Por Marília Ribeiro Em Notícias Atualizada em 13 OUT 2020 - 09H24

Padroeira 2020: Êxodo como experiência de vida e conversão contínua

Estamos caminhando rumo à Festa da Padroeira do Brasil. Nesta sexta-feira, dia 9 de outubro, o Santuário de Aparecida rezou o sétimo dia da Novena preparatória.

Caminhar, colocar-se em movimento, sair... essas são as motivações da reflexão do tema de hoje: ‘Com Maria, sempre em êxodo missionário!’.

Padre Marlos Aurélio, superior provincial da Congregação Redentorista de São Paulo, presidiu a Novena das 15h na Basílica Velha.

Os colaboradores e devotos da Mãe Aparecida puderem compreender, nesta tarde, que êxodo é muito mais que um título do livro do Antigo Testamento ou uma palavra que representa partida, travessia. Segundo o celebrante, êxodo é uma experiência de vida, uma experiência de fé do povo de Deus.

Padre Marlos elenca vários exemplos para ressaltar que Deus, Jesus e Maria estão em constante êxodo. “Deus, sendo Criador, encarna em seu filho Jesus e vem participar das aventuras humanas, porque nos ama e nos quer salvar. Então, o próprio Deus faz um êxodo de si. E quando olhamos para Jesus, nos percebemos contínuos êxodos na vida d'Ele. Ele é Aquele que sai de si, para que, assim, a gente pudesse conhecer quem é Deus, pudesse participar da vida divina”, explicou.

Sobre Maria, recordou que Ela se deixou interpelar por Deus, mas também pelas necessidades dos seus semelhantes. “Maria é uma mulher que tem sensibilidade, é uma mulher que sempre estava pronta para partir, para servir”, reforçou.

“A gente pode dizer que Nossa Senhora também continua fazendo o êxodo lá no céu, porque ela é a nossa intercessora... continua olhando pelas nossas necessidades, saindo em socorro das nossas carências, das nossas misérias.”

Chamou a atenção para o êxodo do povo do Egito, terra da escravidão, afirmando que o Egito é também algo que pode estar dentro de cada pessoa. “Nós queremos nos libertar dos 'Egitos' que nós construímos ou que construíram para nós: o nosso preconceito, a nossa indiferença nas relações que estabelecemos com as pessoas, o olhar que nós temos com aqueles que pensam e agem diferente de nós, como se fossem nossos inimigos. Portanto, é uma conversão contínua, que cada homem e mulher é chamado a fazer para sair do Egito, para sair da terra da escravidão”, destacou.

Ele também comentou sobre a dimensão missionária da fé, indicando que, se a oração não nos transportar, não nos mover para a missão, é sinal que a gente tem que mudar a forma de rezar. Quem reza de verdade, se compromete com alguma causa na sua vida. Rezar com o coração aberto, mas também com os olhos abertos, com as mãos abertas para que a gente entre em comunhão com Deus, mas também com os nossos irmãos e irmãs”.

Sublinhou ainda que sair em missão não é simplesmente pegar uma Bíblia, uma cruz ou uma imagem e sair para o mundo, mas é ser presença de Deus no mundo: Sal da terra, luz do mundo.  “No mundo da política, defendendo os direitos humanos, na defesa da democracia. Quantas bandeiras que aparentemente não têm nada a ver com a religião, mas são essencialmente cristãs. Portanto, como nos lembra o mês missionário: A vida é missão. São muitos os gritos e interpelações que nos vem de diversas realidades”, alertou.

Concluiu pedindo a intercessão de Nossa Senhora para a vida de missão: “Peçamos a Maria a coragem para sermos missionários de seu filho Jesus Cristo, e continuarmos a sua obra de libertação. Continuarmos a experiência exodal que Jesus e Maria fizeram, construindo assim, o reino que é de Deus, o reino que é para todos”.

Novena Solene

Dom Amilton Manoel da Silva, CP, Bispo de Guarapuava (PR), presidiu a Novena Solene às 19h, no Altar Central.

A celebração desta noite homenageou os missionários redentoristas e os seus trabalhos de evangelização, por meio do subsídio litúrgico Deus Conosco e a Rede Aparecida de Comunicação (Rádio Aparecida, TV Aparecida e A12).

Thiago Leon
Thiago Leon


Dom Amilton iniciou sua explanação enaltecendo a
profundidade do tema deste ano ‘Com Maria, em família, revestir-se da Palavra. “Maria a mulher da Palavra, ensinando as famílias e cada um de nós, a vivermos revestidos do seu divino filho Jesus Cristo, a Palavra encarnada do Pai”.

Sobre o tema do dia, destacou as palavras inspiradores do evangelho desta noite (Lc 10,1-6.8-9), dizendo que “não só apóstolos foram enviados por Jesus, mas também outros 72 discípulos. A razão transparece no versículo dois deste evangelho: “'A escassez de operários na messe do Senhor'".

Lembrou que hoje, cada um de nós é enviado em missão, para em constante êxodo missionário, proclamar as maravilhas de Deus: a sua presença, seu amor ilimitado e a sua misericórdia. Proclamemos a vida como dom maior que precisa ser cuidada, defendida, pois do contrário, nós estaremos traindo o seu evangelho”, ressaltou o celebrante.

Comentou que, na evangelização, os contrastes do mundo sempre se chocarão com as novidades de Deus. Citando o Papa Francisco, disse: “Uma vida privada, sem riscos e cheia de medos, não é uma vida cristã. Não somos feitos para sermos tranquilos, mas somos feitos cristãos para sonhos audaciosos.

O bispo de Guarapuava (PR) afirma que Maria nos ensina a enfrentar os desafios da missão com coragem, com fé e determinação.  O que pediu Deus à Maria e hoje pede a nós, seus discípulos missionários? Papa Francisco nos lembra: 'pede-nos a disponibilidade radical, para sermos enviados, porque Deus é amor em perene movimento de missão, sempre em saída de si mesmo, para dar e oferecer a própria vida'”, frisou.

“Os lobos jamais vencerão os cordeiros, porque o Cordeiro que tirou o pecado do mundo continua a morrer nos que morrem defendendo a vida. Ele está presente nas lutas de cada dia dos seus filhos e filhas, como testemunho do bem que sempre vencerá o mal, do amor que sempre vencerá o ódio.

Encerrou sua reflexão motivando uma prece de comprometimento com a missão de Deus:

“Que sejamos construtores desse reino, pela escuta do seu Filho. Voltados para Deus, com sensibilidade para com a dor do outro, no serviço aos mais pobres, no cuidado com o planeta (a nossa Casa Comum). Maria nos pede o que o Papa Francisco acaba de escrever na encíclica ‘Fratelli Tutti’, uma fraternidade maior, que abrace todas as religiões e todos os povos, mais diálogo e respeito para a instauração da paz, amor humanizante e humanizado, porque somos todos irmãos.”

Reveja a celebração e a reflexão desta noite:


add_circle Acompanhe a programação da Novena e Festa da Padroeira do Brasil 2020 e reze com a Rede Aparecida de Comunicação, junto à sua família. As celebrações são transmitidas pela TV Aparecida, Rádio Aparecida, TV ao Vivo no A12 e Facebook e YouTube do Santuário.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Os textos, fotos, artes e vídeos do A12 estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. 
Não reproduza o conteúdo em outro meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização expressa do A12 (contato@a12.com).

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Marília Ribeiro, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.