Por Pe. Leo Pessini Em Santo Padre Atualizada em 22 JUL 2018 - 14H08

Papa Francisco propõe uma visão global da bioética

Vimos no texto anterior que Francisco simplesmente não utiliza o já consagrado neologismo “bioethics” (bioética) na comunidade cientifica internacional, ao refletir e dialogar sobre questões eminentemente éticas e bioéticas, como do extraordinário progresso técnico cientifico no âmbito das ciências da vida e da saúde. Emblemática neste sentido é a sua extraordinária Encíclica Laudato Si.

Shutterstock.
Shutterstock.

Temos indícios claros, que este silencio em relação ao termo ”Bioética” tenha sido quebrado no final de junho de junho de 2018, quando o Papa Francisco num discurso aos participantes da assembleia plenária da Pontifícia Academia para a vida (25 de junho de 2018), que tratou diretamente do tema Bioética global, ou seja, “a vida humana no contexto do mundo globalizado”.

Leia o primeiro artigo: O Papa Francisco e a bioética

Neste seu pronunciamento, o Papa reconhece a existência e necessidade de uma bioética global. Como esta nova área do conhecimento humano ainda não tem uma definição consensuada e não existe ainda uma descrição de seu campo temático, do que lhe diz respeito, Francisco aponta uma agenda clara. Afirma o Papa: “Esta nova visão da bioética, que se situa no campo da ética social e do humanismo planetário, com forte inspiração crista, se comprometerá com mais seriedade e rigor de desencadear a cumplicidade com o trabalho sujo da morte precoce. (...) Esta bioética não se moverá a partir da enfermidade e da morte para decidir a respeito do sentido da vida e definir do valor da pessoa”.

Segundo Francisco, esta visão de bioética global, "se moverá a partir da profunda convicção da irrevogável dignidade da pessoa humana assim como Deus a ama, em cada fase e condição de sua existência, na busca de formas de amor e de cuidado que devem ser dirigidos frente sua vulnerabilidade e sua fragilidade”.

Consequentemente esta bioética global, terá como tarefa, específica desenvolver a perspectiva da ecologia integral que é própria da Encíclica Laudato si´ (Cf. no.16). “a intima conexão entre os pobres e a fragilidade do planeta, a convicção de que no mundo tudo está conectado, a crítica ao novo paradigma e as formas de poder que derivam da tecnologia, ao convite em buscar outros modos de entender a economia e o progresso, o valor próprio de cada criatura, o sentido humano da ecologia, a necessidade de debates sinceros e honestos, a grave responsabilidade da política internacional e local, a cultura do descarte e a proposta de um novo estilo de vida”.

Em segundo lugar, esta bioética deverá “cultivar uma visão holística da pessoa”. Trata-se de articular sempre com maior claridade todas as uniões e as diferenças concretas em que habita a condição humana universal e que nos implicam a partir de nosso corpo, que visto como dom de Deus, nos situa em relação direta com o ambiente e na relação com os demais seres viventes. Aprender a acolher o próprio corpo, a cuidá-lo e a respeitar seus significados é essencial para uma verdadeira ecologia humana”, afirma o Papa.

É necessário para tanto “proceder num cuidadoso discernimento das complexas diferenças fundamentais da vida humana” bem como de todas as condições difíceis e de todos as passagens delicadas e perigosas que exigem “uma sabedoria ética especial e uma resistência moral corajosa”. Estes temas de ética e da vida humana devem encontrar uma colocação adequada no âmbito de uma antropologia global e não ser confinados entre as questões limites da moral e do direito. É necessário uma conversão em relação a “centralidade da ecologia humana integral”, isto é, de uma compreensão harmônica e global da condição humana.

Por final afirma o Papa que “a bioética global, nos incita, a sabedoria do discernimento profundo e objetivo a respeito do valor da vida pessoal e comunitária, que deve ser custodiada e promovida também nas condições mais difíceis. A perspectiva de uma globalização que quando deixada somente a sua dinâmica espontânea, tende a aumentar e aprofundar as desigualdades, exige uma resposta ética em favor da justiça. O prestar atenção aos fatores sociais, econômicos, culturais e ambientas que determinam a saúde entre neste compromisso”.

Além disto, esta bioética global, estaria aberta a uma dimensão transcendente de uma cultura da vida. Trata-se de olhar para ”a questão séria” do destino último do ser humano e da vida. A vida humana ultrapassa a si própria para além da morte, existe um horizonte infinito e misterioso a ser levado em conta.

Escrito por
Pe. Léo Pessini Currículo - Aquivo Pessoal
Pe. Leo Pessini

Professor, Pós doutorado em Bioética no Instituto de Bioética James Drane, da Universidade de Edinboro, Pensilvânia, USA, 2013-2014. Conferencista internacional com inúmeras obras publicadas no Brasil e no exterior. É religioso camiliano e atual Superior Geral dos Camilianos.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Santo Padre

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.