Por Redação A12 Em Notícias Atualizada em 05 NOV 2019 - 08H41

Desde 2008, 44 mil crianças e adolescentes já sofreram acidentes de trabalho

Shutterstock
Shutterstock


Entre 2007 e 2018, 43.777 meninos e meninas, entre 5 e 17 anos, sofreram acidentes de trabalho no Brasil; quase metade dos casos foram considerados graves, segundo dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do Ministério da Saúde. A faixa etária mais atingida é entre 14 a 17 anos, com 25.602 notificações. No mesmo período, outras 261 crianças e adolescentes morreram. Somente no ano passado, foram registrados 2.794 casos de acidentes e agravos à saúde relacionados ao trabalho com esse público.

Leia MaisProjeto “Resgate a Infância” garante educação e proteçãoExploração Sexual: o perigo à beira das estradas brasileirasProjeto leva temática do trabalho infantil à rede pública de ensinoComo a Lei trata a situação de crianças e adolescentes que querem jogar futebol?Trabalho artístico de crianças deve seguir regrasJovem Aprendiz: profissionalização e combate ao trabalho infantilQuase 2 milhões de crianças e adolescentes trabalham de forma ilegal no Brasil A maioria das vítimas executava atividades de servente de obras, açougueiro, empregado doméstico, trabalhador agropecuário, entre outros. Ou seja, são exercícios definidos como as piores formas de trabalho infantil, proibidas por lei para pessoas menores de 18 anos. Crianças e adolescentes que trabalham também estão expostos a acidentes com animais peçonhentos (14.326 notificações), à intoxicação exógena por agrotóxicos, produtos químicos, plantas e outros (com 2.836 casos) e a distúrbios osteomuscular por esforço repetitivo (162 casos).

Amputações, traumatismos, fraturas e ferimentos nos membros, principalmente nos superiores, estão entre as notificações consideradas graves. Ainda foram registrados 662 casos de crianças que perderam a mão de forma traumática. De acordo com o médico pediatra Sidney Volk da Silva, da Pediatria da UTI Infantil do Hospital Vera Cruz, de Campinas (SP), a criança não tem composição corporal (óssea e muscular) para realizar determinadas atividades, com aumento da frequência de lesões. “Além disso, a falta de maturidade e senso de autopreservação leva a um número elevado de acidentes de trabalho, com sequelas muitas vezes irreversíveis.”

No entanto, as consequências para a vida da criança e do jovem não se restringem apenas aos agravos físicos. “A introdução precoce de certas responsabilidades e as pressões decorrentes do ambiente laboral são incompatíveis com o grau de maturidade da criança e acabam, muitas vezes, desencadeando distúrbios psiquiátricos como depressão, transtornos de ansiedade e de personalidade”, completa o médico.

Fonte: Da Redação, com colaboração do MPT

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.