Igreja

A Libertação Conservadora: A dualidade dentro da Igreja e seus males

Como será que a Igreja deve lidar com o dualismo entre a tradição e a novidade? O Fr. Rafael Peres nos traz algumas indicações neste artigo. Confira!

Fr. Rafael Peres Nunes de Lima C.Ss.R.

Escrito por Fr. Rafael Peres Nunes de Lima, C.Ss.R.

24 MAI 2022 - 09H50 (Atualizada em 24 MAI 2022 - 10H20)

Dentro da história da Igreja, vemos que a questão do dualismo sempre foi algo desafiador e que levou a vários debates e conflitos. O dualismo é algo que nasce na filosofia grega de Platão, com a questão do mundo inteligível e o mundo sensível, ou seja, o mundo das coisas sensíveis (materiais) é um reflexo do mundo inteligível (das ideias) que era perfeito. Também Aristóteles, ao tentar explicar a relação da razão com o corpo, leva a um dualismo.

O problema do dualismo, que queremos tratar nesta reflexão, se dá na questão entre o conservadorismo e a Teologia da Libertação, que vemos principalmente na Igreja presente no Brasil.

Vemos um intenso debate dentro das comunidades e seminários em relação às correntes tanto conservadoras quanto libertárias, que padres e leigos seguem dentro da Igreja. Entre uma liturgia ultraconservadora e uma liturgia ultralibertária existe um abismo imenso onde caiu a liturgia como ela é em si. A liturgia é apenas um exemplo daquilo que expressa essa dualidade dentro da Igreja.

Leia MaisSobre a educação domiciliar – estamos prontos?Movimento “Escolhemos a vida”, reúne milhares de pessoas em RomaVemos que grupos conservadores levam à risca as rubricas do missal romano, não abrindo espaço para uma inculturação; ou, ainda, buscam utilizar de uma liturgia pontifical que não cabe em nossa cultura e esquecem-se das riquezas culturais de nosso país, que podem, sim, ser colocadas dentro da liturgia. Já do lado contrário, vemos uma importação deturpada de liturgias africanas, latino-americanas, que se misturam para formar uma “inculturação” brasileira dentro da liturgia, mas que, no final, se torna um abuso daquilo que é essencial.

Em ambos os casos, há uma incompreensão daquilo que o Magistério da Igreja pede a respeito da liturgia, bem como a respeito de todo o Magistério dos Papas, desde João XXIII até Francisco. O dualismo presente na Igreja hoje não defende a tradição ou a opção pelos pobres, mas defende suas próprias visões e interpretações do que é a tradição e do que é a opção preferencial aos pobres.

Logo, os males causados por este dualismo acabam por ser o motivo de rupturas e separações. São males destrutivos, pois ao defender uma visão e interpretação, esquece-se do sentido último do Evangelho e da vida de Jesus, que é o amor e a construção do Reino. Uma forma de curar este mal? O diálogo e a busca pela compreensão de ambas as partes.

Escrito por
Fr. Rafael Peres Nunes de Lima C.Ss.R.
Fr. Rafael Peres Nunes de Lima, C.Ss.R.

Missionário Redentorista, Bacharel em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas e estudante de Teologia no Instituto São Paulo de Estudos Superiores – ITESP.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Carregando ...

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Carregando ...