Por Pe. Antonio Clayton Sant’Anna, C.Ss.R. Em Grão de Trigo Atualizada em 25 MAR 2019 - 17H25

O Reino de Deus! Discernir o que é; seus valores, e onde achá-lo?

natureza_shutterstock

 Mateus 13, 44-52   17º Domingo do Tempo Comum 

O clima do domingo cristão possibilita um olhar crítico sobre confrontar os valores do mundo com os do Evangelho, uns e outros vividos por nós na semana. Discernir se levamos a sério a meta final da vida! Se não ligarmos com solicitude e firmeza as atividades e afazeres terrenos com a vida eterna no céu, tudo é inútil e sem sentido! Sem dúvida há bens legítimos que experimentamos só aqui de passagem. Mas não esgotam a sede de felicidade do coração humano! Há tarefas urgentes, fatigantes a fazer em favor de uma sociedade justa para todos! Mas, só vale a pena lutar pela justiça na convivência com os homens enquanto esse empenho for reflexo do projeto de Deus a nosso respeito. For uma porta aberta no caminho do seu Reino! No Pai Nosso Jesus nos ensinou a cuidar do pão de cada dia sem esquecer, porém, de pedir primeiro ao Pai: ‘Venha a nós o vosso Reino!’

tesouro_coracaoSe vivido num horizonte cristão, o domingo devolve a cada um de nós os valores verdadeiros que coroam os trabalhos e sofrimentos e nos fazem experimentar as maiores alegrias. Sem a vivência espiritual desse dia empobrecemos tudo o que foi feito de bom durante a semana! Durante ela talvez não conseguimos ser bons no convívio com os outros. Talvez até nos desculpamos de nossas falhas alegando a pressão das injustiças que dominam o cenário social! Mas, só não respiramos o ar puro da liberdade espiritual dominical, se não quisermos. Se não buscarmos o “tesouro escondido”, a “pérola preciosa” do Reino de Deus, da sua graça, na oração; na escuta da Palavra; na Eucaristia. Neste domingo, Jesus nos ensina a discernir os caminhos opções que nos levam ao Reino de Deus. O discernimento é um julgamento de valor que fundamenta a opção. No caso do Reino de Deus, a opção deve ser radical. Ele é o absoluto da vida. Leia: Mateus 13,44-52.

Para explicar as realidades misteriosas do agir de Deus Jesus utilizava parábolas, ou comparações. As parábolas são um recurso literário, um modo de transmitir algum ensinamento difícil. Foi muito usado no 1.º século da Igreja, com finalidade catequética. O capítulo 13 de São Mateus tem 7 parábolas que compõem o chamado discurso sobre o mistério do Reino de Deus. O que é o “reino de Deus” do qual Jesus tanto fala? Reino para nós lembra glória, poder, dominação e força. No evangelho não é isso. Tem uma conotação religiosa. Diz respeito ao projeto de salvação querido por Deus para a vida e história humana. Significa que Deus está agindo, não espera o homem se comprometer com Ele para mudar e transformar a sociedade. Mas, esta ação de Deus é misteriosa, é escondida, é humilde. Aqui e ali, ela irrompe de uma vez só, com força irresistível, seja nos acontecimentos, e principalmente em nosso coração. O tesouro, a pérola do seu Reino oferece ao nosso interesse.

felicidade

 

O Reino de Deus merece todo sacrifício: ele nos traz a máxima alegria!

São Mateus narra 3 pequenas parábolas: a do tesouro achado por acaso; a da pérola preciosa encontrada após muito empenho e a da rede de arrastão trazendo os peixes para a praia. As 3 comparações enfocam algum aspecto da descoberta do Reino de Deus presente por aí, na vida e na história. Quem o descobre torna-se consciente de que se trata da primazia absoluta do viver. Percebe que vale a pena trocar tudo por ele. O Reino de Deus merece todo sacrifício: ele nos traz a máxima alegria!

Na parábola do tesouro escondido e achado por acaso, a comparação que revela um ensino sobre o Reino de Deus, não se refere ao valor do tesouro. Mas ao estado de ânimo de quem o encontrou. A mesma coisa ensina a parábola da pérola preciosíssima. Não é o valor econômico que conta. É o significado da descoberta que produz um bem tão grande quanto ao sentido da vida, a ponto de não se querer saber de outra coisa. E na parábola da rede de arrastão, recolhida pelos pescadores que separam os peixes bons dos maus, o enfoque é escatológico, quer dizer, refere-se ao momento decisivo da História, O momento decisivo do Reino confirma-se na sua posse. Deus fará a separação dos que pertencem e dos que não pertencem ao seu Reino. Escatologia é o conhecimento do sentido final da vida humana. Ela se dirige para uma meta final. A História vai acabar, mas o reinado de Deus não. Ele continua para sempre. E estarão com ele para sempre os que foram selecionados! Escolhidos e guardados com Ele. O critério da escolha é a justiça de Deus. É a bondade com que a pessoa viveu, correspondeu e se submeteu à justiça de Deus. Ela é que justifica, faz boa e aprovada a vida de cada um! Não são as leis da sociedade! Nem os seus costumes! Não é a justiça estabelecida pelos homens em seus códigos e regras de conduta.

 

Buscar o Reino de Deus é então ter uma visão humanizadora do homem à luz da fé cristã, à luz do Evangelho.

Buscar o Reino de Deus é então ter uma visão humanizadora do homem à luz da fé cristã, à luz do Evangelho. Trata-se de um “projeto”, um plano global a respeito da vida e do seu sentido. Projeto ou plano que não desconsidera nenhum interesse legítimo, nenhuma aspiração sadia, boa, humanizante ainda que de ordem material. Aliás, o Reino de Deus é justamente isso: o homem conhece e experimenta Deus e desde então procura abrir espaço para ele e deixa sua lei governar tudo! Dá primazia absoluta ao que Deus pensou e quis ao fazer o ser humano como pessoa à sua imagem e semelhança. Em tudo o que fazemos e buscamos na terra temos que imprimir a nossa semelhança com Deus. Por isso, Jesus nos ensinou a rezar “Venha a nós o vosso Reino”! Este é o começo da religião unida à via.

 Vivido de modo cristão o domingo nos leva a descobrir os “tesouros de Deus”. Aproveitemos a chance e vivamos bem cada domingo do Ano Mariano comemorativo dos 300 anos do achado da imagem da Mãe Aparecida. Que o exemplo fidelíssimo de Maria nos inspire e ajude a fazer em tudo a vontade soberana de Deus. “Eis a serva do Senhor, faça-se em mim a sua Palavra”.                                                                                                                                                                                                                                 

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Antonio Clayton Sant’Anna, C.Ss.R., em Grão de Trigo

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.