Por Maria Salete Somensi Em Palavra do Associado Atualizada em 20 SET 2018 - 16H25

“As lágrimas de Maria derramadas ao pé da cruz transformaram-se num sorriso que nada mais apagará.”

N S Sorriso

“AS LÁGRIMAS DE MARIA DERRAMADAS AO PÉ DA CRUZ TRANSFORMARAM-SE NUM SORRISO QUE NADA MAIS APAGARÁ.”. 
(Santa Missa com os Doentes – Homilia do Papa Bento XVI.
Lourdes- França- 15 de Setembro de 2008).

Reflexão feita a partir desta homilia do Papa Bento XVI e do livro História de uma alma de Santa Teresinha 

Quando olhamos a uma imagem da Santíssima Virgem Maria buscamos no seu olhar algo que identifique nosso momento, hora estamos sofrendo, hora estamos sorrindo. Vivemos altos e baixos em nossas vidas, de repente encontramos um cruzamento, onde haverá a necessidade de opção. Nem sempre escolhemos o rumo certo. E é muitas vezes nestes momentos que buscamos auxilio de algo ou de alguém.

 Diante de uma dificuldade, de um problema ficamos paralisados, sem ação. Aqui nos perguntamos como Maria estaria ao pé da cruz de seu Filho Jesus, fisicamente e espiritualmente? Sorrindo ou chorando? Seria ilógico dizermos que estava sorrindo. Segundo as Sagradas Escrituras o máximo que temos é o silencio de Maria. Ouvindo Jesus confiando-a ao seu discípulo amado e pedindo-a que o adotasse como filho. Tocando naquele corpo sem vida, sentindo uma espada transpassando a alma. Maria, a Mãe, a Mulher, estava de pé junto à cruz de Jesus. Seu corpo estremecia de dor querendo amenizar tanto sofrimento. Seu coração acelerava buscando uma explicação. Estava mergulhada na dor sim, mais na fé entendeu o seu “sim”. O Faça-se a Vossa Vontade.

Maria vive hoje na alegria e glória da Ressurreição. As lágrimas derramadas ao pé da cruz transformaram-se num sorriso que nada mais apagará. Sorriso esse que sempre vem em nosso socorro, não só nos dias atuais, mais ao longo de toda a história da humanidade. A oração “Memorare” (Lembrai-Vos) exprime muito bem este sentimento. Maria ama cada um de seus filhos, concentrando a sua atenção de modo particular naqueles que, como o Filho d’Ela na hora da Paixão, se acham mergulhados no sofrimento e na dor; ama-os porque são seus filhos entregues a ela por Jesus na hora de sua crucificação.

Este sorriso de Maria é para todos: no entanto, dirige-se de modo especial para os que sofrem, a fim de que nele possam encontrar conforto e alívio. Procurar o sorriso de Maria não é uma questão de sentimentalismo careta e antiquado; antes, é a justa expressão da relação viva e profundamente humana que nos liga Àquela que Cristo nos deu por Mãe.

Desejar contemplar o sorriso da Virgem Maria é assemelhar-se a ela quando cantou o Magnificat, (Lc 1,46) “A minha alma glorifica ao Senhor e o meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador”. Em Lourdes, durante a aparição de 3 de Março de 1858, Bernadete contemplou de maneira muito especial este sorriso de Maria. Foi esta a primeira resposta dada pela Bela Senhora à jovem vidente, que queria saber a sua identidade. Antes de apresentar-se há Bernadete alguns dias mais tarde como “a Imaculada Conceição”, Maria fez-lhe conhecer antes de tudo o seu sorriso, como se tal fosse à porta mais apropriada para a revelação do seu mistério.

Ao seguir este gesto de Maria, o seu doce sorriso, olhando para sua imagem, porque não deveríamos sempre buscar sua intercessão poderosa diante de Jesus? Quando a palavra já não consegue alcançar expressões de conforto e solidariedade diante de muitas injustiças, dores e sofrimentos? 

Todos nós que sofremos, lutamos e muitas vezes sentimos tentadas a virar as costas à vida: Voltemos para Maria! No sorriso da Virgem, encontra-se misteriosamente escondida a força para continuarmos o combate contra as doenças, contra as opressões, mentiras, invejas, por alguma provação e a favor da vida. Força nossa, Mãe Nossa, venha em nosso socorro. Também é junto d’Ela, que se encontra igualmente a graça para aceitarmos, sem medo nem mágoa, a despedida deste mundo na hora nossa, ou dos nossos entes amados, querida por Deus.

Devemos procurar este olhar e fazer “Trocas de olhar com a Virgem Maria”! (Padre Jean-Baptiste Chautard, na obra A alma de todo o apostolado). Muitas vezes perdemos oportunidades de trocar olhares com a Mãe. Procurar este sorriso significa em primeiro lugar perceber a gratuidade do amor; significa também saber suscitar este sorriso com o nosso empenho em viver segundo a Palavra do seu Filho, tal como a criança procura suscitar o sorriso da mãe fazendo aquilo que é do agrado dela. E nós sabemos o que agrada a Maria pelas palavras que Ela mesma dirigiu aos serventes em Caná: “Fazei o que Ele vos disser” (Jo 2, 5).

nossa_senhora_do_sorriso_1

Nossa Senhora do Sorriso

É um título mariano ainda meio que “escondido”, dentro dos Carmelos, principalmente os Teresianos. Quase toda a história deste título encontra-se registrado no livro “História de minha alma” de Santa Teresinha do Menino Jesus:

“...Num domingo (durante a novena de missas à Nossa Senhora das Vitórias), dia de Pentecostes (13 de maio de 1883). Não encontrando socorro nenhum na terra, a pequena Teresa apelou para sua Mãe do Céu...De repente, a Santíssima Virgem pareceu-me bonita, tão bonita que nunca vira algo semelhante, seu rosto exalava uma bondade e uma ternura inefáveis, mas o que calou fundo em minha alma foi o “sorriso encantador da Santíssima Virgem”. Todas as minhas penas se foram naquele momento, duas grossas lágrimas jorraram das minhas pálpebras e rolaram pelo meu rosto, eram lágrimas de pura alegria... Ah! Pensei, a Santíssima Virgem sorriu para mim, estou feliz...”. (História de uma alma – número 94 – página 68 – Edições Loyola).

Teresinha estava com 10 anos de idade, e tinha uma doença nervosa, hoje diagnosticada talvez como depressão, devido a perda de sua mãe, Zélia, que havia falecido quando ela tinha 4 anos e também pela ausência de suas irmãs mais velhas que haviam entrado para o Carmelo. No número 86 da Obra já citada acima, Teresinha nos relata: “...A doença que me atingiu vinha certamente do demônio. Furioso com o ingresso no Carmelo das minhas irmãs, quis vingar-se em mim dos prejuízos que nossa família ia causar-lhe no futuro. Ele não sabia que a doce Rainha do Céu velava sobre sua florzinha, que ela lhe sorria do alto do seu trono e preparava-se para a tempestade no momento em que sua flor ia quebrar-se sem remédio...”.

Aqui encontramos novamente a relação do sorriso da Virgem Maria com as lágrimas de Santa Teresinha. E também aqui já podemos entender um desses prejuízos que atormenta tanto o demônio que no dia 19 de outubro deste ano de 2015, os pais de Santa Teresinha, Luiz e Zélia foram canonizados juntos pelo Papa Francisco. Após este acontecimento na sua vida Teresinha começou a chamar a imagem que havia em seu quarto de: “A Virgem do Sorriso”, e ou “Nossa Senhora do Sorriso”.

No dia 13 de setembro de 1894, foi transferida para o Carmelo a estátua querida da Virgem do Sorriso. Foi diante desta imagem que Teresinha ajoelhou-se antes de começar a redigir suas lembranças autobiográficas. Também quando Teresinha foi levada para a enfermaria no dia 08 de julho de 1897, encontrou a bela imagem da Virgem do Sorriso, levada para lá pelas noviças um dia anterior. E no dia 30 de setembro de 1897, por volta das 18 horas, um pouco antes de sua morte, Teresinha procurou seu olhar e essa troca de olhares demorou muito tempo. Momentos de dor, de lágrimas, mais também de sorriso, onde a pequena florzinha do Carmelo iria celebrar sua vitória com Jesus e Maria na eternidade.

Esta bela Imagem de Nossa Senhora do Sorriso se encontra em Lisieux na França, onde estão sepultados os restos mortais da querida Santa Teresinha do Menino Jesus, local este que fica diariamente rodeado de flores e de rosas, local que tive a graça de ver com meus próprios olhos, num impulso quase sobrenatural de trocar meu olhar com a Virgem do Sorriso, como Teresinha também fui agraciada e curada com seu doce sorriso. Foi num desses cruzamentos da vida, onde estava sem rumo, derramando muitas lágrimas que Maria veio em meu socorro com seu sorriso, acalmando meu coração e mostrando o caminho.

Aqui no Brasil a devoção a Nossa Senhora do Sorriso vai aos poucos, na simplicidade e na humildade de Maria crescendo. Devoção necessária para os dias de hoje, todos nós, precisamos deste sorriso de Maria. Na cidade de Sorriso no Mato Grosso, já iniciou esta devoção, onde já está sendo construída uma Capela e na sequencia um Santuário dedicado a Nossa Senhora do Sorriso, local este escolhido pela Virgem Maria para trazer àquele povo sofrido, calejado e órfãos de Mãe, sua presença materna, para que também possam, nos momentos tristes ou alegres, “fazer essa troca de olhares com a Virgem Maria”.

Muitas pessoas testemunham que encontraram Jesus através do “Sorriso de Maria”. Também o convido, querido leitor, a buscar este olhar, este sorriso, este colo de Mãe e acreditar que você nunca está só nesta caminhada para o céu. Nunca perca oportunidades de estar frente à frente da Virgem Maria, aqui não limitado só a algum título mariano, mas a olhar Aquela que esteve de pé junto de seu Filho amado vendo-O morrer por todos nós.

As lágrimas silenciosas e invisíveis que Maria derramou aos pés da cruz transformaram-se em sorriso que sempre estarão à espera de um filho, de uma filha que precise deste auxilio, deste socorro de Mãe.

NOSSA SENHORA DO SORRISO, SORRIA PARA NÓS!

 Maria Salete Somensi
Associada da Academia Marial       

            Reflexão feita a partir desta homilia do Papa Bento XVI e do livro História de uma alma de Santa Teresinha).

            Quando olhamos a uma imagem da Santíssima Virgem Maria buscamos no seu olhar algo que identifique nosso momento, hora estamos sofrendo, hora estamos sorrindo. Vivemos altos e baixos em nossas vidas, de repente encontramos um cruzamento, onde haverá a necessidade de opção. Nem sempre escolhemos o rumo certo. E é muitas vezes nestes momentos que buscamos auxilio de algo ou de alguém.

            Diante de uma dificuldade, de um problema ficamos paralisados, sem ação. Aqui nos perguntamos como Maria estaria ao pé da cruz de seu Filho Jesus, fisicamente e espiritualmente? Sorrindo ou chorando? Seria ilógico dizermos que estava sorrindo. Segundo as Sagradas Escrituras o máximo que temos é o silencio de Maria. Ouvindo Jesus confiando-a ao seu discípulo amado e pedindo-a que o adotasse como filho. Tocando naquele corpo sem vida, sentindo uma espada transpassando a alma. Maria, a Mãe, a Mulher, estava de pé junto à cruz de Jesus. Seu corpo estremecia de dor querendo amenizar tanto sofrimento. Seu coração acelerava buscando uma explicação. Estava mergulhada na dor sim, mais na fé entendeu o seu “sim”. O Faça-se a Vossa Vontade.

            Maria vive hoje na alegria e glória da Ressureição. As lágrimas derramadas ao pé da cruz transformaram-se num sorriso que nada mais apagará. Sorriso esse que sempre vem em nosso socorro, não só nos dias atuais, mais ao longo de toda a história da humanidade. A oração “Memorare” (Lembrai-Vos) exprime muito bem este sentimento. Maria ama cada um de seus filhos, concentrando a sua atenção de modo particular naqueles que, como o Filho d’Ela na hora da Paixão, se acham mergulhados no sofrimento e na dor; ama-os porque são seus filhos entregues a ela por Jesus na hora de sua crucificação.

             Este sorriso de Maria é para todos: no entanto, dirige-se de modo especial para os que sofrem, a fim de que nele possam encontrar conforto e alívio. Procurar o sorriso de Maria não é uma questão de sentimentalismo careta e antiquado; antes, é a justa expressão da relação viva e profundamente humana que nos liga Àquela que Cristo nos deu por Mãe.

            Desejar contemplar o sorriso da Virgem Maria é assemelhar-se a ela quando cantou o Magnificat, (Lucas 1,46) “A minha alma glorifica ao Senhor e o meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador”. Em Lourdes, durante a aparição de 3 de Março de 1858, Bernadete contemplou de maneira muito especial este sorriso de Maria. Foi esta a primeira resposta dada pela Bela Senhora à jovem vidente, que queria saber a sua identidade. Antes de apresentar-se há Bernadete alguns dias mais tarde como “a Imaculada Conceição”, Maria fez-lhe conhecer antes de tudo o seu sorriso, como se tal fosse à porta mais apropriada para a revelação do seu mistério.

            Ao seguir este gesto de Maria, o seu doce sorriso, olhando para sua imagem, porque não deveríamos sempre buscar sua intercessão poderosa diante de Jesus? Quando a palavra já não consegue alcançar expressões de conforto e solidariedade diante de muitas injustiças, dores e sofrimentos?   

            Todos nós que sofremos, lutamos e muitas vezes sentimos tentadas a virar as costas à vida: Voltemos para Maria! No sorriso da Virgem, encontra-se misteriosamente escondida a força para continuarmos o combate contra as doenças, contra as opressões, mentiras, invejas, por alguma provação e a favor da vida. Força nossa, Mãe Nossa, venha em nosso socorro. Também é junto d’Ela, que se encontra igualmente a graça para aceitarmos, sem medo nem mágoa, a despedida deste mundo na hora nossa, ou dos nossos entes amados, querida por Deus.

            Devemos procurar este olhar e fazerTrocas de olhar com a Virgem Maria”!  (Padre Jean-Baptiste Chautard, na obra A alma de todo o apostolado). Muitas vezes perdemos oportunidades de trocar olhares com a Mãe. Procurar este sorriso significa em primeiro lugar perceber a gratuidade do amor; significa também saber suscitar este sorriso com o nosso empenho em viver segundo a Palavra do seu Filho, tal como a criança procura suscitar o sorriso da mãe fazendo aquilo que é do agrado dela. E nós sabemos o que agrada a Maria pelas palavras que Ela mesma dirigiu aos serventes em Caná: “Fazei o que Ele vos disser” (Jo 2, 5).

                                    Nossa Senhora do Sorriso

            É um título mariano ainda meio que “escondido”, dentro dos Carmelos, principalmente os Teresianos. Quase toda a história deste título encontra-se registrado no livro “História de minha alma” de Santa Teresinha do Menino Jesus:

            “...Num domingo(durante a novena de missas à Nossa Senhora das Vitórias), dia de Pentecostes (13 de maio de 1883). Não encontrando socorro nenhum na terra, a pequena Teresa apelou para sua Mãe do Céu...De repente, a  Santíssima Virgem pareceu-me bonita, tão bonita que nunca vira algo semelhante, seu rosto exalava uma bondade e uma ternura inefáveis, mas o que calou fundo em minha alma foi o “sorriso encantador da Santíssima Virgem”. Todas as minhas penas se foram naquele momento, duas grossas lágrimas jorraram das minhas pálpebras e rolaram pelo meu rosto, eram lágrimas de pura alegria... Ah! Pensei, a Santíssima Virgem sorriu para mim, estou feliz...”. (História de uma alma – número 94 – página 68 – Edições Loyola).

            Teresinha estava com 10 anos de idade, e tinha uma doença nervosa, hoje diagnosticada talvez como depressão, devido a perca de sua mãe, Zélia, que havia falecido quando ela tinha 4 anos e também pela ausência de suas irmãs mais velhas que haviam entrado para o Carmelo. No número 86 da Obra ja citada acima, Teresinha nos relata: “...A doença que me atingiu vinha certamente do demônio. Furioso com o ingresso no Carmelo das minhas irmãs, quis vingar-se em mim dos prejuízos que nossa família ia causar-lhe no futuro. Ele não sabia que a doce Rainha do Céu velava sobre sua florzinha, que ela lhe sorria do alto do seu trono e preparava-se para a tempestade no momento em que sua flor ia quebrar-se sem remédio...”.

            Aqui encontramos novamente a relação do sorriso da Virgem Maria com as lágrimas de Santa Teresinha. E também aqui já podemos entender um desses prejuízos que atormenta tanto o demônio que no dia 19 de outubro deste ano de 2015, os pais de Santa Teresinha, Luiz e Zélia foram canonizados juntos pelo Papa Francisco. Após este acontecimento na sua vida Teresinha começou a chamar a imagem que havia em seu quarto de: “A Virgem do Sorriso”, e ou “Nossa Senhora do Sorriso”.

            No dia 13 de setembro de 1894, foi transferida para o Carmelo a estátua querida da Virgem do Sorriso. Foi diante desta imagem que Teresinha ajoelhou-se antes de começar a redigir suas lembranças autobiográficas. Também quando Teresinha foi levada para a enfermaria no dia 08 de julho de 1897, encontrou a bela imagem da Virgem do Sorriso, levada para lá pelas noviças um dia anterior. E no dia 30 de setembro de 1897, por volta das 18 horas, um pouco antes de sua morte, Teresinha procurou seu olhar e essa troca de olhares demorou muito tempo. Momentos de dor, de lágrimas, mais também de sorriso, onde a pequena florzinha do Carmelo iria celebrar sua vitória com Jesus e Maria na eternidade.

            Esta bela Imagem de Nossa Senhora do Sorriso se encontra em Lisieux na França, onde estão sepultados os restos mortais da querida Santa Teresinha do Menino Jesus, local este que fica diariamente rodeado de flores e de rosas, local que tive a graça de ver com meus próprios olhos, num impulso quase sobrenatural de trocar meu olhar com a Virgem do Sorriso, como Teresinha também fui agraciada e curada com seu doce sorriso. Foi num desses cruzamentos da vida, onde estava sem rumo, derramando muitas lágrimas que Maria veio em meu socorro com seu sorriso, acalmando meu coração e mostrando o caminho.

            Aqui no Brasil a devoção a Nossa Senhora do Sorriso vai aos poucos, na simplicidade e na humildade de Maria crescendo. Devoção necessária para os dias de hoje, todos nós, precisamos deste sorriso de Maria. Na cidade de Sorriso no Mato Grosso, já iniciou esta devoção, onde já está sendo construída uma Capela e na sequencia um Santuário dedicado a Nossa Senhora do Sorriso, local este escolhido pela Virgem Maria para trazer àquele povo sofrido, calejado e órfãos de Mãe, sua presença materna, para que também possam, nos momentos tristes ou alegres, “fazer essa troca de olhares com a Virgem Maria”.  

            Muitas pessoas testemunham que encontraram Jesus através do “Sorriso de Maria”. Também te convido querido leitor a buscar este olhar, este sorriso, este colo de Mãe e acreditar que você nunca está só nesta caminhada para o céu. Nunca perca oportunidades de estar frente a frente da Virgem Maria, aqui não limitado só a algum título mariano, mas a olhar Aquela que esteve de pé junto de seu Filho amado vendo-O morrer por todos nós.

            As lágrimas silenciosas e invisíveis que Maria derramou aos pés da cruz transformaram-se em sorriso que sempre estarão à espera de um filho, de uma filha que precise deste auxilio, deste socorro de Mãe.

NOSSA SENHORA DO SORRISO! - SORRIA PARA NÓS!

                                                                                                                                                                                                                                                    Maria Salete Somensi

                                                                       Guarapuava – Paraná – outubro / 2015.

           

           

 

 

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Maria Salete Somensi, em Palavra do Associado

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.