Por Pe. Inácio Medeiros, C.Ss.R. Em Notícias

Missão: Vida de Jesus Cristo para os povos da América Latina (parte 2)

A partir da Conferência Episcopal de Aparecida (2007) surgiu uma grande inquietação, oriunda da necessidade de aplicar entre nós as conclusões da Conferência Eclesial e responder a um desafio fundante: Como levar a vida de Jesus Cristo para os nossos povos, nas comunidades e paróquias que missionamos?

Numa tentativa de síntese, os missionários se debruçaram sobre o documento final da conferência e a partir deste aprofundamento foram apresentadas diversas respostas.

Leigos Missionários

O que estamos fazendo há muitos anos, promovendo pequenas comunidades, grupos de famílias e setores missionários nas comunidades e paróquias que evangelizamos é algo que tem de ser levado em frente, buscando sempre mais o seu aperfeiçoamento, não só em base geográfica, mas também em base ambiental, de grupos de interesses e de afinidades, e até mesmo em ambientes que são hostis ao evangelho. Uma Santa Missão nunca mais voltará a ser só uma animação de massas, mas a busca de inserção na vida da comunidade. 

A participação ativa dos Leigos Missionários das próprias comunidades é um investimento pastoral necessário e crescente. 

A pastoral urbana, apesar de seus grandes desafios, é uma expressão que inclui um pluralismo de situações, geralmente complexo e contraditório. Por isso, as missões nos grandes centros urbanos têm como principal objetivo atingir e envolver comunidades e grupos humanos específicos. As manifestações de grandes massas, que envolvem toda uma cidade ou todo um bairro, quando possíveis, devem servir como uma estratégia para a formação ou consolidação das pequenas comunidades e grupos, resgatando tantas pessoas que estão perdidas em meio à massa. E não somente de grupos próximos geograficamente, mas também de grupos com proximidade cultural, profissional e afetiva. 

Globalizar a solidariedade

Se o centro da nossa mensagem missionária é a Vida, o desafio de nossas missões será sempre o de promover momentos e espaços de ecumenismo e de manifestação da cultura popular, quem sabe até a cultura indígena e afro-americana.

A partir desta postura de Igreja renovada, tão bem clarificada nos discurso e nas atitudes do papa Francisco, continuamos propondo com insistência a “opção preferencial pelos pobres”, atentos aos novos rostos, provocados pela globalização: migrantes, vítimas da violência e do tráfico de pessoas, tóxico-dependentes, exploradas sexualmente, analfabetos tecnológicos, crianças de rua e outros marginalizados. A dimensão de Comunidade, tão importante em nossas missões deve ser vinculada mais fortemente à dimensão da Vida e provocada a promover os serviços de caridade, desde a assistência solidária até a conquista de direitos fundamentais para o povo. Não bastam celebrar e cantar.

Uma expressão que poderíamos propor para que penetre nas inquietações das comunidades missionadas é a “Globalização da solidariedade”.

Padre Inácio Medeiros, C.Ss.R. 
Equipe de Comunicação das Santas Missões

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Inácio Medeiros, C.Ss.R., em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.