, mas não tem como garantir a plenitude da felicidade. Logo, na alternativa das bem-aventuranças Jesus nos indica o projeto de Deus como realização plena do verdadeiro ser e agir humanos.

 

A mensagem das bem-aventuranças em vez de apelo à resignação é impulso na luta comum contra os esquemas injustos dominadores. 

A mensagem das bem-aventuranças em vez de apelo à resignação é impulso na luta comum contra os esquemas injustos dominadores. Assumidas e vividas corajosamente, elas são críticas, isto é, “põem em crise”: primeiro o indivíduo que precisa esvaziar-se de si mesmo, tornar-se pobre aos olhos de Deus, confiar sempre nele, despojar-se e desapegar-se das seguranças materiais. Ao mesmo tempo, contradizer a sociedade. O estilo de vida de Jesus irá confrontar-se com cultura moderna dividida falsamente em progressista e conservadora. Questionará os princípios de poder, de ter e de gozar. As bem-aventuranças incomodam. Quem as pratica não é aceito. Pode ser odiado e perseguido, como Jesus o foi. Na sua instituição profética a Igreja é incompreendida e criticada quando defende o direito à vida do nascituro, quando se faz porta-voz dos humildes, quando vê as decisões dos altos tribunais como ofensivas à ética, à realidade natural da diferenciação sexual , à proteção da vida etc.

 

Jesus e os podres

Jesus é corajoso ao considerar felizes os pobres,
os marginalizados, os perseguidos.

Jesus é corajoso ao considerar felizes os pobres, os marginalizados, os perseguidos. E por quê? Porque Deus que é amor ama em primeiro lugar os filhos “desamados”, esquecidos, excluídos. Deus oferece seu Reino primeiro aos pobres porque solidário com eles e sua situação. Não aprova as injustiças sofridas. Consciente de ser amado por Deus, esse pobre tem facilidade em ser manso; sabe provocar a fome e a sede de justiça na sociedade; pratica a misericórdia; seu coração se preserva melhor contra a malícia a imoralidade e promove a paz. Por isso, é com essa gente desprezada e considerada sem sorte, que Deus conta para formar um novo povo que almeja chegar à “vida boa verdadeira” onde não conta para nada a soberba, a vanglória, a presunção de importância e poder! O sistema político-econômico dominante tem uma lógica férrea e desumana: acumula cada vez mais bens e dinheiro nas mãos dos que já os tem. E já os desfruta à custa do trabalho penoso dos humildes. As bem-aventuranças não são palavras românticas, sonhadoras, utópicas, irrealizáveis. Nem são proferidas para consolar os pobres e humildes, advertindo os ricos...

É inevitável nos perguntar: a fé que julgamos ter e viver produz atos concretos, hábitos, juízos e comportamentos enraizados nas bem-aventuranças? Estamos convictos que não somos nem seremos felizes sem vivê-las? Que Nossa Senhora, a que é chamada “bem-aventurada por todas as gerações porque acreditou”, nos abençoe e sustente em nós o desejo de ser realmente felizes.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Antonio Clayton Sant’Anna, C.Ss.R., em Grão de Trigo

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.