Espiritualidade

O Ser da Vocação Religiosa

Padre Lourenço Kearns, C.Ss.R. (Arquivo pessoal)

Escrito por Padre Lourenço Kearns, C.Ss.R.

07 MAI 2021 - 09H26 (Atualizada em 07 MAI 2021 - 09H45)

Thiago Leon missionários redentoristas, hábito redentorista (Thiago Leon )

A vocação Religiosa é motivada, em primeiro lugar, não pelo serviço na Igreja e nem da humanidade e nem pela busca da perfeição pessoal. Existe uma motivação muito mais profunda do que todas essas razões secundárias. A razão principal da Vida Religiosa é uma. É para mostrar a primazia do meu amor a Deus em suas vidas.

A Vida Religiosa é uma resposta ao primeiro mandamento:

"Ouve ó Israel; o Senhor nosso Deus é o único absoluto.
 Amarás o Senhor teu Deus com todas as tuas forças,
com todo o seu entendimento e com toda a tua alma”
(Dt 6,4-5).

Leia MaisA pergunta pela vocação: 2 ensaios de respostaRedação A12 ao vivo - Vocação religiosa Pe. Pedro Cunha: Vocação é "SER", não "fazer"Os padres do deserto foram os primeiros a admitir que é impossível viver perfeitamente esse projeto da vida consagrada. Por isso, eles assumem uma vida inteira e intensa de conversão, cada vez mais se entregando para morrer para si mesmo por amor, para viver o 100% de pertencer a Deus.

A vida consagrada, então, é um processo onde caminhamos para viver o 100% da aliança do Batismo: amar a Deus de todo meu coração e, por causa de Deus, amar meu próximo numa forma radical.

Portanto, todo o resto na vida consagrada é secundário diante do projeto do amor batismal. Votos, pobreza, castidade, obediência, vida em comunidade e vida apostólica tirem sua força e ânimo do amor batismal, e não vice-versa.

Thiago Leon
Thiago Leon


Não sou pobre para ser pobre.
Sou pobre para amar a Deus e ao próximo.

Não sou casto porque não posso me casar.
Sou casto para amar a Deus e ao próximo numa forma radical.

Não sou obediente para dizer “sim”.
Sou obediente para amar a Deus e ao meu próximo.

Eis a simplicidade do projeto original dos padres do deserto: amar a Deus!

A frase que os padres do deserto usaram para descrever essa essência foi “Viver o Primado do Absoluto”. Na vida de um(a) religioso(a) existe "somente um absoluto, que é Deus” e, por isso, todo o resto é relativo e secundário.

Ninguém é capaz para viver esse projeto 100%, por uma porção de razões. Por isso, um religioso assume uma vida inteira de conversão. Tudo, então, que um religioso consagrado é ou faz, mais cedo ou mais tarde, deveria ser dirigido a Deus em culto e adoração. Sua vida deve ser uma liturgia constante. Celebrar Deus em tudo e em todos!

Escrito por
Padre Lourenço Kearns, C.Ss.R. (Arquivo pessoal)
Padre Lourenço Kearns, C.Ss.R.

Padre Lourenço Kearns, C.Ss.R. nasceu em Nova York e tem 82 anos. É religioso redentorista há 62 anos e sacerdote há 56 anos. Veio para Brasil em 1968 e tem Mestrado em Educação Religiosa e em História. É autor de nove livros sobre a Vida Consagrada e Espiritualidade. Foi Provincial de Campo Grande (MS) por seis anos e trabalhou por 33 anos na formação de futuros redentoristas.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Espiritualidade

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.