Por Elisangela Cavalheiro Em Redentoristas

Profissão Perpétua: frater Denis e frater Lucas contam sua história vocacional

No primeiro dia de dezembro, primeiro domingo do Advento, Frater Denis Francisco Rosa Oliveira, 26 anos, mineiro de São José do Alegre, e frater Lucas Emanuel Almeida, 27 anos, paulista de São José dos Campos, ofertaram generosamente suas vidas à messe do Reino de Deus professando os votos perpétuos na Congregação do Santíssimo Redentor.

Diante de Deus e da comunidade presente no Seminário Santo Afonso em Aparecida (SP), entre familiares, amigos e diversos Missionários Redentoristas, e na presença do Superior Provincial de São Paulo, padre Luis Rodrigues Batista, os dois jovens professaram os votos perpétuos de castidade, pobreza e obediência, celebrando a doação de suas vidas pela Copiosa Redenção. 

Em entrevista ao A12 poucos dias antes da celebração, os dois religiosos comentaram a decisão de suas vidas. Motivados e animados pelo coroamento de toda uma caminhada vocacional, os futuros Missionários Redentoristas demonstraram como uma vocação acertada conduz à felicidade.

Frater Denis recordou que em sua terra natal, junto à família, na lavoura de café e na vida comunitária em sua paróquia, ele estava sempre “conectado com Aparecida” pelas ondas da Rádio Aparecida e na programação da TV Aparecida, especialmente na Consagração a Nossa Senhora. Lembrou também que desde pequeno, visitando o Santuário Nacional nas romarias que sua família fazia mais de uma vez por ano, olhava com admiração os Missionários Redentoristas. 

Frater Lucas contou que a sua primeira referência vocacional foi quando ainda era coroinha e um padre o questionou se ele iria ser um “outro padre Lucas”, aquela simples brincadeira ressoou fundo em seu coração e acabou o conduzindo ao seminário anos depois. Lembrou que quando decidiu participar dos encontros vocacionais, não tinha idade suficiente de acordo com as normas diocesanas, mas por intermédio de uma irmã religiosa que morava em Aparecida, acabou conhecendo os redentoristas. Nessa época sua diocese acabou abrindo uma exceção para que pudesse frequentar os encontros, e de fato, chegou a participar, mas nessa altura, frater Lucas recorda que "o coração missionário redentorista já tinha me cativado".  

Ouça a história vocacional dos religiosos:

Frater Denis:  

Frater Lucas:  

Acompanhe o restante da entrevista concedida ao A12:

 

"O que me encanta em ser redentorista é esse jeitão tão singular, o ser missionário que com alegria anuncia a Copiosa Redenção", frater Lucas. 

A12 - O que o atraiu no carisma redentorista?
Frater Denis -
O jeito missionário, o jeito popular, o jeito de chegar ao povo principalmente, essa alegria em gritar Viva Nossa Senhora Aparecida. Quando entrei no seminário e fui conhecendo o que é a vida religiosa e o que é ser redentorista eu fui perceber que uma das coisas que mais me agrada é viver em comunidade. Esse espírito de família, de partilhar o que tem, isso de fato é o que caracteriza o redentorista. E isso é o que mais me agrada. Eu não conseguiria viver a missão sozinho. Esse espírito comunitário é o que me dá forças e o que eu vejo que os redentoristas tem muito forte. Aonde nós estamos, estamos vivemos em comunidade. E é por isso, que hoje eu dou meu sim, dou meu sim para viver em comunidade como redentorista.

Frater Lucas - O que me encanta em ser redentorista é esse jeitão tão singular, o ser missionário que com alegria anuncia a Copiosa Redenção. A nossa vocação é para os mais pobres e abandonados. Acredito que essa coragem do ser missionário, que abnega de sua vida para ser doação para os irmãos é o que mais me cativou. Também a vida comunitária. Onde nós estamos não é um ou outro, mas são os Missionários Redentoristas.

 

"Quando a gente quer seguir o primeiro desafio é deixar tudo", frater Denis. 

A12 - Qual o maior desafio para viver a vocação religiosa atualmente?
Frater Denis -
Algo que é muito forte, desde o tempo de Jesus e que vigorou historicamente até hoje, é a abnegação das coisas materiais. Um grande desafio para quem deseja seguir a vocação religiosa é a capacidade que a pessoa tem de se abnegar dos bens. Nós vivemos em uma sociedade que tem inúmeros motivos para se viver no luxo, para viver com coisas boas. Para um jovem hoje, que deseja ser um religioso, um grande desafio de fato é deixar tudo para seguir Jesus. É algo que existe há muito tempo, só que se atualizarmos hoje, existem inúmeros motivos para não se seguir a vida religiosa, mas quando a gente quer seguir o primeiro desafio é deixar tudo.

Frater Lucas - Complemento o frater Denis destacando dois grandes desafios. Além do desapego diante de um mundo com tantas novidades atraentes, acredito que um grande desafio atualmente é viver em coerência. A gente assume ser um religioso redentorista com os votos de pobreza, castidade e obediência, e um grande desafio é viver em coerência com esses votos que a gente faz. A coerência de vida é um dos grandes desafios.

Ao final da entrevista os religiosos mandaram um recado para todos aqueles que sentem no coração um chamado especial para seguir a Cristo mais de perto. Ouça o convite dos religiosos:

Frater Denis: 

Frater Lucas: 

 

Confira a galeria de fotos da celebração (Crédito: Secretariado Vocacional)

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Elisangela Cavalheiro, em Redentoristas

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.