Por Lina Boff Em Artigos Atualizada em 09 MAR 2018 - 14H26

Conhecer e celebrar a vocação e a missão da Mulher no Continente Sul

A mulher na Igreja do Documento de Aparecida



:: Espiritualidade mariana no documento de Aparecida

:: Reflexões sobre a presença da mulher na Igreja

A V Conferência é celebrada com o objetivo de “dar agora um novo impulso à evangelização. Dentro dessa concepção e em nosso contexto a opção preferencial pelos pobres está implícita na fé cristológica, naquele Deus que se fez pobre por nós, para enriquecer-nos com sua pobreza”. Nesse pronunciamento a concentração tensa dos bispos irrompe num efusivo aplauso de apoio e comunhão com o pensar do papa.

Cita a Populorum Progressio ao incentivar os bispos a fomentar uma cultura da vida, lembrando que “o desenvolvimento autêntico há de ser integral”, ou seja, orientado à promoção das pessoas e de todas as pessoas em todas as dimensões de suas vidas (Cf. PP parágrafo 14). O trabalho político “não é de competência imediata da Igreja”, pois se deve respeitar uma “sã laicidade”. Do contrário, a Igreja “perderia sua independência”, em sua “vocação fundamental” de “formar as consciências” e de ser “advogada da justiça e da verdade”.

Outrossim, não esquecer que “as estruturas jamais serão perfeitas ou completas de modo definitivo, mas devem ser sempre renovadas e atualizadas, animadas por um ethos político e humano”, à luz da Palavra encarnada. Neste campo destaca-se “a notável ausência de líderes católicos” na sociedade e no mundo das Ciências.

A vocação e a missão da mulher é citada ao longo de todo o Documento. Há uma concentração da mesma no V capítulo em que os bispos falam que o espaço próprio da atividade evangelizadora da mulher é o mundo vasto e complexo da política, realidade social e da economia, como também da cultura, das ciências e das artes, da vida internacional, dos MCS e outras realidades abertas à evangelização, como o amor, a família, a educação, o trabalho profissional e o sofrimento (cf. DAp 210).

A mulher leiga é chamada a participar dos Conselhos paroquiais, diocesanos e nacionais para dar seu testemunho de comunhão e participação não só na Igreja mas também na ordenação das coisas do mundo como cidadã. A construção da cidadania e a construção da eclesialidade de Comunhão é um só e mesmo movimento (DAp 215).

A mulher consagrada pelos votos públicos de obediência, castidade e pobreza é chamada a fazer de seus lugares de presença lugares de anúncio explícito de anúncio do Evangelho, principalmente aos mais pobres. Sua vida missionária deve ser radicalmente profética de um profetismo que inspire até a entrega da própria vida (DAp 220).

Espera-se da mulher leiga imaginação e criatividade do Espírito para encontrar aos muitos e sempre mutáveis desafios que a realidade coloca novos serviços e ministérios (DAp 202).

ORAÇÃO DOS LEIGOS E LEIGAS

Senhor Jesus Cristo, Tu que caminhastes no chão deste mundo, testemunhando o Projeto de Deus para a humanidade, ensinando homens e mulheres a viverem a radicalidade dos valores do Reino de Deus, chamando todos à decisão do seguimento e a assumirem as exigências da Missão, faze com que nós, cristãos leigos e leigas, respondamos com a vida ao Teu chamado, na nossa vida pessoal, na família, na comunidade, no trabalho, na ação política e na sociedade. Que hoje se revigorem em nós as motivações e a graça dos Sacramentos do Batismo e da Crisma, doados pelo amor da Trindade Santa, tornando-nos “protagonistas da evangelização”, testemunhando presença na construção de uma sociedade justa e solidária. Que nossa disposição de conversão nos leve a amar os excluídos e a superar a exclusão -particularmente a exclusão dos empobrecidos, dos menores abandonados, dos doentes, da mulher, do negro, dos povos indígenas, dos alcoólatras, dos encarcerados, dos drogados, dos desempregados, dos idosos e dos moradores de rua - para assumir com responsabilidade e discernimento a exigência de novos ministérios, respondendo criativamente aos desafios de nosso tempo, no novo milênio. Amém!


Lina Boff – professora emérita da PUC-Rio
Pesquisadora, escritora e conferencista


Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Lina Boff, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.