Por Everton Vieira da Silva Em Palavra do Associado Atualizada em 03 OUT 2017 - 08H20

Espalhais inúmeros benefícios sobre todo o Brasil

Imergidos e conduzidos pelo Ano Jubilar dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida nas águas tranquilas doRio Paraíba do Sul, em 1717, por três pescadores, o povo brasileiro, fiel à sua patrona, vive profundamente o Ano Nacional Mariano. Grande movimentação está sendo realizado no Santuário Basílica de Aparecida, e nas inúmeras paroquias dedicadas à Mãe do Redentor.

pescadores

O Ano Nacional Mariano é para nós motivo de contemplação, meditação e oração, pois há 300 anos, na rede dos pescadores, aparecia uma imagem da Senhora da Conceição, hoje venerada como Senhora da Conceição Aparecida. É um tempo de preparação para o aguardado jubileu. O último Ano Mariano convocado pela Igreja no Brasil foi em 1967, há 50 anos, na qual o Brasil comemorou o jubileu dos 250 anos. A Imagem da Padroeira foi conduzida solenemente em peregrinação às Capitais de todos os Estados do norte ao sul das Terras de Santa Cruz. Na Capital Federal, Brasília, a Virgem Maria, foi aclamada Generalíssima das Forças Armadas Brasileiras.

 

O Ano Nacional Mariano é para nós motivo de contemplação, meditação e oração, pois há 300 anos, na rede dos pescadores, aparecia uma imagem da Senhora da Conceição, hoje venerada como Senhora da Conceição Aparecida.

Na carta circular, invitando os fiéis às comemorações do Ano jubilar, com a concordância do então Papa Paulo VI, o bispo auxiliar de Aparecida, Dom Antonio Ferreira Macedo, proferia: “Será a visita da Padroeira do Brasil. Durante o Ano Jubilar, virá o povo pagar a visita com peregrinações representando as diversas regiões. Será então a Visita do Brasil à sua Padroeira”. 

Foi assim que os devotos mostraram seu grande amor e veneração à sua poderosa Rainha e Padroeira, acolhendo com carinho e solene júbilo sua presença entre eles, preparando, assim, os seus corações para o jubileu dos 250 anos do encontro da Imagem milagrosa da santa de cor morena.

  Voz de Aparecida

Uma das infinitas formas de piedade que os brasileiros dedicam à sua Celestial intercessora é a conhecida “Consagração” a Nossa Senhora Aparecida, rezada sempre às 15h, no Santuário Nacional. Hora marcada na qual os devotos rezam, há mais de 60 anos, implorando graças e favores à Mãe Aparecida. É um antigo costume que se iniciou pelas ondas da Rádio Aparecida, em 1955, primeiro com o Missionário Redentorista Padre Laurindo Häuber, e depois, em 1956, com o saudoso Padre Vítor Coelho de Almeida, conhecido como apóstolo do rádio no Brasil, cujo processo de beatificação encontra-se em curso no Vaticano.

pe victor

Padre Vitor Coelho de Almeida - Rádio.

A “Hora da Consagração” era para os devotos, que seguiam e ouviam atentamente a programação da Rádio de Nossa Senhora, uma hora bendita. Todos paravam para acompanhar e rezar com o redentorista Vítor Coelho a Consagração a Nossa Senhora Aparecida. Nas cidades e povoados do nosso imenso Brasil, tal costume era seguido à risca, e o povo mantinha-se fiel em qualquer lugar e ocasião.

Programa de maior audiência da Rádio, e que ainda hoje continua sendo um dos programas com mais audiência na programação, a “Hora da Consagração”, tornou-se a voz de Aparecida nos lares dos brasileiros.

Os que trabalhavam na roça, sob sol forte, paravam o seu labor, sentavam-se sob uma fresca sombra de uma árvore, e cheios de devoção e piedade, escutavam, com o seu rádio movido à pilha, a hora dedicada à Mãe Aparecida. As mulheres, que em casa ficavam para cuidar dos filhos e dos afazeres caseiros, punham-se, juntamente com os filhos, diante do rádio, e em silêncio e com muita atenção acolhiam a bênção dada pelo padre, de voz rouca, que os fazia lembrar-se de Deus. Essa era a intenção dos caprichosos padres de Aparecida: fazer com que as pessoas, durante o dia, com seus trabalhos, parassem um instante e se recordassem de Deus em suas vidas.

Foi através das ondas do rádio, o meio de comunicação mais utilizado e acessível naquele período, que a devoção mariana chegou nas casas e lares de tantos brasileiros, que viviam com ardor sua fé em Deus e na Mãe do Redentor. A casa de cada devoto tornou-se uma extensão do Santuário Basílica. Era como estar lá, diante da Imagem milagrosa da Senhora Aparecida.

familia radio

Ainda hoje, às 15h, no altar da Basílica de Aparecida, a “Hora da Consagração” é realizada e retransmitida pela Rede Católica de Rádio e pelos modernos meios de comunicação.

Que a “Hora da Consagração” nos inspire sempre mais à oração, unidos à Igreja, para reconhecermos a vontade e a bondade de Deus em nossas vidas, assim, como em Maria de Nazaré, a escolhida para ser a Mãe do Redentor e nossa, a obra redentora seja manifestada em nossos atos, palavras e ações. Ao pronunciarmos com os lábios a bonita composição da oração da Consagração: “Ó Maria Santíssima, pelos méritos de Nosso Senhor Jesus Cristo, em vossa querida imagem de Aparecida, espalhais inúmeros benefícios sobre todo o Brasil”, queiramos de verdade interiorizar, meditar e rezar pela nossa pátria, por todos aqueles que sofrem e pelas necessidades da Igreja, pedindo a Nossa Senhora Aparecida, nossa Celestial intercessora, que lance sobre cada um de nós o amor a Deus e ao próximo na dimensão da cruz, lembrando sempre que o outro é Cristo. Assim seja.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Everton Vieira da Silva, em Palavra do Associado

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.