Por Pe. Antonio Clayton Sant’Anna, C.Ss.R. Em Grão de Trigo Atualizada em 26 MAR 2019 - 12H46

Que Deus nos dê sua graça e sua bênção!

virgem_da_ternura_t2

Homilia - SANTA MÃE DE DEUS - Lc 2,16-21

 

"Quando se completou o tempo previsto, Deus enviou seu Filho nascido de uma mulher..."

A oitava do nascimento de Jesus inicia o 1º dia do ano novo. Meditamos a participação de Maria no mistério da Encarnação. Na pessoa da humilde donzela de Nazaré, descobrimos a passagem de Deus para o nosso tempo e história. A novidade inaudita aconteceu e alicerçou a esperança dos homens e das mulheres em todos os tempos. O seio da Virgem acolheu a vida divina e trouxe-nos o maior dom, a maior graça: a Bênção de Deus para todos nós: Jesus! Ele é a bênção! Presente divino aos cuidados da agraciada a mãe do Verbo. São Paulo resumiu numa frase o que Maria significa no mistério de Jesus: “Quando se completou o tempo previsto, Deus enviou seu Filho nascido de uma mulher, nascido sujeito à Lei, a fim de resgatar os que eram sujeitos à Lei para que todos recebêssemos a filiação adotiva. (Gl.4, 4-5).

No rosto humano de Jesus resplandeceu sobre nós a face de Deus, “a face de Deus brilha sobre o seu povo”, seu “rosto está presente e comunica a paz”: conforme as palavras da 1a leitura da missa de hoje. “Fazer resplandecer o rosto” significa na linguagem bíblica manifestar benevolência, bem-querer infinito! Jesus é a nossa paz! A paz bíblica é a posse de todos os bens que podemos desejar, alcançar e partilhar uns com os outros. Em Jesus se manifesta a solidariedade do próprio Deus com a ente mais humilde. Seu nome significa exatamente isso: Javé está nos salvando! Deus é o salvador! Ao receber o nome, o menino ‘filho de Maria’ e Filho de Deus entrou na história humana, assumiu a cultura e os valores de um povo e realizou os anseios de todos os homens. Todos esses aspectos bíblico-históricos da visão cristã sobre o homem e o mundo, são celebrados no 1º dia do ano, dia mundial da Paz e da fraternidade humana. Os calendários dos povos começam o ano com alegria, festejos, comemorações, votos efusivos e alvissareiros, e partilham o desejo de um futuro bom.

A chegada de mais um ano abre a cortina de esperança sobre todos os projetos. A cultura da passagem é festiva e ao mesmo tempo alienante. A euforia inicial, não dura nem nos dias seguintes. Uns acalentam esperanças, outros descreem delas e aproveitam só os prazeres celebrativos. Mas, os augúrios festivos no ano novo, no show da virada, no réveillon, apesar de toda animação e comemorações de praxe, não dão o passaporte para um ano melhor, não garantem o futuro bom, nem a certeza do progresso. Não eliminam num passe de mágica a corrupção política, a ambição no exercício dos cargos públicos e nos poderes republicanos. Não geram mais saúde, mais justiça, mais bem estar para a cidadania. Só desejar sucesso, coisas boas, trocar votos de felicidade nada promete nem realiza. O que vai nos acontecer nesse ano? É sempre: “a pulga atrás da orelha... As guerras continuarão aqui e ali no mundo? Atos terroristas ceifarão vidas inocentes? E entre nós, a economia do País vai se recuperar? A herança maldita do desemprego continuará atormentando? A Lava Jato de fato vai afastar e punir os que nos legaram um País sofrido? Além dos bons propósitos o discípulo de Jesus lança à frente o olhar da fé! Sabe que deMaria mãe de Deus grávidasejar sucesso e coisas boas, trocar votos de felicidade por si nada realizam sem a confiança total em Deus.

Entreguemo-nos, pois, confiantes ao Pai do Céu, através da fé em Jesus Cristo e sob o olhar materno de Maria. Ela é a pessoa invocada no 1º dia de cada ano, na liturgia cristã. Filha predileta do Pai, Maria é a mãe e a primeira discípula de Jesus, é a glória e honra da Igreja peregrina, “povo de Deus”. Pedimos a sua companhia ao iniciar a caminhada de mais um ano: queremos seu amparo e proteção em todos os dias à frente. O futuro, mesmo se previsível, é sempre horizonte desconhecido e indevassável.

 Imitemos Maria caminhando com Deus! Quais foram suas atitudes, como agiu face à gravidez e ao nascimento de Jesus em Belém? Ela continuou sendo a mesma donzela frágil, humilde, desprovida de recursos materiais e de posição social. Não foi e nem quis ser endeusada, admirada e louvada. Simplesmente continuou sua vida normal, ignorada pelo grande público. Tudo se passava aos olhos do povo dentro da normalidade das situações. Mas, o evangelista Lucas fala sobre a reação interior da Virgem-Mãe, na fé e entrega confiante ao Deus da vida: “Maria guardava e meditava todos os fatos em seu coração” (2,19). Não adoraremos Jesus o Verbo feito carne, sem reverenciar ao mesmo tempo o papel de Nossa Senhora nesse mistério. Ela, a mulher de fé exemplar, nos ajudará sempre que a invocarmos ao longo desse ano. Em todas as situações sejamos parceiros do Senhor. Seus aliados nos projetos e na peregrinação.         

 

“Quando se completou o tempo previsto, Deus enviou seu Filho nascido de uma mulher
Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Antonio Clayton Sant’Anna, C.Ss.R., em Grão de Trigo

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.